Guilherme sugere parar o jogo em casos re racismo

Guilherme sugere parar o jogo em casos re racismo

Por Meu Timão

Guilherme comemorando gol do Corinthians contra o Flamengo

Guilherme comemorando gol do Corinthians contra o Flamengo

Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Depois dos jogadores do Corinthians aderiram ao movimento #somostodosmacacos, em homenagem ao Daniel Alves, o volante Guilherme, em entrevista coletiva, comentou o fato.

- É brincadeira ter racismo ainda. Infelizmente tem. É mais do que obrigação a gente fazer isso para o Daniel Alves, que foi o último a sofrer isso. Bato até palmas pela situação que ele fez, de comer a banana, de provocar o torcedor com o gesto dele. Fizemos essa boa para ele. Força para ele e para os brasileiros! - disse o Guilherme.

O volante também sugeriu uma punição mais grave pra servir de exemplo aos recentes atos de racismo que tem ocorrido pelo mundo.

- Acho que os torcedores que estão no estádio deveriam dar uma força, ou até mesmo os jogadores. Deviam parar o jogo e só começar a partir do momento que esse torcedor que atacou a banana, ou que xingou, for preso ou algo do tipo. Deveria ter uma punição muito grave. Não tem cor que defina uma pessoa, meu pensamento é ese. Tem que parar o jogo e o torcedor ser preso - finalizou Guilherme.

Veja Mais:

  • Kazim não deve permanecer no Corinthians em 2018

    Corinthians quer definir destino de Kazim nos próximos dias; chegada de Dutra deve atrapalhar turco

    ver detalhes
  • Fellipe Bastos pode ser emprestado para outro clube em 2018

    Com chegada de reforço, Corinthians estuda empréstimo de Fellipe Bastos

    ver detalhes
  • Minds Idiomas segue na manga da camisa corinthiana em 2018

    Com até bolsa de estudos a jogadores, Corinthians renova com patrocinador para manga da camisa

    ver detalhes
  • Renê Júnior, Zé Rafael e Juninho Capixaba: Corinthians de olho em trio do Bahia

    Novo presidente do Bahia é eleito, e Corinthians deve definir ao menos três negociações

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes