Carille tem mais, mas faz menos

Andrew Sousa

22 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

Carille tem mais, mas faz menos

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

20 mil visualizações 246 comentários Comunicar erro

Carille tem mais, mas faz menos

Carille tem encontrado dificuldades para fazer o Timão render

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Desde que assumiu o Corinthians pela primeira vez, Carille ganhou a fama de fazer muito com pouco. Em 2017, um elenco razoável venceu o Campeonato Paulista e o Brasileirão - com direito a um turno de invencibilidade. Sem grandes opções técnicas, o treinador armou uma equipe eficiente.

A postura nunca foi dominante, mas a bola não queimava no pé. Com dois ou três passes, uma jogada de perigo acabava em gol. Em 2018, a qualidade caiu ainda mais, com perdas irreparáveis e muitas mudanças. O comandante surpreendeu, adaptou o que podia e papou mais um título.

Neste ano, o panorama se alterou. Carille já não "tira leite de pedra". Ele faz o contrário. Não que o plantel alvinegro seja do mais alto patamar, mas não há como negar a melhora. Em uma série de entrevistas, inclusive, ele colocou o atual plantel como o melhor que já treinou no Parque São Jorge - até porque, grande parte dos reforços foram indicados por ele.

Em sua primeira passagem, o treinador conseguia tirar o máximo de cada um dos atletas. Se cada nome do atual elenco jogasse seu máximo, o Corinthians brigaria por tudo que disputa na temporada. Sem Gustavo, Carille pode se dar ao luxo de escolher entre Vagner Love e Mauro Boselli. Privilégio de poucos.

Mesmo com mais qualidade, no entanto, o professor repete o roteiro utilizado lá atrás, com peças limitadas e que, de fato, dificilmente poderiam se impor ofensivamente dentro de campo.

É preciso mais. É inadimissível, mesmo que em início de temporada, que o Corinthians não tenha uma cara. Não há padrão, estratégia ou qualquer indício de uma movimentação diferenciada. Clayson é o único agudo em um time que mal consegue sair jogando - e não conta com a ajuda do treinador, que terminou o último jogo com Richard e Ralf inoperantes no setor.

Em 17 e 18, valorizei muito Carille pela capacidade de se adaptar ao que tinha em mãos. Neste ano, porém, ele quis fazer o contrário. Pegou um grupo melhor e tentou adaptar ao jogo cauteloso de outrora. Esse plantel pode mais, basta querer.

E é isso que preocupa. Após derrota para a Chapecoense, o técnico justificou não ter feito a terceira troca por estar satisfeito com o que o time vinha apresentando. Mais do que isso, destacou que temeu tomar mais um gol, complicando o jogo de volta. Uma covardia desnecessária, visto que o próprio time catarinense já não oferecia perigo.

Em outros momentos, a cautela se justificou. Jogar de forma extremamente reativa e contar com a força de Itaquera era mesmo necessário. Hoje não. Com menos material humano, outros treinadores, que chegaram junto com Carille, mostram mais em 2019. Por tudo isso, a Fiel tem razão em cobrar.

Pedrinho, Love, Gustavo, Boselli, Vital... Todos podem render mais se a proposta mudar. O foco excessivo no setor de defesa já não se prova em campo. O ataque precisa existir.

Nesse começo de ano, o processo é o contrário do que costuma acontecer nas mãos do treinador: o leite está virando pedra no CT Joaquim Grava.

Veja mais em: Fábio Carille.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

21 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?