'Eu queria ser Emerson Sheik', por Rica Perrone

'Eu queria ser Emerson Sheik', por Rica Perrone

Por Meu Timão

Emerson Sheik, jogando contra o Danubio

Emerson Sheik, jogando contra o Danubio

Foto: Daniel Augusto/ Agência Corinthians

Seres humanos se dividem entre os que assumem a magoa, a raiva, o preconceito e a vontade de ver o “inimigo” na merda e os que tentam passar a vida mentindo.

Como a maioria, mesmo os que não confessam, eu adoro ver quem me detesta ter que me engolir. Me vingar de alguma ofensa, poder rir de quem riu de mim. Sou humano, me desculpe.

Outro dia alguém me perguntou se eu fosse jogador que jogador eu gostaria de ser. Mas que pergunta difícil! São tantos perfis, tanta gente parecida, tão distantes do meu mundo.

E então tentei encontrar alguém humano, exagerado, que cometa erros, que adore vencer, que não tenha medo algum de tentar fazer diferente e que quase sempre saia rindo. Ora, eu queria ser Emerson Sheik!

Eu adoraria poder ser jogador e enfiar a perna num argentino na Libertadores. Mas essa é a minha limitação. Se fosse Emerson Sheik, ganharia dele e ainda debochava sem perder a cabeça.

Sheik trabalha com o lado mais insuportável da vida: a inveja.

Todo rubro-negro, por saudades e inveja, queria vê-lo “se foder” no Flu. E ele foi campeão brasileiro, tirou os caras da fila, fez o gol do título.

Brigou. E então todo tricolor quis ver o Sheik pelas costas. Ele foi ser campeão da Libertadores pelo Corinthians, com 2 gols na final.

Deu merda. E ele foi pro Botafogo. Lá, o presidente o peitou e, pasmem, o demitiu! O time foi rebaixado.

Sheik voltou ao Corinthians. Sob a desconfiança infundada de que havia acabado pro futebol, retomou sua posição no time e mais uma vez brinca com os adversários e ajuda seu time a vencer.

Emerson é um vencedor irritante. Um sujeito que joga na sua cara apenas ao passar na sua frente o quanto ele venceu e, se for um adversário direto, o quanto você perdeu.

É rico, veio do nada, se diverte, troca de namoradas e não dá a mínima para uma mídia que tenta fazer de sua vida uma novela. Sorri. Mostra o recibo, dança na camera e dá selinho no amigo.

Sheik não está nem aí pra ninguém. Porque ninguém conseguiu pará-lo.

Sim, eu queria ser Emerson Sheik.

Não queria que ele casasse com a minha filha. Talvez nem quisesse ter um filho como ele.

Mas o futebol precisa de mais Sheiks do que Kakás.

Por Rica Perrone

Veja Mais:

  • Universidade Brasil firmou acordo com Corinthians para primeiro jogo da final estadual

    Corinthians anuncia patrocínio pontual para final do Paulistão; veja como fica a camiseta

    ver detalhes
  • Alan Mineiro não volta ao Corinthians em 2017

    Corinthians empresta Alan Mineiro para quarto clube diferente em menos de um ano

    ver detalhes
  • Corinthians encerrou preparação contra a Ponte Preta

    Clima bom, susto de Pablo e escalação do Corinthians: o último treino antes da Ponte Preta

    ver detalhes
  • Casuals foi derrotado nos pênaltis neste sábado; próxima temporada só em agosto

    Nos pênaltis, Corinthian-Casuals perde final e adia sonho de subir de divisão

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes