Após invasão, jogadores falam em deixar Corinthians por medo

49 mil visualizações 291 comentários

Por Meu Timão

Jogadores pensam em deixar o Corinthians

Jogadores pensam em deixar o Corinthians

Divulgação

A reação dos jogadores do Corinthians à invasão ao centro de treinamento (CT), ocorrida no sábado, pode causar a saída de atletas do clube.

A Folha apurou com jogadores do time que a violência da torcida fez com que parte do elenco, entre titulares e reservas, queira deixar o Corinthians por medo.

A invasão dos torcedores ao CT resultou na destruição dos carros do zagueiro Paulo André e do auxiliar de preparação física Flávio Grava, filho do médico Joaquim Grava. Três celulares, um deles que pertencia ao meia Ramírez, e um rádio foram roubados. Uma porta de vidro do local foi quebrada.

O atacante Guerreiro chegou a ser esganado por um dos torcedores.

Dada a possibilidade de passar novamente por esse tipo de pressão, os jogadores corintianos cogitam seriamente deixar o clube.

O entendimento de líderes do elenco alvinegro é que a diretoria corintiana deveria ter sido mais veemente nas reações após a invasão.

No sábado, após o acontecimento, os jogadores disseram à direção que não queriam jogar contra a Ponte Preta, pois estavam apavorados.

A vontade do presidente Mário Gobbi e da diretoria era a mesma, o que os levou a tentar adiar a partida contra a Ponte Preta, em Campinas.

Mas por força de contratos assinados com a Federação Paulista e com a TV Globo, detentora dos direitos de transmissão, o clube não poderia se negar a jogar.

Essa informação foi passada, ainda no sábado, pela diretoria aos jogadores. E os cartolas e os atletas entraram em consenso de que o Corinthians deveria ir a campo.

O presidente Mário Gobbi disse ontem que nenhum atleta manifestou desejo de sair do clube. "Nenhum jogador pediu para ir embora. Todos estavam abalados emocionalmente. Foi chocante para todos nós."

Entretanto, era grande, ontem, a indignação dos jogadores com a invasão e com a reação da diretoria.

'MÁGOAS PROFUNDAS'

Após a invasão, Gobbi disse que não dialogará mais com as organizadas do clube.

"Não há a menor intenção de diálogo. As coisas chegaram a um ponto em que está difícil qualquer tipo de conversa. No futebol, você nunca diz 'nunca mais', nem na vida. Mas não há clima para diálogo. As mágoas são profundas", disse Gobbi.

"O direito de manifestação é sagrado. O que não é constitucional é invadir a propriedade, lesionar terceiros. Isso nunca foi feito aqui", completou o presidente.

Gobbi pediu ainda ao departamento jurídico corintiano que analise a possibilidade de o clube proibir o uso dos símbolos do time pelas torcidas organizadas.

A cúpula do Corinthians deve liberar para a polícia as imagens internas do CT para ajudar na identificação das pessoas que invadiram e depredaram o local.

Fonte: Folha de São Paulo

Veja Mais:

  • Ex-atacante do Corinthians, Célio Taveira morreu aos 79 anos vítima de Covid-19

    Ex-atacante do Corinthians, Célio Taveira morre vítima do novo coronavírus

    ver detalhes
  • O que ouvimos sobre o novo reforço do Corinthians

    VÍDEO: O que ouvimos sobre o novo reforço do Corinthians

    ver detalhes
  • Volante Ralf foi apresentado no Avaí nesta sexta-feira

    Ralf se diz marcado na história do Corinthians e cita 'página virada' ao vestir camisa do Avaí

    ver detalhes
  • Corinthians interrompeu as atividades do basquete durante pandemia

    Corinthians replaneja quase 50 modalidades devido à pandemia; maioria não deve ser atingida

    ver detalhes
  • [Lucas Faraldo] Os sonhos do Corinthians por Tevez e Jô

    ver detalhes
  • Vampeta durante partida comemorativa dos 20 anos do Mundial de 2000

    Vampeta diz que falta jogador corajoso no Corinthians e destaca jovem emprestado ao CRB

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: