Camacho e Sidcley chegaram ao Corinthians de uma forma que eu não esperava

Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

ver detalhes

Camacho e Sidcley chegaram ao Corinthians de uma forma que eu não esperava

Coluna da Julia Raya

Opinião de Julia Raya

12 mil visualizações 56 comentários Comunicar erro

Camacho e Sidcley chegaram ao Corinthians de uma forma que eu não esperava

Camacho fez boa partida diante do Botafogo-SP

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

Primeiro de tudo quero começar frisando que acho cedo para crucificar ou endeusar qualquer jogador. As aparições até o momento foram poucas. Essas são apenas as visões inicias do trabalho dos atletas no Corinthians.

Apesar de poucos jogos, é nítida uma mudança de todo o elenco em campo. Mas talvez os que mais me chamam a atenção sejam Camacho e Sidcley, pela expectativa de suas voltas.

Na minha cabeça, ainda muito pautada nas passagens anteriores dos jogadores, Sidcley chegaria para ser titular da lateral esquerda. Sobre Camacho, por outro lado, eu tinha algumas dúvidas, mas imaginava que ele seria titular, ou ao menos brigaria forte pela titularidade, por conta da passagem que teve no Athletico-PR com Tiago Nunes, mas não tinha certeza de seu desempenho. Eu sabia que ele tinha melhorado, mas não sabia o quanto, ainda tinha muito forte a imagem de sua primeira passagem.

Pois é. Acho que eu estava enganada sobre os dois. E bastante.

Sidcley chegou fora de forma, talvez sem ritmo de jogo, e Tiago Nunes optou por deixá-lo no banco de início. O jovem Lucas Piton foi o escolhido para assumir a vaga. E parece que o que seria um "titular provisório" começou a dar dores de cabeça ao treinador - no melhor sentido possível da expressão. Ele veio para brigar, e forte, pela titularidade.

No último jogo do Corinthians em 2019, Piton fez sua estreia na equipe profissional com o pé direito: além de boa atuação, o jovem deu uma assistência. Ele deixou curiosidade sobre como seriam seus próximos passos no clube. E eles estão surpreendendo. Positivamente. Em 2020, Piton foi titular dos três jogos do Timão e, mais uma vez, não só fez partidas dignas e seguras, como deu duas assistências.

Já Camacho, que eu achei que pudesse ter dificuldades para assumir a titularidade, tem se mostrado forte concorrente pela vaga e a princípio é dono absoluto dela.

Eu, particularmente, gostava do Camacho em sua primeira passagem pelo clube. Acho, sim, que ele deixou bastante a desejar pelo futebol que apresentou, mas eu sempre acreditava que na partida seguinte ele estaria melhor em campo. A melhora que eu acreditava não veio, e ele foi emprestado.

O atual camisa 20 do Timão teve um bom início no Athletico-PR e talvez em seu melhor momento no clube teve que ficar fora de combate por conta de doping. Superada essa fase, ele voltou a campo defendendo o clube paranaense e, apesar de sofrer com a falta de ritmo de jogo, algo normal, fez boas partidas.

Camacho retornou ao Corinthians com a confiança do novo treinador, mas a dúvida de muitos torcedores - a minha inclusive. Mas nas primeiras partidas o volante mostrou que voltou diferente.

Qualidade no passe e na saída de jogo, mobilidade em campo e ajuda na construção de jogadas no ataque foram coisas que Camacho aprimorou em seu tempo no time paranaense. Na estreia alvinegra pelo Campeonato Paulista, diante do Botafogo-SP, por exemplo, ele foi o jogador que mais deu passes certos: de 99, ele acertou 98 (o dado é do Footstats).

Certamente, os dois atletas chegaram ao Corinthians de um jeito que eu não esperava.

Veja mais em: Camacho, Sidcley e Contratações do Corinthians.

Coluna da Julia Raya

Por Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

O que você achou do post da Julia Raya?