Gaviões da Fiel contesta polícia e se pronuncia sobre prisão de 27 associados

Gaviões da Fiel contesta polícia e se pronuncia sobre prisão de 27 associados

Por Meu Timão

Gaviões da Fiel contestou os argumentos apresentados pela polícia

Gaviões da Fiel contestou os argumentos apresentados pela polícia

Foto: Gaviões da Fiel / Divulgação

A Gaviões da Fiel se pronunciou nesta quinta-feira sobre a Operação Cartão Vermelho, que no dia 15 de abril resultou na prisão de 27 associados em apreensão da Polícia Civil na sede da organizada. Em nota oficial, a maior torcida do Corinthians rechaça os argumentos apresentados pela polícia e diz que a principal alegação para manter os torcedores presos “não condiz com a realidade”

A Operação Cartão Vermelho tinha como objetivo prender pessoas envolvidas no confronto entre torcedores no dia do clássico entre Corinthians e Palmeiras. A prisão dos membros da Gaviões foi feita por eles estarem envolvidos na confusão que aconteceu próximo à estação Clínicas do metrô, ainda nos arredores do Estádio do Pacaembu.

Segundo a organizada, o motivo apresentado para a prisão é que o caminhão, utilizado para transportar instrumentos e bandeiras da sede da torcida ao estádio, “estava preparado para uma guerra”. No entanto, a diretoria contesta essa alegação dizendo que o caminhão foi revistado pela Polícia Militar, como costuma acontecer em todos os jogos.

Por fim, a Gaviões da Fiel garantiu que continuará batalhando pelos ideais da torcida e reivindicando algumas coisas que já vem fazendo, como o fim do monopólio das transmissões dos jogos e o fim da elitização do futebol.

Nesta semana, a maior organizada do clube do Parque São Jorge já havia relembrado os associados presos. Também em comunicado, a torcida havia informado que tinha cancela um evento comemorativo em respeito aos 27 torcedores que seguem presos.

Confira a nota oficial da Gaviões da Fiel

NOTA OFICIAL - PRISÃO DOS 27 ASSOCIADOS DOS GAVIÕES DA FIEL

No último dia 15 de abril - mesmo dia de nossa grande manifestação no Vale do Anhangabaú, uma operação da Policia Civil terminou com a prisão de 27 associados dos Gaviões, sendo a maioria deles pertencentes ao Departamento de Bandeiras da torcida.

A justificativa do Ministério Público de São Paulo para a prisão foi um desentendimento no trânsito, após a última partida entre Corinthians e Palmeiras, envolvendo o caminhão dos Gaviões da Fiel e um carro com torcedores palmeirenses.

O caminhão em questão é usado por nossa torcida para transportar faixas, bandeiras e instrumentos, além dos jovens responsáveis por organizar e fazer nossa festa nas arquibancadas. Importante salientar, inclusive, que a Polícia Militar resolveu tal ocorrido no próprio local, conduzindo os envolvidos ao DP e, logo em seguida, liberando os mesmos após não encontrar quaisquer tipos de armas (paus, barras, pedras e afins) que pudessem ter sido usados em um confronto ou qualquer prova contundente para justificar uma prisão preventiva.

Porém, o argumento que sustenta a manutenção do encarceramento de nossos associados é que "o caminhão estava preparado para uma guerra". Mesmo respeitando e colaborando com o poder investigativo da Policia Civil, nossa diretoria rechaça tal argumento e questiona o real motivo de tais prisões.

Intriga-nos tal acusação ainda mais quando levamos em consideração o fato de o nosso caminhão ter sido, bem como é em todos os jogos, revistado e vistoriado pela Policia Militar, além de ter sido acompanhado pelo 2° Batalhão de Choque do Estado de São Paulo, de acordo com as medidas de prevenção à violência vigentes na cidade.

A Operação Cartão Vermelho, responsável por tais prisões, além de apreensões injustificadas e a tentativa de fechamento dos Gaviões da Fiel, utiliza um argumento central para a manutenção das prisões que não condiz com a realidade.

Reforçando nosso estranhamento, tornou-se público, inclusive tendo sido amplamente divulgado na mídia, que um dos pedidos de prisão foi expedido para um torcedor que não mora no Brasil faz, pelo menos, um ano. Segundo as investigações, ele era um dos envolvidos em uma briga entre torcedores.

Com isso, a diretoria dos Gaviões da Fiel reitera a posição expressa no dia da nossa manifestação (15 de abril), no Vale do Anhangabaú: tememos que nossas recentes causas e lutas possam desencadear em prisões políticas, um fenômeno conhecido historicamente no Brasil, mas que não se esperaria em plena democracia.

Nós, enquanto diretoria, reafirmamos nosso compromisso com as causas que consideramos justas e que estejam de acordo com as ideologias históricas dos Gaviões da Fiel, bem como a luta pela CPI das Merendas (todo nosso apoio aos estudantes e suas ocupações), o fim da elitização do futebol e o monopólio da transmissão dos jogos por parte da Rede Globo.

Que a Justiça NÃO seja cega, seletiva, e muito menos midiática.

Diretoria dos Gaviões da Fiel Torcida

Veja Mais:

  • Kalil, à direita de Roberto de Andrade, pediu licença de 60 dias

    Vice-presidente solicita licença do cargo e dispara contra diretoria do Corinthians

    ver detalhes
  • Bruno César anotou o segundo gol na vitória por 2 a 0

    Ex-jogador do Corinthians marca golaço de falta e dedica à Chapecoense; veja o vídeo

    ver detalhes
  • Filha dá resposta sensacional ao pai palmeirense: 'Vai, Corinthians'

    Pai força garotinha a cantar música do Palmeiras, e ela surpreende com um 'Vai, Corinthians!'

    ver detalhes
  • Gaviões da Fiel se unirá as outras torcidas organizadas paulitas neste domingo

    Organizadas rivais de São Paulo se unem em evento no Pacaembu em homenagem à Chape

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes