Há exatos 15 anos, José Mourinho assistia in loco a paixão da torcida do Corinthians (da pior forma)

Rodrigo Vessoni

Formado pela FIAM, trabalhou na Rádio Transamérica e, por 12 anos, no LANCE!. Neste momento, também é repórter da Rádio 9 de Julho, SP (AM 1600). Participa ainda, quando chamado, de programas na TV.

ver detalhes

Há exatos 15 anos, José Mourinho assistia in loco a paixão da torcida do Corinthians (da pior forma)

Coluna do Rodrigo Vessoni

Informação de Rodrigo Vessoni

6.6 mil visualizações 20 comentários Comunicar erro

Há exatos 15 anos, José Mourinho assistia in loco a paixão da torcida do Corinthians (da pior forma)

Mourinho era um dos cerca de 40 mil que estiveram no Pacaembu naquela noite de 4 de maio de 2006; não se tem registro fotográfico de sua presença no estádio

Foto: Reprodução/Internet

Hoje é 4 de maio de 2021. Há exatos 15 anos, José Mourinho assistia in loco a paixão da torcida do Corinthians. E, infelizmente, conhecia da pior maneira possível...

O técnico português era um dos cerca de 40 mil que estiveram no Pacaembu naquela noite de 4 de maio de 2006, quando o Corinthians foi eliminado pelo River Plate-ARG da Libertadores.

Revoltados pela eliminação, torcedores de organizadas tentaram invadir o gramado e precisaram ser contidos pela Polícia Militar. O jogo foi encerrado a cinco minutos do fim.

O internauta do Meu Timão que não conhece a história deve estar se perguntando: "Mas o que Mourinho fazia no Pacaembu naquela noite?".

Pois bem.

A resposta é... Kia Joorabchian, ex-presidente da MSI, gestora do futebol corinthiano dá época. Mourinho foi convidado pelo iraniano a vir ao Brasil e acompanhar o duelo entre o Timão e o River. Ambos ficaram na tribuna de honra do estádio, mas sem qualquer registro fotográfico ou visual por parte da imprensa.

Na época, nem Corinthians nem Kia informaram o real motivo da visita de Mourinho, limitando-se a informar que o treinador foi acompanhar o jogo a convite de Carlos Alberto, que tinha sido seu jogador no Porto, de Portugal. O meia era um dos titulares da equipe.

Em tempo: o magnata russo Boris Berezovski, que também estava na capital paulista naquele período, supostamente para tentar comprar a empresa Varig, também era esperado no Pacaembu, mas não se teve notícia de sua presença naquela noite.

Veja mais em: Diretoria do Corinthians, Parque São Jorge, Libertadores da América e Violência no futebol.

Coluna do Rodrigo Vessoni

Por Rodrigo Vessoni

Formado pela FIAM, trabalhou na Rádio Transamérica e, por 12 anos, no LANCE!. Neste momento, também é repórter da Rádio 9 de Julho, SP (AM 1600). Participa ainda, quando chamado, de programas na TV.

O que você achou do post do Rodrigo Vessoni?

x