O Adeus ao Avallone, e a saudade de um futebol que não existe mais.

Rafael Castilho

Rafael Castilho é sociólogo, especializado em Política e Relações Internacionais e coordenador do NECO - Núcleo de Estudos do Corinthians

ver detalhes

O Adeus ao Avallone, e a saudade de um futebol que não existe mais.

Coluna do Rafael Castilho

Opinião de Rafael Castilho

3.5 mil visualizações 92 comentários Comunicar erro

O Adeus ao Avallone, e a saudade de um futebol que não existe mais.

Roberto Avallone, ícone do jornalismo esportivo.

Foto: Divulgação

Fiquei sinceramente comovido com o falecimento do Roberto Avallone.

Foram muitos e muitos domingos assistindo ao Mesa Redonda.

Uma época em que não tinha tevê à cabo, não tinha internet, não tinha whatsapp, a cidade não oferecia tantas alternativas de entretenimento. Na verdade, não tinha muito o que fazer. Pelo menos eu não tinha muito o que fazer.

O Corinthians era tudo pra mim. Era tudo o que eu tinha. Assisti durante anos e anos o Avallone. Foi parte da minha formação. Era aquela idade em que eu já era muito grande pra ser criança e muito pirralho pra parecer adulto. Essa fase é uma merda para os meninos. Você não é interessante pra ninguém. Nunca tem dinheiro pra fazer porra nenhuma. Em muitos lugares eu sequer podia entrar. Mesmo assim eu sinto saudades.

Lembro-me de um jogo que fui ao Morumbi para assistir Corinthians x Palmeiras, acho que foi em 1992 e o Corinthians ganhou por 2x1. Marcaram o Fabinho e o Viola. Foi uma festa incrível. Saindo do estádio uma multidão feliz cantava. Era incrível ver aquela massa toda na rua. Pra mim tudo era mágico. Eis que de repente avistamos o Roberto Avallone caminhando entre os corinthianos. Ele rapidamente foi cercado, mas respondeu com um sorriso simpático. “Parabéns, parabéns”, dizia ele. Eu dava muita risada. Um senhor meio bêbado dizia: “Ae, Avallone, hoje não tem programa”. Logo em seguida um outro torcedor corinthiano tirou um chapéu alvinegro de sua cabeça. Era um daqueles chapéus estilo pescador, repleto de distintivos do Corinthians. Logo em seguida, o senhor bem-humorado, colocou o chapéu na cabeça do Avallone. Minha nossa, ou melhor, “Meu Deus, exclamação”. O homem ficou bravo. Respondeu mais ou menos assim: “Pode tirar sarro, mas chapéu do Corinthians não!”. Tentaram colocar o chapéu outra vez e ele novamente se recusou, dessa vez com mais energia: “Não, sem chapéu!”.

Por incrível que pareça eu achei legal a atitude dele. Me pareceu honesta. Me identifiquei imediatamente. Eu jamais aceitaria colocar um chapéu do Palmeiras. Não haveria porque sentir raiva do Avallone por ele ser palmeirense. Talvez, eu o percebesse mais distante de mim se ele fosse indiferente. Se não estivesse nem aí. Respeitei o comportamento emocional do Avallone. Evidente que o Corinthians ter vencido o Palmeiras ajudava no bom humor de todos que cercavam o brilhante e carismático jornalista.

A verdade é que nunca me ofendeu o palmeirismo do Roberto Avallone. Sinceramente, não me lembro de nenhum momento em que tenha visto um comentário jocoso e desrespeitoso por parte dele se referindo ao Corinthians, como vi por várias vezes acontecendo com outros cronistas esportivos. Eu era um telespectador absolutamente fiel. Inclusive, me divertia muito quando ele ficava puto com as derrotas dos porcos.

Logo depois de seu afastamento nunca mais (nunca mais mesmo) assisti ao Mesa Redonda. Ainda mais sob a liderança de quem tem a boca repleta de preconceito, rancor e ódio contra os pobres. Nojento esse outro cara.

Nunca entendi muito bem o sumiço do Avallone das telinhas. Dava pra imaginar que ele era meio temperamental e até desequilibrado. Devia ser difícil para trabalhar em grupo ou se encaixar subordinado dentro de uma estratégia corporativa. Mas sempre tive certeza que ele dava muito ibope. Todo mundo assistia. Todo mundo comentava. Todo mundo imitava. Era muito legal.

Confesso que estou muito emocionado escrevendo esse texto. Engraçado tudo isso. A gente não manda nos sentimentos da gente. Até me escorrem algumas lágrimas. Nunca conheci o Avallone pessoalmente. Mas acontece que no fundo, mesmo não o conhecendo, percebo que sinto também saudades e luto por um futebol que não existe mais.

Sinto saudades das noites de domingo, sentado ao lado do meu pai no sofá, sem celular para mexer e distrair a atenção. Os dois assistindo ao Mesa Redonda. Meu pai falava que o Avallone era porco, mas era legal, já o Milton Neves ele não gostava.

Sinto saudades dos “ônibus da Erundina” que saiam da Prestes Maia e partiam para o Morumbi.

Sinto saudades dos clássicos com duas torcidas. Era pedagógico. A gente aprendia muito com aquilo. Algumas vezes a gente saia feliz, vendo o outro lado do estádio cabisbaixo. Outras vezes saia derrotado, vendo os outros celebrarem. A gente aprendia a conviver com as adversidades. Com a contrariedade. Com o revés. Hoje, mesmo num estádio com torcida única, as pessoas não aceitam mais as diferenças. Um quer dizer que é mais corinthiano que o outro. Se você assiste o jogo num lugar é diferente de mim que assiste em outro. Se fica de pé é diferente de mim que assiste sentado. As pessoas só parecem gostar de quem demonstra ser uma continuação delas mesmas.

Sinto saudades de ter que chegar cedo no Morumbi pra conseguir um lugar. De não ter nada pra fazer além de olhar para o campo. De passar horas conversando com meu amigo. Hoje sequer tenho tempo para atender aos telefonemas dele. A gente ficava comemorando a cada gomo do estádio que a Fiel avançava sobre os adversários em dias de clássico. Eu trabalhava como office-boy e me pesava muito menos comprar um ingresso para o jogo do que me pesa hoje em que tenho um cargo bem melhor. Hoje em dia tem até uma piscina ridícula no estádio do Corinthians.

Sinto saudades de como era gostoso comer aquele pernil na porta do estádio. Era um raro prazer, sabor de emoção. Sinto saudades de guardar os canhotos dos ingressos para a minha coleção.

Sinto saudades de quando eu só pensava no Corinthians. Dia, tarde, noite, era só Corinthians. Saudades de quando eu jogava botão. Saudades de quando eu sonhava ser um jogador de futebol. De quando eu imitava o Casagrande. Hoje tenho a idade de um ex-atleta.

Não que minha vida seja pior. Não que eu queira voltar no tempo. Não quer dizer que o mundo também não tenha melhorado em muitos aspectos. Nem pensar em passar por todos os meus sofrimentos outra vez nessa vida, sou mais feliz agora. Também jamais jogaria fora os títulos que vi o Corinthians ganhar esses anos todos.

Mas talvez eu sinta falta mesmo é da simplicidade das coisas. Da falta de sofisticação. De menos moralismo. De um mundo sem tantas opiniões absolutas.

Era legal assistir ao Avallone. Até hoje eu rio com diferentes programas. De quando o Guarani, em 1988 bateu o pé e se negou a jogar duas partidas em campo neutro na cidade de São Paulo e quis, com alguma justiça, levar a última partida para o Brinco de Ouro. Imediatamente o Vicente Matheus decretou: “ah é? Então primeiramente, devo-lhe dizer que nós vamos ganhar esse título lá na casa de vocês. Podem ficar com o mando de campo. Vamos vencer lá!” E assim foi, vencemos e fomos campeões! Lembro da Marlene Matheus dançando castanhola. Do Corinthians numa crise desgraçada, sem dinheiro pra nada, arriscado a cair para a segunda divisão, com seu caixa desfalcado de tanto roubo e o Dualib chegando para dar entrevista: “Caro Avallone. Quero me desculpar, mas a minha BMW é baixa e eu fiquei parado no alagamento”. Filho da puta, eu gritei!

Hoje eu rio.

Hoje eu choro.

Boa parte das minhas memórias de Corinthiano ficaram gravadas nos programas do Roberto Avallone.

Essa vida é passageira. Só espero viver mais amor e felicidade.

Que o amor vença o ódio!

Coluna do Rafael Castilho

Por Rafael Castilho

Rafael Castilho é sociólogo, especializado em Política e Relações Internacionais e coordenador do NECO - Núcleo de Estudos do Corinthians

O que você achou do post do Rafael Castilho?

  • Comentários mais curtidos

    Foto do perfil de Anthony

    Ranking: 5242º

    Anthony 205 comentários

    por @anthony.santos2

    Acho que todos os torcedores, independente do time, tem uma lembrança divertida com esse cara.
    A minha lembrança foi no dia do 7x1 pra cima das sardinhas.
    E seu comentário :"Corinthians 1,2, 3... Santos 1!"

    Como citado no excelente texto nos deixa com saudades de um futebol.que já não existe mais.

    Vai em paz Avallone, que Deus conforte toda a família

    Esse 2019 tá complicado

  • Foto do perfil de Sergio

    Sergio 12 comentários

    por @fiel.abc

    Belíssimo texto, me fez voltar em um tempo que não existe mais, magia do futebol e da fiel, avallone deixou sua marca

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de fabio

    Fabio 3 comentários

    92º. por @lost9

    Parabéns Rafael..excelente matéria

    O que me deixa triste é que quando ele faleceu os programas esportivos...ficaram falando que ele foi um dos melhores e etc...mas só lembraram depois que morreu... Bando de hipócritas... Se o consideravam tanto, porq não deram uma chance pra ele, porq não o trouxeram de volta, a gazeta nem convidava ele pra ir lá...um bando de falsos idiotas e invejosos...q não entendem nada de futebol e que nunca serão como o grande Avallone

    A mídia de hoje SÓ tem espaço pra idiotas hipócritas, que não sabem nada, que ficam fazendo picuinhas.. Pois é o que da audiência..picuinhas

    O ser humano perdendo cada vez mais sua essência...valorizando quem não merece valor...desvalorizando quem merece

    Mesmo ele sendo palmeirense, sempre teve meu respeito... Trouxe a brincadeira para o esporte..um grande ser de coração de ouro, grande profissional o melhor de todos os tempos.

    PAREM AS MAQUINAS...

    Adeus Avallone

    Esteja com Deus...

  • Foto do perfil de Nelson

    Ranking: 4158º

    Nelson 274 comentários

    91º. por @nerson

    Com certeza Rafael, tive o prazer de trabalhar, com esse ser humano fantastico que foi o Avalone, grande amigo, grande parceiro...com os seus bordões maravilhosos.

  • Foto do perfil de Eric

    Eric 8 comentários

    90º. por @eric.barros1

    Minha lembrança assistindo ao mesa redonda, foi do Viola comemorando gol imitando um porco contra a porcada hahaha

  • Foto do perfil de Rubens

    Ranking: 2597º

    Rubens 471 comentários

    89º. por @rubens.alexandre

    Muito bacana o texto...todos com mais de 28 anos se identifica um pouco, ou muito, com o texto. Tecnologia precaria, nos deixava mais próximos de família e amigos. Dificuldade de transporte deixava a torcida mais unida e com menos mimimi. A moralidade mundial esta deixando o mundo mais chato, hoje tudo é Bulling ou preconceito. E mesmo assim as pessoas se respitam menos.
    Ou seja..quanto mais as coisas evoluem, mais chato fica de se viver.

  • Foto do perfil de Rubens

    Ranking: 2597º

    Rubens 471 comentários

    88º. por @rubens.alexandre

    Creio que ele esteja falando do Flavio Prado mano..

    Foto do perfil de UILDEMBERGUE

    UILDEMBERGUE 793 comentários

    26/02/2019 às 15h42 por @uildo

    Rafael, quem seria esse jornalista que tem a boca repleta de preconceito e ódio?

  • Foto do perfil de Thiago

    Ranking: 1570º

    Thiago 756 comentários

    87º. por @thiagoalhp

    Fato. Que saudade de tudo isso. Eu vivi e acompanhei de perto boa parte disso mesmo tendo 30 anos. Torcida meio a meio no morumbi. Melhor época do futebol disparado. O futebol está tão chato que eu preferia não ter Libertadores e voltar naquela época do que ter e estar igual é hoje em dia.

    Foto do perfil de André

    André 247 comentários

    27/02/2019 às 07h48 por @aluiz

    Terminei a leitura com os olhos marejados, principalmente pela identificação com o que foi escrito.
    Para mim o Corinthians não é só o time que eu torço, já foi meu sobrenome, já me fez ter diversas oportunidades, já me alegrou por diversas vezes em períodos de dificuldades e sofrimento.
    Que saudades do Mesa Redonda do chato do Avallone!
    Que saudades do busão que ia da Tiradentes até o Morumbi!
    Que saudades de chegar cedo ao estádio e ficar trocando aquela ideia por horas, sobre o time!
    Ahh que saudades do sanduíche de pernil!
    É...um dos maiores problemas de ficar velho e o aperto no coração.. Causado pela saudade!

  • Foto do perfil de André

    Ranking: 4530º

    André 247 comentários

    86º. por @aluiz

    Terminei a leitura com os olhos marejados, principalmente pela identificação com o que foi escrito.
    Para mim o Corinthians não é só o time que eu torço, já foi meu sobrenome, já me fez ter diversas oportunidades, já me alegrou por diversas vezes em períodos de dificuldades e sofrimento.
    Que saudades do Mesa Redonda do chato do Avallone!
    Que saudades do busão que ia da Tiradentes até o Morumbi!
    Que saudades de chegar cedo ao estádio e ficar trocando aquela ideia por horas, sobre o time!
    Ahh que saudades do sanduíche de pernil!
    É...um dos maiores problemas de ficar velho e o aperto no coração.. Causado pela saudade!

  • Foto do perfil de Kleber

    Ranking: 255º

    Kleber 3059 comentários

    85º. por @kleber.eduardo.roks.

    Corinthians 1,2 Mundiais, peppas nada

  • Foto do perfil de Hugo

    Ranking: 8º

    Hugo 28361 comentários

    84º. por @domhugoleonardo

    Triste

  • Foto do perfil de Ramon

    Ranking: 17º

    Ramon 22592 comentários

    83º. por @ramon.felipe1

    Que descanse em paz.