O 'nove' tem nome: Carille deu importante recado sobre o tratamento dado a Gustagol

Andrew Sousa

22 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

O 'nove' tem nome: Carille deu importante recado sobre o tratamento dado a Gustagol

O 'nove' tem nome: Carille deu importante recado sobre o tratamento dado a Gustagol

Gustavo marcou cinco dos sete gols alvinegros nesta temporada

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

23 mil visualizações 140 comentários Comunicar erro

No início dessa temporada, não passava pela minha cabeça que o Corinthians podia contar com Gustavo. Mesmo com a artilharia do país em 2018, seu futebol não me enchia os olhos no Fortaleza e a desconfiança de sentir o peso da camisa alvinegra seguia viva. Por isso, torci por uma boa venda, ainda mais após o anúncio de Boselli.

Como diz o bom e velho Adenor, no entanto, "o campo fala". E tem falado muito bem do centroavante, que iniciou a temporada como titular e já soma cinco gols - o Timão, no total, tem sete.

Engana-se quem pensa que os gols têm sido a única coisa boa das atuações de Gustavo. Participativo, ganha todas as bolas pelo alto e faz papel importante de pivô por baixo (além do incansável apoio dando importantes desarmes pouco a frente da zaga corinthiana).

Por tudo isso, já me arrependi de todas as críticas que fiz ao jogador. Atualmente, se tem algo que sinto pelo rapaz é admiração e respeito. E é aqui que entra o principal. Mesmo com tantos gols e com atuações convincentes, o centroavante não tem o respeito que merece.

Por toda a badalação - e qualidade - em torno do argentino Mauro Boselli, há quem já garanta que o camisa 19 vai perder a posição entre os titulares. Ok, é um palpite plausível e que faz sentido, mas não cabe no momento. Atualmente, o campo vai ter que falar muito a favor do gringo para que ele ganhe seu lugar.

Até lá, Gustavo merece muito reconhecimento do que vem tendo - não só de alvinegros, que até já o abraçaram, mas da mídia em geral. Nesse sentido, o recado dado por Fábio Carille após o empate com o Ferroviário é de suma importância e com certeza dará ainda mais confiança para o garoto.

"Eu acho até um desrespeito quando falam de jogar 'esse' e 'aquele', dando nomes, e 'um nove'. Por que não falar o nome dele? Está fazendo gols, competindo, do jeito que o corinthiano gosta. Independente de ter feito gol, tem participado muito bem, se doado bastante. Então, não tem porque não ter sequência no time", afirmou o treinador.

A queixa é bem-vinda, visto que em uma série de "times ideais", quem aparece como titular é o Boselli, ou o próprio Gustavo, mas acompanhado de uma barra e do nome do concorrente de posição.

Desejo boa sorte ao argentino na busca por seu espaço e até mesmo para Vagner Love, que também pode jogar por ali. Mas, na hora de montar o Timão ideal, o nove já tem nome.

Veja mais em: Gustavo e Fábio Carille.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

21 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?

  • 1000 caracteres restantes