Os Bolas de Prata do Corinthians - e os injustiçados no maior prêmio do Brasileiro

Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

ver detalhes

Os Bolas de Prata do Corinthians - e os injustiçados no maior prêmio do Brasileiro

Coluna do Tomás Rosolino

Opinião de Tomás Rosolino

4.1 mil visualizações 15 comentários Comunicar erro

Os Bolas de Prata do Corinthians - e os injustiçados no maior prêmio do Brasileiro

O centroavante Jô levou Bola de Prata, Bola de Ouro e a artilharia do Brasileiro em 2017

Foto: Reprodução

O Corinthians começa a disputar o Campeonato Brasileiro nesta quarta-feira, contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte, e tenta o seu oitavo título da competição. Além disso, os atletas do clube buscam também o destaque individual representado pelo prêmio Bola de Prata, entregue desde 1970 aos melhores do torneio. Vamos aos grandes destaques do clube - e aos injustiçados na premiação.

Bom, o maior vencedor de Bolas de Prata com a camisa do Corinthians é o lateral esquerdo Wladimir, o jogador que mais vezes defendeu o clube na história. Em meio aos seus mais de 800 jogos pelo Timão, ele recebeu o prêmio de melhor da sua posição nas edições de 1974, 1976 e 1982.

A lenda corinthiana divide com Júnior, ídolo do Flamengo, Léo, do Santos, e Mazinho, que levou três vezes o prêmio no Vasco antes de se tornar volante, posição na qual seria campeão do mundo em 1994, o posto de maior ganhador no setor por um mesmo clube. Marinho Chagas e Roberto Carlos, por clubes diferentes, também foram vencedores em três ocasiões.

Depois de Wladimir vêm diversos nomes que receberam o prêmio em duas oportunidades. São eles o goleiro Ronaldo, o lateral direito Zé Maria, o zagueiro Gil, os volantes Vampeta e Elias, e o meia Marcelinho Carioca. Tirando o Super Zé, todos os outros foram campeões do torneio ao menos uma vez no clube.

Quando o assunto é Bola de Ouro, os corinthianos levaram o prêmio em cinco ocasiões: Edilson (1998), Marcelinho (1999), Tevez (2005), Renato Augusto (2015) e Jô (2017). Só o Flamengo, com seis, possui mais que o Timão.

Ao todo, o Corinthians teve jogadores selecionados em 46 ocasiões, mas é impossível não enxergar diversas injustiças nas seleções. A principal delas, para mim, é a ausência de Neto até na Bola de Prata, em 1990. O melhor jogador do Corinthians naquele Brasileiro, que faria jus ao prêmio de melhor do torneio, nem sequer entrou entre os meias.

Outro esquecimento absurdo é o de Marcelinho Carioca em 1998. Artilheiro do Corinthians e vice-artilheiro do torneio, com 19 gols marcados, sendo um em cada partida da final da competição, ele não esteve entre os melhores meias do prêmio. Os escolhidos foram Jackson, do Sport, e Valdo do Cruzeiro.

Em tempos mais recentes, o fato de Cássio não ter nem sequer uma mênção no prêmio também chama a atenção. Até hoje, ele só foi reconhecido na sua posição no Craque do Brasileirão, em 2015, prêmio criado pela CBF já nos pontos corridos.

O Gigante joga neste ano sua nona edição do torneio pelo Timão. Em três delas, foi o comandante da melhor defesa da competição e só esteve fora das cinco melhores em duas ocasiões (2016 e 2018, quando foi a sétima).

E aí, será que neste ano ele consegue o reconhecimento?

Os maiores vencedores do Corinthians na Bola de Prata

  1. Wladimir - 3 prêmios (1974, 1976 e 1982)
  2. Marcelinho Carioca - 2 prêmios (1994 e 1999*)
  3. Zé Maria - 2 prêmios (1973 e 1977)
  4. Ronaldo - 2 prêmios (1990 e 1994)
  5. Vampeta - 2 prêmios (1998 e 1999)
  6. Elias - 2 prêmios (2010 e 2015)
  7. Gil - 2 prêmios (2014 e 2015)

*venceu também a Bola de Ouro neste ano

Todos os corinthianos na Bola de Prata

1971 - Rivellino, melhor meia esquerda
1973 - Zé Maria, melhor lateral direito
1974 - Wladimir, melhor lateral esquerdo.
1976 - Wladimir, melhor lateral esquerdo
1977 - Zé Maria, melhor lateral direito
1980 - Sócrates, melhor meia direita
1982 - Wladimir, melhor lateral esquerdo, e Biro-Biro, melhor ponta esquerda
1984 - Édson Boaro, melhor lateral direito
1990 - Ronaldo, melhor goleiro, e Marcelo Djian, melhor zagueiro
1991 - Neto, melhor meia esquerda
1993 - Rivaldo, melhor meia esquerda
1994 - Ronaldo, melhor goleiro, Zé Elias, melhor volante pela esquerda e Marcelinho Carioca, melhor meia direita
1998 - Gamarra, melhor zagueiro pela direita, Vampeta, melhor volante pela direita, Edilson, melhor atacante pela direita e Bola de Ouro
1999 - Dida, melhor goleiro, Rincón, melhor volante pela esquerda, Vampeta, melhor volante pela direita, e Marcelinho Carioca, melhor meia direita e Bola de Ouro
2002 - Fábio Luciano, melhor zagueiro pela direita, e Gil, melhor atacante pela esquerda
2005 - Fábio Costa, melhor goleiro, Marcelo Mattos, melhor volante pela direita e Tevez, melhor atacante e Bola de Ouro
2010 - Chicão, melhor zagueiro pela direita, Roberto Carlos, melhor lateral esquerdo, Elias, melhor volante pela direita e Jucilei, melhor volante pela esquerda
2011 - Paulo André, melhor zagueiro pela esquerda, e Paulinho, melhor volante pela direita
2012 - Ralf, melhor volante pela esquerda, e Paulinho, melhor volante pela direita
2014 - Gil, melhor zagueiro pela esquerda, e Guerrero, melhor atacante pela direita
2015 - Gil, melhor zagueiro pela esquerda, Elias, melhor volante, Jadson, melhor meia pela direita, e Renato Augusto, melhor meia esquerda e Bola de Ouro
2017 - Fagner, melhor lateral direito, Balbuena, melhor zagueiro pela direita, Fábio Carille, melhor técnico, e Jô, melhor atacante pela esquerda e Bola de Ouro

Veja mais em: História do Corinthians, Campeonato Brasileiro e Ídolos do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Tomás Rosolino

Por Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

O que você achou do post do Tomás Rosolino?