Fora das câmeras, Milton Neves reconhece superioridade do Corinthians

Fora das câmeras, Milton Neves reconhece superioridade do Corinthians

Por Meu Timão

26 mil visualizações 246 comentários Comunicar erro

Milton Neves beijando a camisa do Timão em janeiro, na Florida

Milton Neves beijando a camisa do Timão em janeiro, na Florida

Foto: Reprodução / Instagram

O jornalista Milton Neves é conhecido por sempre fazer provocações em relação ao Corinthians. Ele já chegou até a discutir, ao vivo, com o técnico Tite. Porém, em entrevista recente ao blog Salgueiro F.C., o jornalista se rendeu ao Timão.

"De burro eu não tenho nada. Não adianta provocar a Portuguesa. O Corinthians é o maior. É o time que tem o nome mais bonito do mundo. É a camisa mais forte disparada do Brasil, porque a torcida do Corinthians está concentrada no estado de São Paulo, onde tudo é melhor, e quem está opinando é um mineiro", explicou Milton Neves.

"A verdade é que o Corinthians dá retorno. Eu adoro provocar o Corinthians. Mas ninguém reconhece mais o Corinthians do que eu, que até inventei a frase: Corinthians, nada é mais bonito", completou.

As provocações já até renderam uma campanha de boicote aos patrocinadores de Milton Neves. O jornalista garante que a maior parte da torcida corinthiana entende o que ele faz. "99% da torcida corintiana saca que eu só estou enchendo o saco, mas 1% me odeia mesmo, eu sei disso", explicou.

Questionando, então, se as provocações faziam parte de uma estratégia de marketing para conseguir mais audiência, Milton Neves preferiu relembrar a sua infância.

"Não entendo muito essa coisa de psicologia e nem sei se seria bullying, mas lá em Muzambinho (MG), 80% da cidade era tudo torcedor do Corinthians. Haviam dois torcedores da Portuguesa, que já morreram, e eu de santista. Até hoje, corintiano é igual a pardal, tem para todo lado", começou explicando.

"Então, era só encheção de saco. O Santos jogava domingo, na Alemanha; terça-feira, em Luxemburgo; quinta-feira, na Bélgica; sábado, na Itália; e de vez em quando perdia um amistoso. Quando eu chegava na porta do colégio, havia um batalhão de meninos, todos meus amigos, me esperando para tirar um sarro. Quando o Corinthians quebrou o tabu, em 6 de março de 1968, eu me senti um Obama (Barak Obama, presidente dos Estados Unidos), pois estava toda a cidade na porta do colégio para me gozar", completou.

Por conta disso, ele foi questionado se o Timão seria, então, um trauma de infância. Milton respondeu e reconheceu a superioridade alvinegra, dizendo até que sem o Corinthians não existiria o jornalismo esportivo.

"Então, eu posso carregar no inconsciente algo contra o Corinthians, mas não sei. O Corinthians daquela época era uma porcaria, ruim demais. Mas, na verdade, eu adoro o Corinthians e quero que o clube tenha vida eterna, pois se o Corinthians sumir, acaba a crônica esportiva brasileira", finalizou.

Veja Mais:

  • Noite de decisão será de grande público na Arena Corinthians

    Corinthians divulga parcial de 38 mil ingressos vendidos para decisão contra o Flamengo

    ver detalhes
  • Nesta quarta-feira, Corinthians e Flamengo lutam por vaga na final da Copa do Brasil

    Copa do Brasil, treino aberto e decisão no feminino: a semana de compromissos do Corinthians

    ver detalhes
  • Corinthians de Jair Ventura está em oitavo lugar no Brasileirão

    Corinthians 'volta uma casa' na classificação do Brasileirão, mas diminui distância para o G6

    ver detalhes
  • Corinthians é prejudicado em Itaquera - Giro de notícias do Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes