Corinthians não terá onze titulares na maratona de jogos

Luis Fabiani

Estudante de Jornalismo no Mackenzie. Desde janeiro de 2020, estagiário do Meu Timão. Estou também diariamente na Rádio Mackenzie.

ver detalhes

Corinthians não terá onze titulares na maratona de jogos

Coluna do Luis Fabiani

Opinião de Luis Fabiani

27 mil visualizações 41 comentários Comunicar erro

Corinthians não terá onze titulares na maratona de jogos

Foto oficial do elenco do Corinthians antes do jogo contra o Red Bull Bragantino

Foto: Rodrigo Coca / Agência Corinthians

Entre 22/07/2020 e 24/02/2021, o Corinthians entrará em campo no mínimo 46 vezes. Ou seja, se cair "de primeira" na Copa do Brasil, manterá uma média de um jogo a cada 4,6 dias. Logo na sequência do término do Brasileirão, já começarão os estaduais de 2021,engatando em outra maratona até o final do próximo ano. Sem pré-temporada ou férias por um longo período.

Basicamente, será impossível manter uma regularidade na equipe titular dada a carga excessiva de jogos em um curto período. Lesões e desgaste físico se tornarão fatores comuns no elenco do Corinthians. Trocas forçadas e naturais também serão inevitáveis. E pelo que venho observando, Tiago Nunes já notou este futuro problema.

Será totalmente normal ver, daqui em diante, o Corinthians variar seus titulares de acordo com a partida. Em jogos que você naturalmente tiver menos posse que o adversário, jogadores como Gabriel e Ramiro serão necessários. Em partidas que o Corinthians for o responsável por ditar o ritmo, jogadores de controle ou velocidade podem ser mais interessantes.

As trocas são virtuosas desde que mantenham a identidade que a comissão técnica deseja imprimir. No primeiro tempo do jogo contra o Atlético-MG, foi notável que Gabriel estava se focando em verticalizar mais as jogadas, o que não corresponde as suas características naturais. Assim, o padrão de jogo segue, mesmo que com jogadores de diferentes funções.

Para ilustrar melhor: no jogo contra o Coritiba, a ponta-direita foi ocupada por Ramiro no primeiro tempo e por Gustavo Mosquito na etapa final. Embora os jogadores sejam de funções totalmente distintas, a troca fez com que Fagner ocupasse a antiga posição de Ramiro, atuando por dentro. Peças trocadas, mas com funções e identidade da equipe intactas. Tiago Nunes precisará trabalhar bastante nisso se quiser ver um Corinthians que jogue bom futebol em um período totalmente intenso.

E mais uma vez, voltamos a bater na tecla de que o Corinthians precisa aprofundar o seu elenco para se tornar competitivo. Nas beiradas, nenhum titular chegou a engrenar. Na lateral-direita, é quase impossível imaginar o Corinthians desempenhando sem Fagner. Além de que a dupla de zaga só possui um reserva.

O Corinthians sabe que precisa de elenco para ser competitivo. Resta agora executar.

Veja mais em: Tiago Nunes.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Luis Fabiani

Por Luis Fabiani

Estudante de Jornalismo no Mackenzie. Desde janeiro de 2020, estagiário do Meu Timão. Estou também diariamente na Rádio Mackenzie.

O que você achou do post do Luis Fabiani?