Não há razão para o Corinthians assinar com Jonathan Cafu até o final de 2023

Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

ver detalhes

Não há razão para o Corinthians assinar com Jonathan Cafu até o final de 2023

Coluna do Tomás Rosolino

Opinião de Tomás Rosolino

5.7 mil visualizações 104 comentários Comunicar erro

Não há razão para o Corinthians assinar com Jonathan Cafu até o final de 2023

Cafu pode e deve ser útil ao Corinthians no atual cenário; até o fim de 2023, porém, muita coisa deve mudar

Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

O Corinthians anunciou nesta segunda-feira a contratação do atacante Jonathan Cafu, alternativa para Vagner Mancini preencher as pontas da equipe. Tecnicamente acho que briga tranquilamente pela titularidade no atual cenário e pode ser útil. Meu ponto aqui vai muito além disso: a parte administrativa.

Não há nenhuma razão para o Corinthians assinar um contratado de 38 meses com Cafu, que disputaria a segunda divisão da Arábia Saudita e não interessava ao Bordeaux, dono dos seus direitos econômicos. O conceito de oportunidade de mercado é praticamente destroçado quando se firma um compromisso tão longo com um jogador que não dá a menor certeza de retorno técnico.

Pelo seu desempenho recente (seis gols e três assistências em 51 jogos disputados nos últimos três anos) e a idade (29 anos), Cafu não é um cara que abala o mercado. Não houve concorrência pela sua assinatura e ninguém manifestou interesse em trazê-lo mesmo com tanto tempo em baixa. Por que não dar um ou até dois anos ao jogador e deixar pré-acertado uma extensão caso haja interesse das partes no futuro?

Notícias relacionadas
Notícias relacionadas
Corinthians anuncia contratação do atacante Jonathan Cafu Corinthians anuncia contratação do atacante Jonathan Cafu

Para se ter uma ideia, o contrato feito pelo Corinthians com Jonathan Cafu é mais longo do que o feito pelo Flamengo com Bruno Henrique na época da compra do jogador, que estava no Santos (38 a 35 meses). Ou seja, o Timão dá a uma aposta sem grandes referências um contrato mais longo do que um outro grande brasileiro deu a uma certeza que lhe custou R$ 23 milhões. As coisas não se encaixam.

"Ah, mas e se o Cafu jogar muito?". Se Cafu repetir algo próximo do que fez no melhor ano da carreira (16/17), marcando 14 gols e dando 11 assistências em 45 jogos, a aposta vai se comprovar certa. O tempo de contrato, não. Ou seja, no cenário mais otimista possível, o erro seguirá claro.

Tudo fica ainda pior quando se constata que o Corinthians assinou com três jogadores de Seleção (Jemerson, Cazares e Otero - este por empréstimo até o fim do seu vínculo com o Atlético-MG), todos mais novos do que Cafu, apenas até junho do ano que vem.

Ou seja, em cenários nos quais é mais provável que o atleta se destaque e que o time tenha trabalho por uma renovação, a opção foi por vínculos inusitadamente curtos. Inexplicável.

Veja mais em: Cazares, Otero, Jemerson e Jonathan Cafu.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Tomás Rosolino

Por Tomás Rosolino

Tomás Rosolino é jornalista faz um tempo. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, ex-Agora SP e Gazeta Esportiva. Hoje no Meu Timão. Vejo muito esporte, todo dia, o dia todo.

O que você achou do post do Tomás Rosolino?

x