Sobre o 'juiz ladrão'

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Sobre o 'juiz ladrão'

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

8.8 mil visualizações 89 comentários Comunicar erro

Sobre o 'juiz ladrão'

Pablo Almeida da Costa: o almoxarife mineiro

Foto: CBF

Em uma de suas geniais crônicas futebolísticas, Nelson Rodrigues discorre sobre a ampla fauna dos árbitros desonestos. A diferença é que, naquele tempo, o pau comia.

Em "O Juiz Ladrão", de 1955, ele encerra com o seguinte relato sobre o apitador corrupto:

- Ao soar o apito final, os 22 jogadores partiram para cima do ladrão. Mas o gângster já se antecipara, já estava pulando muros e galinheiros. Era uma figurinha elástica, acrobática e alada. Isto foi em 1917. O juiz gatuno está correndo até hoje.

Hoje, não, felizmente, em tributo à civilidade, renunciamos à violência. No máximo, um resmungo na Internet.

Porque poupamos mais uma vez, por educação, o almoxarife mineiro Pablo Almeida da Costa, que costuma passar ileso por seus frequentes deslizes, quase sempre cúmplice de Ricardo Marques Ribeiro.

Neste domingo, em Itaquera, o elemento foi incapaz de perceber os 3,3 metros que separavam Jô do impedimento. Ah, e ele estava ali pertinho. Depois disso, continuou a mexer sua bandeira, lépido e pimpão, sem qualquer constrangimento.

Em julho do ano passado, o mesmo Costa anulou outro gol válido do Corinthians. Você se lembra? Foi aquele de Balbuena, contra a Chapecoense, na Arena Condá. Vencemos e ele passou incólume.

São frequentes e escandalosas as proezas, digamos, "interpretativas" de Ricardo Marques e Pablo Almeida da Costa. Mas permanecem à salvo. O árbitro até mesmo comemora suas apresentações, como depois do jogo entre São Paulo e Grêmio.

Comemora porque somos polidos e elegantes. Pouco nos importamos com seu currículo de equívocos e suas pantomimas burlescas.

Eram eles, aliás, que apitavam também o clássico em que o sãopaulino Gilberto anotou, na Arena Corinthians, um gol em impedimento, em vitória recente do alvinegro por 3 a 2.

Ali, nada viram de irregular.

Como somos ordeiros (e devemos mesmo ser), segue o jogo. Jô já teve dois gols surrupiados (o primeiro em Curitiba, em que o Timão foi operado pelo bandeira Michael Correia) e o Corinthians perdeu quatro pontos neste brasileirão.

A direção do Corinthians, no entanto, tem o dever e os meios para procurar a justiça. Não vai dar em nada, porque a CBF é um caso de polícia.

Mas vale a pena, ainda que por protocolo, manifestar alguma indignação.

Veja mais em: Erros de arbitragem.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?