Renato Augusto conta como segurou a barra com a saída de medalhões

5.6 mil visualizações 51 comentários

Por Meu Timão

Renato Augusto procurou o técnico Tite após saída de medalhões

Renato Augusto procurou o técnico Tite após saída de medalhões

Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

O meia Renato Augusto não foi só importante dentro de campo neste temporada. O jogador também teve papel fundamental no momento difícil que o clube enfrentou após a saída de medalhões do Corinthians.

Emerson Sheik, Paolo Guerrero e Fábio Santos. Os três deixaram o Corinthians no mesmo período do ano e fizeram com que Renato ficasse em alerta. Preocupado, o meia chamou Tite para conversar e expôs a tensão do grupo.

"Quando começou essa saída de jogadores, muitos falavam na saída de Elias, do Jadson. Fiquei muito preocupado. Chamei o Tite e falei: 'Professor, que que a gente vai fazer?'. É maravilhoso jogar no Corinthians, mas se você brigar lá embaixo é bravo. Se começar a sair todo mundo, a gente vai brigar para não cair", revelou o jogador, em participação no programa Bem, Amigos!, do canal SporTV.

O papo com Tite surtiu efeito e o comandante repassou a preocupação para a diretoria alvinegra. Depois disso, o elenco foi mantido, reestruturado e o resultado foi o título do Campeonato Brasileiro na última semana. Renato Augusto exaltou a importância do treinador nesse período.

"Ele conversou com o presidente, ele fez uma reunião com cinco, seis jogadores e falou: 'Não vai sair mais ninguém. O que saiu, saiu. Vamos brigar com esse time aqui até o final. É a minha palavra'. Aí a gente briga. Minha preocupação maior era perder mais. Você perde dois caras que eram ídolos da torcida, perde o líder do grupo, que era o Fábio, era o cara que todo mundo respeitava. Você perde o Sheik, ídolo da Libertadores, Paolo, ídolo do Mundial. Em um momento difícil, o ídolo faz uma diferença. Tivemos que trabalhar de novo isso, remontar de uma nova forma e aí entrou o papel do Tite, que depois encaixou", ressaltou.

"Ficou um clima difícil naquele momento. Aí o Tite chamou a responsabilidade, montou o time, abraçou o time passou o que ele queria e depois dali as coisas começaram a andar. E no final do primeiro turno, quando encostamos para passar o Atlético, a gente viu que tinha a possibilidade de ser campeão", finalizou Renato Augusto.

Veja Mais:

  • Jacinto Antônio Ribeiro, o "Jaça", conselheiro vitalício do clube, e pivô de conflito com Brazil nas últimas semanas; Márcio Bittencourt, ex-jogador e ex-treinador da base do clube

    Desentendimento na base do Corinthians separa Sub-23 das demais categorias; entenda

    ver detalhes
  • Sylvinho tem 16 jogos no comando do Corinthians, com mais derrotas (seis) do que vitórias (quatro), além de seis empates; saldo de gols também é negativo (12x16) e o aproveitamento é de 37,5%

    Pressão sobre Sylvinho aumenta no Corinthians; dois fatores jogam a favor do treinador

    ver detalhes
  • Renato Augusto fez primeiro treino com os companheiros de equipe nesta segunda-feira

    Corinthians se reapresenta e Renato Augusto faz primeiro treino com elenco no CT Joaquim Grava

    ver detalhes
  • Entre 2016 e 2018, Léo Príncipe esteve presente em 24 partidas no profissional e marcou um gol

    Corinthians faz acordo na Justiça e quitará dívida com Léo Príncipe em 12 parcelas; veja os detalhes

    ver detalhes
  • Bloqueio é referente a valores não pagos à Federação das Associações de Atletas Profissionais

    Corinthians tem quase R$ 2 milhões bloqueados pela Justiça por dívida com programa social

    ver detalhes
  • Giuliano e Renato Augusto estiveram na Neo Química Arena e viram in loco a derrota para o Flamengo, por 3 a 1; dupla ainda não tem condições legal e física para entrar em campo

    Corinthians pode não ter Renato Augusto contra o Santos; Giuliano tem mais chances de atuar

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x