Deputado Marco Feliciano diz que irá à Bolívia analisar situação de corintianos presos

Deputado Marco Feliciano diz que irá à Bolívia analisar situação de corintianos presos

3.5 mil visualizações 19 comentários Comunicar erro

Brasileiros presos em Oruro, na Bolívia, reclamam de condições precárias

Brasileiros presos em Oruro, na Bolívia, reclamam de condições precárias

Foto: Aizar Raldes/AFP

O polêmico deputado Marco Feliciano (PSC-SP), presidente da CDH (Comissão de Direitos Humanos e Minorias) da Câmara, afirmou que irá até a Bolívia para conversar e ver a situação dos torcedores corintianos presos em Oruro desde o dia 20 de fevereiro, em razão da morte do jovem Kevin Estrada, durante partida do Corinthians contra o San Jose, pela Copa Libertadores.

Em entrevista ao programa “Agora É Tarde”, da TV Band, Feliciano disse ao apresentado Danilo Gentili que deve ir para Oruro nos próximos dias. “Devo ir à Bolívia por esses dias por causa dos corintianos que estão presos lá. Um deles diz que tem problema nos rins e está correndo risco de morte”, afirmou.

Segundo ele, a maior preocupação diz respeito às condições da prisão boliviana. “A Bolívia é um país muito pobre, lá não é como aqui, então é preciso fazer alguma coisa”, completou.
Na última terça-feira, o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) esteve com os 12 torcedores presos, e deixou o local com a opinião de que os brasileiros “estão em perigo”. “Eles estão presos com estupradores, traficantes, assassinos. Manifestei uma preocupação formal, lembrando que o estado boliviano tem a custódia desses brasileiros”, declarou Ferraço ao UOL Esporte.

Segundo o senador, os corintianos reclamaram de maus tratos e constrangimento. Eles estão em um presídio com capacidade para 200 pessoas, mas que tem 1.500 detentos no momento, de acordo com Ferraço. “Acho que é uma situação muito mais diplomática, politica do que jurídica. O governo brasileiro precisa colocar isso na agenda. Precisamos de uma intervenção forte. Eles podem pelo menos exigir um presídio que garanta integridade física”, declarou.

Ferraço fará no próximo dia 4 de abril uma reunião entre o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e a Embaixada do Brasil em La Paz, para definir de que maneira o governo brasileiro pode atuar para melhorar as condições dos brasileiros presos em Oruro. O presidente do Corinthians, Mario Gobbi, também irá se encontrar com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, ainda esta semana.

Segundo o clube, a ideia não é necessariamente pedir a liberação dos 12 presos. Trata-se, na verdade, de solicitar o envolvimento do Governo Federal para que seja garantido aos presos o direito de defesa. A postura só não foi a mesma desde a tragédia porque o Corinthians, em seu entender, tinha uma agenda a cumprir, preocupando-se primeiro com os reflexos esportivos do caso e depois com a situação dos torcedores presos.

O grupo de corintianos é acusado de participação no evento. No Brasil, a organizada Gaviões da Fiel apresentou à Justiça um jovem de 17 anos que se diz o verdadeiro culpado pelo crime. A Justiça da Bolívia, no entanto, não leva o depoimento e a confissão do jovem em consideração, e manteve os 12 brasileiros em prisão preventiva em Oruro.

Fonte: Uol

Veja Mais:

  • Assessoria do treinador divulgou nota oficial na manhã desta terça-feira

    Em nota oficial, Carille admite generalização e se desculpa com imprensa por desabafo em coletiva

    ver detalhes
  • Carille, alvo de interesse de Al-Hilal, afirmou que a imprensa 'mente demais'

    Associação de jornalistas de São Paulo emite nota de repúdio por declarações de Carille

    ver detalhes
  • Goleiro chegou no fim da noite desta segunda-feira na Granja Comary

    Cássio se apresenta à Seleção Brasileira na noite de segunda e explica motivo de 'atraso'

    ver detalhes
  • Corinthians de Maycon, Júnior DUtra & cia. está na terceira posição no Brasileirão

    Sexta rodada acaba, e Corinthians segue 'nas cabeças' do Brasileirão; veja classificação

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes