Sim, houve magia na Copa São Paulo

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Sim, houve magia na Copa São Paulo

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

66 mil visualizações 72 comentários Comunicar erro

Sim, houve magia na Copa São Paulo

Luz e cor na festa do povão

Foto: Arquivo Pessoal

Em um tempo de futebol ultra-mercantilizado, travado, amarrado, ruim de ver, gerido por tubarões especuladores e, muitas vezes, praticado por magnatas descompromissados, a Copa São Paulo resgatou o jogo apaixonado e renovou a esperança no coração dos torcedores.

Depois da péssima temporada profissional de 2016, a descrença havia ocupado o espírito dos fiéis. Porém, neste início de ano, vieram os meninos da base reviver aquilo que nós, brasileiros, já chamamos de “o melhor futebol do mundo”.

Quem foi a Barueri ou grudou os olhos na TV, por exemplo, assistiu a dois excelentes jogos, contra Flamengo e Juventus. Não houve chance ao tédio, ao desinteresse ou à cornetagem.

A final, no velho e querido Pacaembu, reuniu massa imensa, alegre e agitada, sob o sol dourado do fim de tarde.

Como convém ao corinthiano, vivemos o tradicional sofrimento. A superioridade técnica não se convertia em vantagem no placar. Corajoso e aplicado, o Batatais frustrava, uma a uma, nossas investidas no ataque.

Houve intervenção difícil do aplicado arqueiro Gerson. Houve bola na trave. Houve furada no momento da conclusão. Porque, afinal, os nervos jovens sentem a pressão de tantas milhares de vozes.

Se não se gritava o tento tão desejado, vibrava a torcida com a garra e a técnica do onze mosqueteiro.

Os bem velhinhos lembraram dos garotos que hoje vivem céu, mas que já nos encantaram no velho Paca. Recordaram o carrinho de Idário, o drible de Luizinho, o acerto milimétrico na falta cobrada por Cláudio, o cabeceio matador de Baltazar.

Outros menos veteranos assistiram, no cinema da memória, o drible elástico de Rivellino, o calcanhar de Sócrates, a dividida ganha por Wladimir e o gol que Marcelinho Carioca anotou do meio da rua.

Ali, entre os comandados de São Jorge, os diminutivos apenas escondiam a grandeza da trinca ofensiva: Carlinhos, Marquinhos e Pedrinho.

O primeiro marcou de cabeça, no crepúsculo da partida, como convém à mística corinthiana. Esbanjou garbo, lembrando Paulinho na Libertadores de 2012, no duelo contra o Vasco da Gama.

Carlinhos que, nesta Copa São Paulo, parecia um X-Man, lépido, elástico, mago no drible redondo. Nem parece continuação daquele menino que 16 anos atrás levou um tiro que lhe arrebentou o osso da perna.

O Timãozinho desfilou muitas outras virtudes. Aos 18 do segundo tempo, pontada perigosa do adversário. Já ia o vermelho Victor desferir o chute contra a meta de Filipe.

E quem veio desarmá-lo, limpamente? Ninguém menos que o meia Mantuan, esse garoto que joga sério, que tem futebol de gente adulta e responsável.

Veio “la décima”, lógico. Como poderia não vir? Mas a memória gravou também o encontro popular corinthianista no aniversário da maior cidade do Brasil. Magia, pura magia.

A menina do Rio de Janeiro, agora nova habitante da metrópole, foi assistir a seu primeiro jogo do Corinthians. Em um acidente, nas numeradas, feriu a cabeça e precisou de cuidados médicos. Foi parar na Santa Casa. Levou quatro pontos de arrumação.

Traumatizou-se com a experiência no estádio? De jeito nenhum! Curtiu muitíssimo. Planeja frequentar mais e mais, para se misturar ao nosso povão, para aprender com a nossa diversidade. No dia seguinte, escreveu textão para festejar a aventura.

Tinha na bancada a Dona Célia, médica sexagenária que ajudou a implantar o SUS no Brasil. Tinha a mineira que cria bem o pequenino Luan Sócrates, que se dedica à dura labuta para garantir um futuro ao filho querido.

Tinha a Dona Malu, mulher do trabalho, cabeça privilegiada, que espalha a boa mensagem na organizada, que se dedica a difundir uma cultura de paz e justiça entre os jovens.

Tinha o garotão que, aos 22 anos, contava os títulos que já vira o Coringão conquistar. Ah, foram muitos. Muitos comemorados ao lado do pai, sempre no abraço emocionado.

Tinha o casal de paixão recente, que celebrava o primeiro título no estádio. Fizeram fotos. Pretendem guardá-las para sempre.

Tinha o pessoal imigrante da mãe África, funcionários da Inova, empresa de limpeza urbana. Foram cuidar da praça esportiva. O júbilo contagiante, no entanto, quebrou a sisudez profissional.

Enquanto os meninos passeavam com a taça pelo gramado, lá nas grades do portão de entrada, o irmão angolano, uniformizado para a varrição, bailava e vibrava com sua nova paixão: o Sport Club Corinthians Paulista.

E foi assim que ganhamos as ruas, que batucamos na Charles Miller, que exercitamos mais uma vez a fraternidade, que fortalecemos amizades, que fizemos valer a máxima de Battaglia: “este é o time do povo, e é povo quem vai fazê-lo”.

Que venha o décimo primeiro!

Veja mais em: Copinha e Base do Corinthians.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?