Usando até Mourinho de exemplo, Yamada detalha mudanças nas categorias de base do Corinthians

Usando até Mourinho de exemplo, Yamada detalha mudanças nas categorias de base do Corinthians

Por Meu Timão

73 mil visualizações 94 comentários Comunicar erro

Yamada foi contratado pelo Corinthians no início deste mês

Yamada foi contratado pelo Corinthians no início deste mês

Foto: Divulgação

Nos últimos anos, uma das principais reclamações dos torcedores do Corinthians era sobre o pouco aproveitamento dos jogadores das categorias de base. Maior campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior, o Timão criava bons atletas, mas não os usava nas equipes profissionais. Para piorar, o clube sofreu recentemente com uma série de escândalos envolvendo profissionais ligados ao departamento. Por conta disso, uma grande reformulação começou a ser feita nas categorias de base alvinegras nos últimos meses.

Um dos nomes contratados para colocar essas mudanças em prática foi Fernando Yamada, ex-goleiro do Corinthians, que chegou para ser gerente geral das categorias de base. No cargo desde o início deste mês de abril, Yamada detalhou as principais mudanças que serão feitas no departamento, como a diminuição de atletas com atletas profissionais que não são mais aproveitados na base, uma nova cartilha, um rodízio de técnicos e jogadores entre as categorias, entre outras coisas.

Sobre os jovens com contratos profissionais, a primeira mudança é diminuir o número de jogadores não aproveitados pelo Corinthians. Atualmente, 105 jovens estão registrados com contratos profissionais, sendo que 74 possuem até 20 anos. Isso faz com que 70% dos jogadores que atuam no Sub-20 tenham contrato profissional.

Uma das mudanças citadas por Yamada, é a diminuição de atletas com contratos profissionais. O Corinthians atualmente possui 105 atletas registrados com contrato profissional, sendo que 74 possuem até 20 anos. Esse é um número muito acima do que é considerado ideal pelo clube.

"Tem que diminuir, porque desses 70% pouquíssimos têm projeção de atuar no time profissional. Já dividi com a diretoria minha ideia, porque eu não vejo muito sentido ter jogadores com contrato e que não vão atuar na equipe principal. A tendência é fechar a torneira, principalmente no time sub-20, que já encaro como profissional. Precisa reduzir, só precisa ficar atento, porque tem jogadores que já tem contrato que vieram de outra gestão, e somos obrigados a pagar o contrato com o atleta", explicou Yamada, em entrevista ao portal ESPN.com.br.

"Temos que ver possibilidades, alguma negociação, empréstimo, e o jogador tem liberdade de aceitar ou não. Para contratar no sub-20, só se for pontual, uma ou outra posição. Aqui tem que ser jogador aprovado la com 13, 14, 15 anos. Aqui é só pontual, posição carente e que seja um atleta que tenha projeção", completou.

Uma segunda mudança trabalhada por Yamada é uma padronização em todas as categorias de base. A ideia é eleger um coordenador para cada função. Com isso, o trabalho será alinhado e seguirá a mesma filosofia desde o Sub-11 até o Sub-20.

"Uma coisa também que estou adotando é os profissionais da comissão técnica passarem tempo integral aqui (no Parque São Jorge), antes não passava. Eu estou elegendo um coordenador para cada função. Departamento médico já tem, departamento de análise de desempenho, captação, treinador de goleiro, preparação física e o coordenador técnico. Por quê? Vai adotar uma metodologia de trabalho no sub-20 que vai iniciar no sub-11. A ideia é alinhar, colocar no mesmo trilho desde o sub-11 até o sub-20, que é a última etapa. Vão estar debaixo do guarda-chuva dos coordenadores. E ele que vai ditar o ritmo, isso não acontecia. Já existia um coordenador geral, mas não para cada função de forma completa. Já existia do departamento médico, e na análise de desempenho sempre tinha um responsável, nos outros não tinham. A ideia é eleger um coordenador, até na hora de cobrar, em vez de sentar na mesa com 40 funcionários, você senta com cinco ou seis que são os responsáveis e você vai fazer reuniões periódicas, cobrar, ouvir sugestões e, o mais importante de tudo, alinhar os processos. Ter começo, meio e fim. Porque, caso contrário, o jogador vai chegar no sub-20 totalmente desalinhado e não vai ter culpa, vai ser vítima do processo", explicou o ex-goleiro.

Yamada também pretende fazer com que jogadores e técnicos não fiquem presos apenas em suas categorias. A ideia é realizar uma espécie de intercâmbio entre categorias diferentes. Alguns jogadores ficarão um tempo em categorias acima das deles. Assim como os técnicos, que passarão por pelo mesmo processo.

"No sub-15, a ideia é de dois a quatro atletas transitarem um período no sub-17 por dez, 15, 20 dias e então voltarem a sua categoria original. Quando eles voltarem, a categoria de cima devolve um relatório para a comissão técnica da categoria original e apontando principalmente os pontos negativos deste jogador. Aí vai ser feito um rodízio entre todos os jogadores da categoria. Quando este mesmo jogador retornar para a categoria de cima, o relatório vai ser tirado da gaveta e apresentado. Isso não havia. Aí é uma forma de avaliar a evolução do atleta e o trabalho da comissão técnica. É a forma mais justa de se cobrar do treinador da categoria de base", explicou Yamada, falando sobre os jogadores.

"Outro procedimento é os treinadores estarem transitando também em outras categorias. Por exemplo: Célio Silva (foi contratado em abril) é o técnico do sub-13, que treina à tarde. De manhã ele vai ser auxiliar de alguma outra categoria. O objetivo é a interação total dos profissionais, eles estarem sempre trocando informações e envolver também a categoria profissional. Já falei com o Alessandro (gerente de futebol) e o Fábio Carille. Eles entenderam e deram total liberdade", completou.

Ainda segundo o gerente, a ideia do rodízio foi inspirada em um congresso que o ex-goleiro participou na Inglaterra em 2015. O atual técnico do Manchester United, José Mourinho, realizou o mesmo procedimento quando estava no Chelsea.

"Nesse congresso que fui na Inglaterra em 2015 (chamado Leaders), quando estava no Chelsea, o profissional que nos apresentou as dependências do clube, em algum momento, disse que, quando o Mourinho foi o técnico, todas as terças ele descia e era auxiliar do sub-20. Era um gesto de humildade e de integração dos departamentos. Achei muito legal e apresentei essa ideia aqui também. Sabemos da demanda do profissional, mas dividi a ideia, e o Carille achou fantástico. O que aconteceu no Corinthians em outros períodos é que pareciam clubes distintos, não se falavam. E não é só no Corinthians não, em boa parte dos clubes do Brasil", explicou Yamada.

Por fim, o gerente de futebol revelou que no momento está sendo confeccionado um documento onde explicará a filosofia de jogo corinthiana - uma espécie de cartilha. Ela será implantada em todas as divisões de base para que haja melhor entrosamento.

"Estamos confeccionando um documento que vamos adotar os princípios de jogo que o Corinthians espera receber no profissional. O tipo de jogo que o Corinthians gosta e que culturalmente adota. Dois aspectos: características por posição e alguns princípios de jogo que vamos colocar desde o sub-11 até o sub-20. O Corinthians vai sempre propor o jogo, é difícil ver na retranca, pode acontecer dependendo do jogo. De um modo geral, o Corinthians propõe o jogo, vertical, jogo com saída no chão, não vai rifar a bola, dando chutão, caso contrário, a torcida vai se revoltar. O jogo apoiado, uma das características que mais teve sucesso e é moderno. Ultrapassagem, algo que gosto muito e estou sentindo falta, é algo difícil de ser marcado. São alguns princípios de jogo, vai ser um documento que será distribuído em todas as comissões técnicas, respeitando o garoto e o treinador, se ele quiser usar diferentes táticas. Mas o princípio, os pilares, ele vai ter que inserir no trabalho dele, e o processo é de cima para baixo. Os coordenadores vão cobrar isso. Estamos fazendo esse documento, e o objetivo é o jogador chegar no sub-20 prontinho para chegar ao profissional", finalizou Yamada.

Fernando Yamada foi campeão com o Corinthians em seu primeiro título mundial, em 2000. Antes de se tornar gerente geral das categorias de base do Timão, o ex-goleiro agenciava jogadores a serviço da empresa Think Ball & Sports Consulting. Yamada foi contratado no início deste mês de abril e vem tendo função em várias mudanças da base desde então. A mudança mais recente foi a contratação do ex-jogador Marcio Bittencourt como observador das categorias de base do Corinthians.

Veja mais em: Base do Corinthians.

Veja Mais:

  • Torcedor apaixonado pelo Corinthians, Senna é inspiração de novo uniforme

    Nova terceira camisa do Corinthians ganha data de lançamento

    ver detalhes
  • Prejudicado pela arbitragem, Timão empatou com Internacional na Arena Corinthians

    Confira a posição do Corinthians ao fim da 26ª rodada do Brasileirão-18

    ver detalhes
  • Jogadores ficarão concentrados no CT por dois dias

    Corinthians antecipa concentração no CT antes de semifinal contra o Flamengo

    ver detalhes
  • Desfalques por suspensão contra Internacional, Ralf treinou no CT do Corinthians

    Com reservas em ação, Corinthians dá início a preparação para decisão na Copa do Brasil

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes