Regulamento da Conmebol tira crianças da entrada com jogadores nas partidas

Regulamento da Conmebol tira crianças da entrada com jogadores nas partidas

Por Meu Timão

Crianças e bebês não podem mais entrar com jogadores na Copa Libertadores

Crianças e bebês não podem mais entrar com jogadores na Copa Libertadores

Foto: Meu Timão

Sem apresentar justificativas, a Conmebol teve mais uma decisão controversa: a proibição da entrada em campo de crianças e bebês em jogos da Copa Libertadores. A entidade acrescentou a nova regra no artigo 14.7 do capítulo XI do regulamento da edição de 2016.

A confederação também proíbe o uso de mascotes, porém essa proibição já constava no regulamento correspondente à edição do ano passado. Caso desrespeitem as regras, os clubes podem sofrer com multas graves, como a proibição de torcida em seus jogos em casa:

“A violação destes parágrafos implica na aplicação das seguintes sanções ao clube responsável pelos órgãos disciplinares da Conmebol:

- Para uma primeira infração: multa de US$ 10.000 e uma advertência para disputar o próximo jogo em casa com os portões fechados.

- Para uma segunda infração: partida com portões fechados, uma multa de US$ 15.000 e advertência para o risco de disputar seus próximos dois (2) jogos como mandante com portões fechados

- Para uma terceira ou subsequente infração: dois (2) jogos como mandante com portões fechados e uma multa de pelo menos US$ 25.000.”

A entrada de crianças em campo junto com os jogadores é comum, tanto no Brasil, como nos outros países que participam da Libertadores. Há, inclusive, jogadores que entram com seus filhos no colo antes das partidas.

Alegando seguir o modelo europeu, a Confederação Brasileira de Futebol limitou o número de crianças na entrada em campo a partir do final de 2014, o que causou a indignação de pais e dirigentes. Geralmente, os grandes clubes faziam uma espécie de “excursão” para que as crianças de suas escolas de futebol pudessem entrar no gramado com os jogadores. Com a mudança nas regras, foi determinado o número máximo de 22 crianças por time.

Se por um lado a CBF limitou a entrada, a Conmebol preferiu acabar com uma tradição, tomando uma decisão que corresponde completamente ao oposto do que é seguido na Liga dos Campeões, principal competição de clubes do mundo. No torneio, por exemplo, além de as crianças entrarem acompanhadas dos jogadores, elas também desempenham um papel importante ao segurarem a bandeira com o símbolo da competição, proporcionando a integração do futebol com o público infantil.

São as crianças, inclusive, as responsáveis por momentos marcantes e vídeos que costumam viralizar na internet quando não escodem e emoção ao encontrarem seus ídolos.

Veja Mais:

  • Arana pode se transferir para a Inter de Milão nos próximos dias

    Com oferta na mão, Corinthians espera retorno de presidente para definir venda de Arana

    ver detalhes
  • Corinthians optou por não utilizar redes sociais em respeito ao momento

    Corinthians suspende redes sociais em dia de velório coletivo da Chapecoense

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians se despediu da Arena no empate por 0 a 0 com o Atlético-PR

    Maior do país, público do Corinthians é duas vezes a média do Brasileirão 2016

    ver detalhes
  • Oswaldo defendeu utilização da cor verde em homenagem à Chapecoense

    Oswaldo comenta tragédia da Chapecoense e é mais um a defender cor verde no Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes