Quem tem medo do bando de loucos?

Isabela Abrantes

Fez as pazes com o jornalismo, com quem tinha brigado ainda na faculdade. Saiu do mundo das agências de publicidade e das startups de tecnologia para fazer no Meu Timão tudo que acredita na vida.

ver detalhes

Quem tem medo do bando de loucos?

Coluna da Isabela Abrantes

Opinião de Isabela Abrantes

52 mil visualizações 96 comentários Comunicar erro

Quem tem medo do bando de loucos?

O louco do bando, aos poucos, voluntariamente veste sua camisa de força

Foto: Divulgação / Nike

Fabricação de consenso é um conceito utilizado pela mídia para vender produtos ou ideias. Num regime minimamente democrático, é um recurso fundamental também para os políticos, que precisam “conduzir” as políticas públicas com a concordância da população.

A necessidade de se fabricar consenso é baseada na ideia (dos políticos e dos grandes grupos de mídia) de que as pessoas são incapazes de pensar por conta própria, e precisam ser “conduzidas”. É feita com o objetivo de garantir que a massa da população concorde com suas políticas (sob o risco de, serem removidos do poder pela “força popular” quando isto não ocorrer).

Sem alongar muito na filosofia da comunicação de massa, basta falar que os grandes grupos de mídia atendem aos seus próprios interesses e os dos seus anunciantes, e assim, trabalham a favor dele criando consenso. O governo, escolhido através do voto, por sua vez é eleito por quem tem maior poder econômico (e de mídia) para conseguir este mesmo consenso. Ou seja, tá todo mundo ali jogando o jogo do tamo-junto.

Não precisa ser nenhum gênio para sacar que, se os anunciantes é que financiam o esforço para se fazer jornalismo, eles são os verdadeiros clientes das empresas e jornais - e não a população. Assim, toda a história que é contada também serve a esses grupos, que precisam - de novo - fabricar o consenso entre a população para que continuem no poder.

Assim, eles trabalham para evitar que as pessoas pensem sobre questões que podem alterar a ordem social que convém a esses grupos. Usando a mídia, eles trabalham em propagandas que ajudam a formatar essa ordem. Em seu livro, entitulado Mídia, o filósofo Noam Chomsky aborda a questão:

(…) qual o sentido de alguém lhe perguntar: “Você apoia a população de Iowa?” Você pode responder “Sim, apoio.” ou “Não, não apoio.”? Isso não é pergunta que se faça, não faz o menor sentido. Essa é a questão… [ela] não significam nada. (…) Sim, é claro, havia uma questão polêmica embutida. A questão era: “Você apoia nossa política?” Mas não se deseja que o povo reflita sobre essa questão. Esse é o objetivo principal de uma propaganda bem-feita: criar um slogan do qual ninguém vai discordar e todos vão apoiar. Ninguém sabe o que ele significa porque ele não significa nada. Sua importância decisiva é que ele desvia a atenção de uma questão que, esta sim, significa algo: “Você apoia nossa política?” Sobre ela ninguém quer saber sua opinião. Surge então uma discussão sobre o apoio às tropas? “É claro que eu não deixo de apoiá-las.” E com isso você venceu.

Agora troque a pergunta-exemplo do Chomsky e leia de novo, perguntando: “Você apoia a violência da torcida?”. É claro que não! Mas isso não significa que por isso você deve apoiar a violência policial, a ilegalidade das ações e a repressão nos estádios. Porém, pode apostar que alguém não quer você pense sobre isso (chegaremos lá).

A escolha da mídia é poderosa. No episódio do Rio, por exemplo “a torcida do Corinthians ENTROU em confronto com a PM”, eles disseram. A torcida vira sujeito ativo, provocador, e assim o julgamento é feito por um imparcial pero no mucho repórter. Propositalmente, para poder fazer essa afirmação, eles precisam ignorar questões fundamentais como: por que aquilo começou? Quem eram os demais sujeitos da ação? O que levou àquilo tudo? Havia outros envolvidos?

Há uma deliberada edição dos fatos. Sim, é fato de que um grupo de pessoas covardemente cercou um policial. Mas por que essa história só começa a ser contada a partir deste ponto? Porque, se não se falar sobre a motivação, todos os envolvidos são reduzidos à animais violentos e bestiais.

Uma das maneiras mais eficazes de se construir esse consenso é a generalização. Afinal, quem é a torcida do Corinthians? Sou eu, são os caras do Rio que brigaram, os que não brigaram, e também é você. E até onde eu sei, não entrei em confronto com ninguém (e espero que você também não).

Pergunte-se então, agora, por que os verdadeiros violentos não são punidos? A quem interessa que nós (e não eles, pois toda a torcida está sendo acusada) continuemos a ser tratados como uma massa homogênea de animais brutos? Por que prender inocentes e culpados sem muito cuidado em separá-los quando há tecnologia suficiente nos estádios para identificar e banir os 10% que preferem a briga ao jogo? Por que isso não acontece?

Creio eu, que a resposta seja simples: porque uma das coisas mais poderosas para convencer as pessoas a fazer o que você quer é o medo. Enquanto a “torcida do Corinthians” for confundida com um bando de brutos violentos, você não vai apoiar a torcida do Corinthians. Mesmo que você também seja parte da torcida do Corinthians e não seja um violento. E talvez, eles não queiram que você faça parte da torcida do Corinthians. Eu sei disso, eles sabem disso, e o nosso eterno Doutor sabia disso:

“O Corinthians é muito mais que um clube de futebol. O Corinthians é uma religião, é uma grande nação, mas muito mais do que isso, o Corinthians é uma voz, o Corinthians é uma força, é uma forma de expressão que a sua população tem. Num país em que os mais fracos social, política e economicamente não têm voz nunca, neste caso têm. Através do Corinthians, eles conseguem se manifestar, quer dizer, a torcida corinthiana utiliza o seu clube, o seu time, a sua expressão física, como forma de contestação de tudo aquilo que não lhe é dado de direito”.

E se o Corinthians é tudo isso, a quem interessa que eu, você e outros corinthianos não-violentos não queiram mais frequentar os estádios? Faça as contas para descobrir a quem verdadeiramente serve a impunidade, e quem é que sai lucrando quando você desiste de ir e passa a ter apenas a TV?

Assim, a história é tão bem construída que, de repente, você nem percebe que é você mesmo quem tá abrindo mão de um direito: o de torcer para o seu time no estádio. A propaganda é tão eficaz, que, pra evitar a violência que repudiamos também queremos o fim dos sinalizadores, das bandeiras, das torcidas múltiplas nos clássicos, das baterias, das faixas. Aceitamos a revista hostil e a presença da tropa de choque num espaço que deveria ser para o lazer: cedemos. No fim, você abre mão do Corinthians.

E aí quando isso acontece, acabou. Sim, ainda seremos um bando de loucos. Mas loucos dopados com as doses certas de manipulação midiática, inofensivos. Apáticos. Sentados no estádio, silenciosos, ou nos nossos sofás, deixaremos que o nosso amor pelo Corinthians e pelo futebol seja intermediado pelo plim plim. E isso era exatamente o que eles queriam.

Coluna da Isabela Abrantes

Por Isabela Abrantes

Fez as pazes com o jornalismo, com quem tinha brigado ainda na faculdade. Saiu do mundo das agências de publicidade e das startups de tecnologia para fazer no Meu Timão tudo que acredita na vida.

O que você achou do post da Isabela Abrantes?

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de Kleysson

    Ranking: 164º

    Kleysson 4038 comentários

    por @kleysson.s

    Excelente visionario. Representa a nossa torcida.

  • Foto do perfil de Edson

    Ranking: 9º

    Edson 28317 comentários

    por @edsonteo

    Belo texto... Só sei que o Futebol esta ficando chato demais! Nada de bandeiras nos estádios, clássicos de torcida única, sinalizadores nem pensar e tudo é motivo para o stjd punir o clube!

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Silvio

    Ranking: 8649º

    Silvio 104 comentários

    96º. por @silviochiozini

    Belíssima matéria... Muito interessante o conceito de Fabricação de Consenso

  • Foto do perfil de Silvio

    Ranking: 8649º

    Silvio 104 comentários

    95º. por @silviochiozini

    Belíssimo texto...

  • Foto do perfil de Markhal

    Ranking: 13228º

    Markhal 52 comentários

    94º. por @markhal

    Bem por aí Isa.

  • Foto do perfil de Oilson

    Ranking: 55º

    Oilson 8741 comentários

    93º. por @reyes

    Fiel incomparável. Vai Corinthians!

  • Foto do perfil de Samuel

    Ranking: 6619º

    Samuel 155 comentários

    92º. por @samuelblogdafiel

    Como é bom encontrar pessoas inteligentes que conseguem resumir nas palavras tudo aqui que vemos e sentimos, mas que infelizmente somos poucos, os que realmente tem essa sensibilidade, e aí acabam não tendo a força necessária para reagir a esse linchamento orquestrado para nos silenciar e nos domar.
    Uma pena que a grande parte da nossa torcida se comporta exatamente como descrito no texto, embarcando na onda dessa mídia cafageste que tem como único propósito nos controlar, nos calar, e se beneficiar da nossa cegueira e da nossa subverniência.
    Mas que bom que mesmo poucos existem os que identificam isso e falam, como nossa nobre colega nesse ótimo texto. E que sirva para reflexão e multiplicação para que cada vez mais e mais corinthianos enxerguem realmente o que está acontecendo. Quem sabe assim ainda conseguimos salvar nossa torcida e nossa nação... Afinal, mesmo odiando, o Brasil precisa mais da Fiel do que eles pensam, como a história sempre mostrou. Valeu!

  • Foto do perfil de Luiz

    Ranking: 3164º

    Luiz 392 comentários

    91º. por @luiz.antonio.pereir2

    Isabela Abrantes Parabéns pelo texto, estou impressionado e feliz por saber que ainda exista JORNALISTA inteligente nesse país ou melhor que tenha coragem de escrever a verdade. O que você produziu acima não só retrata fielmente(sem trocadilhos) em palavras o que querem fazer com a torcida do Corinthians, como o seu texto pode até ser usada pra retratar o que acontece no país hoje. Você poderia escrever esse texto em qualquer grande jornal do mundo retratando como são conduzidos as coisas nesse país hoje que todos entenderiam mas infelizmente a população nem pensam nisso ou nem percebe e país está do jeito que está corrupção atrás de corrupção, golpes não respeitando nossos votos e a mídia mostrando o que lhes interessa e produzindo opiniões infelizmente. Mas mais vez parabéns Isabela ainda bem que você fez as pazes com o jornalismo, e não com jornalistas.

  • Foto do perfil de Carlos

    Carlos 14 comentários

    90º. por @carlos.1977

    Isabela, nem vou comentar sobre seu texto, pois não há palavras para descrever tanta lucidez. Na condição de um antigo membro deste site, de um corinthiano que há anos garimpa mentes que possam defender o Corinthians desse verdadeiro massacre perpetrado pelos nossos rivais, peço-lhe encarecidamente que jamais abandone nossa luta pelo Corinthians. Precisamos de você e de todos os corinthianos capazes intelectualmente de barrar essa ofensiva. Como dizia Churchill, a verdadeira batalha se dá por corações e mentes. Eles já entenderam isso há muito tempo e cabe a nós fazer nossa torcida também entender. Mais uma vez, muito obrigado.

  • Foto do perfil de Douglas

    Ranking: 5116º

    Douglas 220 comentários

    89º. por @douglinhas

    Show Isabela, faço minhas as suas palavras!

  • Foto do perfil de Marcia

    Ranking: 90ª

    Marcia 517 comentários

    88º. por @marfiel

    Exatamente isto que eu penso. Sabias palavras.
    Vamos Fiel, não vamos deixar eles nos calar!

  • Foto do perfil de LUIS

    Ranking: 4373º

    Luis 268 comentários

    87º. por @luisinho

    Até o mundo mineral sabe que a plutocracia tupiniquim abomina as regras e normas do Estado Democrático de Direito e por tabela, todos que comungam do mesmo pensamento. E o SCCP (peço aos doentes mentais anticomunistas não confundirem com a sigla CCCP da ex-União Soviética, kkkkk, talvez seja uma das causas de tanto ódio, kkkkk...) representa a transparência, o sonho de liberdade de um povo que ainda carrega em si as marcas da chibata! Quem não se lembra da DEMOCRACIA CORINTHIANA em plena DITADURA MILITAR? ! Aquele grupo de jogadores POLITIZADOS desafiando e contrariando os gendarmes da Ditadura, exigindo DIRETAS-JÁ! É evidente que os ataques direcionados ao clube e torcedores são função do ódio a esse clube de raízes populates e portanto seus torcedores e simpatizantes sempre foram criminalizados porque na realidade representam o povão sufocado no seu direito de aspirar a uma vida mais digna e justa, contrária aos interesses da elite escravocrata, sonhadora.