Corintianos vão para presídio superlotado e vigiado por próprios detentos bolivianos

Corintianos vão para presídio superlotado e vigiado por próprios detentos bolivianos

Penitenciária de San Pedro, Oruro, Bolívia. É lá que os 12 torcedores corintianos indiciados pelo homicídio do jovem boliviano Kevin Espada, de 14 anos, ficarão presos à espera do julgamento ou uma segunda ordem judicial. Funcionando desde 1844, a prisão está hoje superlotada e opera sob um controle peculiar de segurança: lá, são os próprios detentos os responsáveis por garantir a ordem.

A descrição é do ministro conselheiro da embaixada do Brasil na Bolívia, Eduardo Saboia. Ele é o chefe da representação brasileira no país vizinho e acompanha, com certa apreensão, a situação dos brasileiros presos após o jogo entre San José e Corinthians, na quarta-feira - o duelo terminou empatado em 1 a 1.

“Na Bolívia é assim: são os presos que fazem a segurança interna do local. As autoridades só garantem que os detentos não saiam do presídio”, explicou Saboia. “Isso nos preocupa. Temos que tentar garantir a integridade física dos brasileiros aqui”.

A penitenciária de San Pedro fica no prédio de um antigo convento colonial. Em meados do século 19, o imóvel foi convertido em presídio e, naquela época, passou a receber principalmente ladrões que costumavam assaltar mineradoras na área da cidade de Oruro.

Oficialmente, o presídio tem capacidade para 250 presos. No final do ano passado, entretanto, jornais bolivianos informavam que cerca de 450 pessoas estavam detidas em San Pedro. Dentre eles, estão homens, mulheres e até bebês, filhos das detentas.

Todos eles, segundo os jornais da Bolívia, vivem em condições precárias. As celas da penitenciária San Pedro são pequenas, as paredes são feitas de barro, o chão é de piso frio e, em dias de chuvas, várias goteiras surgem no teto do presídio.

Nada disso, porém, preocupa mais Eduardo Saboia do que a segurança dos torcedores presos na penitenciária. Ele disse que, durante o Carnaval, um brasileiro foi assassinado durante um motim em uma penitenciária de Cobija, perto da fronteira com o Acre. Sabendo disso, a embaixada brasileira já solicitou proteção especial aos corintianos.

“O clamor popular é grande”, afirmou Saboia. “Nós já falamos com o diretor do presídio. Ele nos disse que os brasileiros vão ficar em duas celas isoladas.”

Ao mesmo tempo em que a embaixada busca garantir a segurança dos torcedores, Saboia disse que o órgão tenta assessorar juridicamente os brasileiros presos. Na sexta-feira, o próprio Saboia esteve com a promotora boliviana que indiciou os torcedores para entender os motivos da prisão temporária deles.

No encontro, ele foi informado de que a prisão foi solicitada por “precaução”. Segundo a própria promotora, se a investigação avançar e for descartada a participação dos brasileiros detidos na morte de Kevin, eles podem ser liberados.

Saboia afirmou que todos os presos afirmam ser inocentes. Eles se até se colocaram à disposição da Justiça para ajudar o esclarecimento do caso e identificar responsáveis. O ministro conselheiro da embaixada espera que essa ajuda seja utilizada e as investigações avancem rápido. Assim, os brasileiros poderiam ser libertados mais brevemente.

O governo boliviano foi procurado pelo UOL Esporte para comentar a situação dos brasileiros presos no país e a segurança do presídio em que estarão. As autoridades não responderam à reportagem.

Fonte: Uol

Veja Mais:

  • Corinthians volta a jogar nesta segunda pela Liga Nacional

    Corinthians encara 'reforçado' Sorocaba na primeira final da Liga Nacional

    ver detalhes
  • Craque do futsal do Corinthians, Leandro Lino deve jogar pelo Sorocaba em 2017

    Quatro campeões do Corinthians recebem proposta do Sorocaba e devem 'virar casaca' em 2017

    ver detalhes
  • Pelada registrada no Amapá, onde Caio presenciou o tradicional 'futilama'

    Do Amapá à Antártida: torcedor do Corinthians, fotógrafo percorre o mundo em busca de peladas

    ver detalhes
  • Cerca de 200 integrantes de organizadas foram ao Pacaembu neste domingo

    Ato de organizadas tem gritos de 'Vamo Chape' e pedido por liberdade nos estádios

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes