Bailes de Carnaval e refúgio dos jogadores fazem do bairro Tatuapé a "casa do Corinthians"

Bailes de Carnaval e refúgio dos jogadores fazem do bairro Tatuapé a "casa do Corinthians"

Poucos lugares de São Paulo vivem tanto o dia-a-dia de um clube como o Tatuapé. Casa do Corinthians, o bairro recebe boa parte dos jogadores e dirigentes alvinegros em suas ruas e restaurantes, decide sobre o futuro político nos bares e relembra com carinho o auge de outrora dos esportes amadores. Uma relação construída durante anos e fortalecida à base de muita festa, nos tradicionais bailes de Carnaval do Parque São Jorge.

A história começa quando o Corinthians se instala na região. Na década de 1920, o clube fundado no Bom Retiro comprou o terreno onde hoje está instalado o Parque São Jorge. A zona leste, e o próprio Tatuapé, cresciam conforme as fábricas iam se instalando na região, acompanhando a linha do trem que hoje abriga a avenida Radial Leste.

O Corinthians não demorou a cair no gosto dos moradores, que passaram a frequentar as dependências do clube vizinho. Se o time de futebol defendia as cores do clube no central Pacaembu, os esportes amadores atuavam no próprio Parque São Jorge, e as disputas passaram a atrair os moradores do Tatuapé.

A década de 1960 foi o auge desse processo. O Corinthians montou uma seleção de basquete com Wlamir Marques, Rosa Branca e Amaury Passos, a base brasileira campeã mundial da modalidade em 1959 e 1963. Os jogos atraíam multidões e incentivavam os jovens do Tatuapé a praticarem esportes no clube.

Wadih Helú, presidente do Corinthians de 1961 a 1971, aproveitou o movimento para erguer o ginásio do Parque São Jorge. Foi então que surgiram os bailes de Carnaval do clube, um dos mais tradicionais da cidade e berço de marchinhas temáticas como “Coração Corinthiano”, composição de Manuel Ferreira e Rute Amaral.

“Eram os Carnavais das grandes orquestras, em que não cabia mais uma mosca no ginásio. Tinha um bloco formado por 50 casais. Todos do Tatuapé”, explica Claudio Alba, morador do bairro há mais de 50 anos, ex-assessor de imprensa do clube na década de 1980 e pesquisador da história do Tatuapé.

Hoje, o bairro conta parte de sua história na Casa do Tatuapé, mais antiga casa bandeirista da cidade, que foi transformada em pólo cultural nos anos 1980. Uma exposição sobre a Zona Leste explica, entre outras coisas, como a região se dividiu em duas.

Entre a parte a Marginal Tietê e a Radial Leste, estão situados o Parque São Jorge e a parte mais familiar do bairro, que ainda conta com suas casas térreas e ruas de comércio tranquilas. Na parte mais alta, condomínios de alto padrão e atrações como restaurantes, shoppings e casas noturnas atraem um público diferente do Tatuapé histórico.

Essa mudança de perfil encosta em outro ponto que explica a relação do bairro com o Corinthians. “Até a década de 1950, a maioria dos jogadores morava nas redondezas do clube ou até mesmo nos alojamentos do Parque São Jorge”, explica Fernando Wanner, assistente do departamento cultural do clube.

Fonte: uol

Veja Mais:

  • Carille teve problemas para testar elenco nesta quarta; Arana e Léo Santos se ausentaram

    Bruxa solta! Treino do Corinthians é marcado por ausências, sustos e dúvidas

    ver detalhes
  • Dono de cinco gols em 2017, Romero está convocado pela seleção paraguaia

    Noiva de Romero vaza convocação de paraguaios do Corinthians; veja documento

    ver detalhes
  • Emerson Santos assinou pré-contrato com o Palmeiras

    Emerson Santos custaria R$ 20 milhões ao Corinthians em cinco anos; entenda o valor

    ver detalhes
  • Jadson treinou de colete, como coringa, na terça-feira

    Corinthians pode deixar Jadson fora contra o Vitória; entenda

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes