Troca de Boselli por Love é um reflexo da pressão: Tiago Nunes tem pressa

Andrew Sousa

23 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

Troca de Boselli por Love é um reflexo da pressão: Tiago Nunes tem pressa

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

10 mil visualizações 67 comentários Comunicar erro

Troca de Boselli por Love é um reflexo da pressão: Tiago Nunes tem pressa

Tiago Nunes apostou em Vagner Love nesta quarta-feira

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Desde que foi anunciado pelo Corinthians, Tiago Nunes carrega consigo a enorme responsabilidade de mudar um estilo de jogo dominante há mais de uma década. Ciente disso, boa parte da torcida rapidamente pregou o discurso de calma, dando tempo ao treinador para implantar uma filosofia tão diferente.

Com 12 jogos disputados na temporada, porém, o clima já começa a mudar. Fora da Libertadores e sem campanha brilhante no Paulistão, o comandante se vê obrigado a pular algumas etapas. E nesta quarta-feira, ele deu uma mostra importante disso.

De forma surpreendente, o técnico promoveu uma importante troca em seu time titular: Mauro Boselli, artilheiro da equipe em 2020, deu lugar a Pedrinho - Vagner Love, então, passou a ser o centroavante.

Mesmo que os gols perdidos pelo argentino pudessem servir de justificativa, ele não escondeu sua intenção com a troca: mais movimentação no ataque. A explicação pode ser óbvia e justa, mas serve para mostrar a falta de confiança no estágio criativo de sua equipe.

Como Boselli é um finalizador nato, depende demais do setor de meio de campo, que até aqui não funciona no Corinthians de Nunes. Sim, Cantillo dá bons lançamentos, Luan vez ou outra acha um passe, mas é muito pouco.

Precisando do resultado de qualquer jeito para ganhar mais tranquilidade para o trabalho, então, o técnico aposta na capacidade de Love "criar chances para si". Veloz e brigador, ele vez outra se aproveita de erros do adversário ou quebra a marcação com um drible.

Pois bem: sem maratona de jogos e com bom tempo para treinar, era mais fácil abrir mão do artilheiro do time do que desenvolver a parte criativa da equipe? Se a resposta for sim, passo a ter algumas preocupações com esse começo de ano alvinegro.

Nos últimos jogos, tem falta capacidade para sair da marcação e criar oportunidades pelo meio. É preciso trabalhar isso com o que se tem de melhor - Boselli vinha funcionando como pivô. Apostar simplesmente na "movimentação" de um jogador, com pouca coordenação coletiva, dificilmente trará resultados.

Isso tudo, inclusive, lembra um pouco do que foi a reta final da Era Carille - deixou Love entre os titulares justamente por saber que seu time não conseguia municiar Mauro Boselli.

Tiago Nunes tem boas ideias e mostra isso em campo. Confio nele para um bom 2020, mas a pressão não pode atrapalhar o processo natural que vinha sendo desenvolvido.

(Boselli saiu do banco para marcar o gol que deu empate heroico ao Timão contra o Santo André, em jogo duro de assistir na Arena. Não tem como tirar ele do time...)

Veja mais em: Vagner Love, Tiago Nunes e Mauro Boselli.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

23 anos, formado em Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?