Corinthians de Sylvinho desafia nossa fidelidade

Roberto Gomes Zanin

Jornalista, diretor da RZ Assessoria, Bicampeão do mundo. Não sou ligado a nenhuma corrente política do clube. Quero apenas o melhor para o Timão. Discorde à vontade, mas com o respeito aos irmãos

ver detalhes

Corinthians de Sylvinho desafia nossa fidelidade

4.1 mil visualizações 91 comentários Comunicar erro

Corinthians de Sylvinho desafia nossa fidelidade

Corinthiano flagrado durante o jogo?

Foto: Pixabay

Em primeiro lugar, agradeço as mais de 300 mil visualizações que meu artigo da semana passada obteve. Obrigado aos que me elogiaram e aos que discordaram educadamente. Vocês são demais!

Falando do tema de hoje, começo dizendo que jornalistas e técnicos de futebol são os profissionais mais teimosos do mundo.

Eu teimo em dizer que não sou teimoso. Com mais um detalhe: não persigo ninguém.

Tudo isso para dizer aos que me atacam dizendo que eu persigo o Sylvinho. Não faço isso! Depois do empate contra a Ferroviária, citei algumas (poucas) melhoras no esquema. Vi o copo meio cheio.

Mas daí vem o William e chama o homem de novato. Daí vem o jogo contra o Santo André.

Meu Deus!

Havia desfalques? Ok.

Ainda estamos no início da temporada?

Ok.

Mas o Santo André, montado há 28 dias, teve mais organização que o Corinthians!

Perderam o jogo por falta de qualidade e pelo pênalti que, se não fosse marcado, ninguém reclamaria.

Em qualquer momento do jogo, se você congelasse a imagem (como um torcedor do Fórum do Meu Timão fez), você veria o adversário organizado e o Corinthians espaçado, com quilômetros de distância entre as linhas.

E sendo bem primário. Dá sono ver o Corinthians jogar. Não acontece nada. Parece aqueles vídeos demonstrativos de Fifa ou PES, que ficam rodando e não levam a lugar nenhum.

Se critico Sylvinho não é por perseguição. Trata-se de um ser humano que merece respeito.

Mas o Corinthians é um assunto muito sério. Não passo pano para quem estraga o fim de semana de milhões de pessoas.

Para muitos e muitos, o Timão é a única válvula de escape dos problemas do cotidiano. A história da única torcida que tem um time é verdadeira.

O Corinthians não é dos Duílios, Andrades, etc.

O Corinthians é nosso!

Chega! Precisamos de um técnico que faça o time jogar, que nos faça vibrar e não ficar lutando contra o desânimo.

Somos Fiéis. Não Masoquistas.

Ah, e o que reforça minha tese é ver que todos os anticorinthianos da mídia passam pano para o treinador.

Veja mais em: Sylvinho.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Roberto Gomes Zanin

Por Roberto Gomes Zanin

Jornalista, diretor da RZ Assessoria de imprensa, bicampeão do mundo. Não sou ligado a nenhuma corrente política do clube. Quero apenas o melhor para o Timão. Discorde à vontade, mas com o respeito.

O que você achou do post do Roberto Zanin?

x