O que o Corinthians quer para 2020?

Andrew Sousa

23 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

O que queremos para 2020?

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

6.6 mil visualizações 73 comentários Comunicar erro

O que queremos para 2020?

Cazares joga muita bola, mas é tão ou mais inconstante que jogadores do Corinthians

Foto: Bruno Cantini/Atlético Mineiro

O fim de ano se aproxima e, com eles, começam a pipocar os primeiros nomes que podem desembarcar no CT Joaquim Grava para 2020. Nesta sexta-feira, foram três de uma vez: Sidcley, Marcelo Cirino e Cazares.

Com isso em mente, já dá para começar a se perguntar o que o Corinthians quer para a próxima temporada. Em suas entrevistas, Carille parece insatisfeito com a falta de nomes que resolvam (como Gabigol resolve hoje e como Rodriguinho resolvia para o Timão ontem - ele citou esses dois nomes).

Se o desejo são jogadores decisivos, a lista de desejos já não está condizente. Tirando Sidcley, que foi bem em sua primeira passagem pelo clube, Marcelo Cirino e Cazares seriam tão apostas quanto foram Sornoza e Ramiro, por exemplo.

Reserva do Athletico Paranaense, Cirino foi, por muito tempo, motivo de chacota no cenário nacional. Mesmo com um lance de gênio na final da Copa do Brasil, ele segue "na média", agregando pouco em Curitiba. Vale a pena se apegar em seu corinthianismo para trazê-lo (já fizemos isso com muita gente)?

Cazares, por sua vez, tinha tudo para ser um dos grandes jogadores do país. Mas não é. Com uma série de polêmicas extracampo, o meia não consegue manter uma boa sequência e vez ou outra simplesmente "some" das escalações do Atlético Mineiro. Vale a pena trazer alguém com esse perfil?

Apesar dos questionamentos, os dois nomes me agradem, pelo menos um pouco. Isso, claro, imaginando que queremos manter o patamar desta temporada. Se o objetivo for dar saltos maiores, precisamos de mais criatividade no mercado.

Criatividade, aliás, que parece faltar muitas vezes. Sidcley já jogou aqui, então não precisa de um trabalho de observação. Cirino, por sua vez, já foi sondado anos atrás. A impressão que dá é que só conhecemos esse caminho.

Ou repatriam ex-jogadores do clube ou buscam algum alvo antigo que não veio na primeira sondagem. Quem não lembra de Sergio Díaz, observado com o seus 16 anos e contratado muito tempo depois, enquanto tratava de uma das tantas lesões que teve no Real Madrid.

Se o Corinthians quer brigar por algo maior, precisa olhar melhor para as opções. Na versão da diretoria, todos os jogadores que vieram nessa temporada foram pedidos de Carille. Para o ano que vem, tende a ser a mesma coisa. Aí não terá mais nenhuma desculpa para o desequilíbrio no plantel. Não quer ter motivos para reclamar? Contrate melhor.

Veja mais em: Mercado da bola.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

23 anos, formado em Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?