No fim, toda camisa pode ser linda

Andrew Sousa

22 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

No fim, toda camisa pode ser linda

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

4.3 mil visualizações 55 comentários Comunicar erro

No fim, toda camisa pode ser linda

Corinthians estreia nova camisa neste sábado, contra o Ceará

Foto: Divulgação/Nike

De início, a nova terceira camisa do Corinthians assusta. Mesmo com as imagens vazadas antes do anúncio da Nike, nesta sexta-feira, poucos alvinegros estavam preparados para a sensação de pensar: "eita, era essa camisa mesmo...".

Em grupos de torcedores, é claro, não há como escapar das perguntas sobre o novo manto. Feio ou horrível? Estiloso ou bizarro? Cada um se posiciona como bem entende. Mesmo dando meus pitacos, costumo ter uma espécie de auto-controle na hora de julgar um uniforme.

Uma camisa, afinal, é muito mais do que seu design e seus patrocinadores - coloridos ou em preto e branco. Uma camisa do Corinthians conta uma história. E no fim, é isso que a eterniza, não seus rótulos de bonita ou feia.

A terceira camisa de 2008, por exemplo, é bastante questionável - tanto na estética quanto na justificativa da Nike, que quis destacar o "corinthiano roxo". Mesmo assim, é raro achar um torcedor que não goste dela. Isso, é claro, por todo seu significado. Ela marca a reconstrução do clube, o primeiro passo para a era vitoriosa que viriam após a Serie B.

Em 2015, o laranja do terrão assustou de início. Rapidamente, porém, caiu nas graças da Fiel e passou a marcar presença nas arquibancadas da Arena Corinthians. Sua "beleza" ficou ainda maior pela história ao seu redor: o Timão a utilizou na campanha inesquecível do título do Brasileirão daquele ano. Como achar feia?

Outras duas camisas vão pelo caminho contrário. A azul de 2013 - que me lembra Alexandre Pato - passa despercebida na lembrança geral da torcida. Aquele ano como um todo foi bastante esquecível, o que acaba dando o rótulo de feia para a peça - ainda que ela seja interessante, com detalhes bonitos na gola e nas mangas.

Com outros tons de azul, usando de um degradê sem tanta explicação, o uniforme de 2016 também ficou para trás. Aquela temporada, afinal, foi muito ruim. Com um elenco de nomes muito criticados pela Fiel, o item é outro que entra na lista de esquecíveis.

Mesmo estranha à primeira vista, então, a camisa lançada pelo Corinthians nesta sexta-feira pode mudar sua imagem para a torcida. O rótulo de feia pode ser trocado por marcante, histórica, única ou linda. Tudo depende da história que a equipe de Carille vai construir com ela.

Hoje você pode até não comprar a peça, mas e se o Timão beliscar o Brasileirão e a Copa Sul-Americana usando-a em jogos decisivos? A estética tem algum peso quando a história em si já é bonita? Eu prefiro esperar - e torcer para que essa camisa fique eternamente dentro de nossos corações.

O Corinthians vai estrear a peça neste sábado, contra o Ceará. O jogo será meu primeiro na Arena. Ou seja, a camisa já dá um passo importante para ter espaço especial no meu coração. Que venham mais momentos marcantes com ela.

Veja mais em: Camisa do Corinthians.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

21 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?