Torcedora do Corinthians impedida pela PM de entrar no estádio faz desabafo nas redes sociais

Torcedora do Corinthians impedida pela PM de entrar no estádio faz desabafo nas redes sociais

Por Meu Timão

Torcedora postou foto do portão fechado da Arena Barueri

Torcedora postou foto do portão fechado da Arena Barueri

Foto: Reprodução/Facebook

A torcedora Mariana André Cordovani fez um desabafo em seu perfil no Facebook após ter sido barrada pela Polícia Militar na Arena Barueri na noite desta quinta-feira. A psicóloga foi acompanhada dos filhos e de uma amiga acompanhar a decisão do Brasileiro de futebol feminino, que acabou com derrota do Corinthians para o Santos, mas mas foi impedida de ver o jogo mesmo sendo entrada gratuita.

'Tinha pelo menos 100 pessoas querendo entrar no jogo. Mulheres, homens, crianças e um idoso cadeirante que foi bem maltratado, pois estava 'atrapalhando' a evasão dos torcedores, desabafou.

Maricota, como é chamada pelos amigos, foi questionada por um dos policiais sobre o motivo de não ter chegado antes. A torcedora, então, respondeu que devido ao horário do início do jogo (18h), por motivos profissionais, precisou chegar já com a partida iniciada. Mesmo com a explicação, segundo ela, não houve a liberação para ter acesso ao estádio, que recebeu poucos torcedores.

A reportagem do Meu Timão pediu à Federação Paulista de Futebol, responsável pela organização do jogo junto da CBF, e à Polícia Militar, responsável pela segurança dos presentes, que se pronunciassem sobre o ocorrido. O pedido foi feito via assessoria de imprensa para ambas. Até a publicação dessa nota, porém, não houve qualquer resposta.

Veja abaixo o desabafo da torcedora alvinegra:

Mariana André Cordovani (Maricota), psicóloga:

'Sobre final do campeonato brasileiro feminino de futebol.

Estive hoje na arena Barueri com meus filhos e amiga. Mas chegamos ao final do 1º tempo.

Quando chegamos os portões estavam todos fechados. No primeiro deles o PM avisou que a entrada seria pelo portão 15. Fomos pra lá. Fechado também. Abriam para saída de torcedores e não deixavam ninguém entrar.

Questionei o PM o motivo e ele alegou que só abriria o portão quando começasse o segundo tempo. Esperamos.

Para nossa surpresa, quando teve início o segundo tempo, informaram que deveríamos ir embora porque ninguém mais entraria.

Perguntei novamente o motivo e disseram que isso era ordem da FPF e que constava do ESTATUTO DO TORCEDOR. Pedi que chamassem o ouvidor da FPF e soube que não havia ninguém da federação ali. Ou alguém que pelo menos estivesse disposto a conversar.

Tentamos negociar entrada por outro portão. A resposta foi a mesma.

Eu estava com duas crianças e não era a única ali fora. Tinha pelo menos 100 pessoas querendo entrar no jogo. Mulheres, homens, crianças e um idoso cadeirante que foi bem maltratado, pois estava 'atrapalhando' a evasão dos torcedores.

Depois de alguma confusão discutimos com a polícia porque essa alegação do estatuto do torcedor se deve ao fato de que o clube mandante do jogo tem obrigação de divulgar público e renda até os 35 minutos do segundo tempo. Por isso, após 70 minutos de jogo corrido, não deixam mais ninguém entrar nos estádios.

Fato é que, não tinha decorrido todo esse tempo e o jogo tinha entrada gratuita. Nem foi impresso nenhum tipo de ingresso ou voucher para entrada no jogo. O que impossibilita tal divulgação.

PM mais uma vez cumpriu seu papel. E diante dos nossos argumentos simplesmente fecharam o portão na nossa cara. Alguém deu um chute no portão e abriram perguntando quem foi, de forma ameaçadora. Mais uma vez tentei argumentar e ouvi de um PM. Os portões abriram as 16h. Se queria ver o jogo porque não veio antes?

Respondi: porque assim como o senhor, eu trabalho e tenho horários a cumprir. Fora o trânsito que peguei na castelo, pedágio, gasolina e tudo mais. Para chegar aqui e ter meu direito negado por falta de informação de vocês!

Ele então disse que deveríamos procurar nossos direitos. Ao que minha amiga respondeu: mas vcs deveriam defender nossos direitos, não?
Mais uma vez fecharam os portões na nossa cara!

As crianças começaram a ficar com medo e decidimos ir embora.

Concluo esse desabafo com uma tremenda decepção, a começar pelo horário do jogo! Um tremendo boicote a torcida e as meninas que se dedicam demais a essa modalidade pouquíssimo reconhecida no país do futebol!

E a maior decepção com a falta de bom senso e humanidade desses que são nossos 'protetores', que largaram crianças e idosos do lado de fora de um evento esportivo por pura ignorância e falta de conhecimento das regras.

E pra finalizar, não encontrei nada no estatuto do torcedor que determine a impossibilidade de entrar no estádio a qualquer momento do jogo. Se alguém tiver maior conhecimento sobre isso, agradeço se puder compartilhar para que tenhamos esse respaldo sempre que acontecer algo do tipo!

Infelizmente perdemos o título, mas tenho um grande orgulho dessas mulheres que chegaram onde estão no futebol!
Parabéns pra nossas meninas! Parabéns do fundo do coração!

Continuem a luta dentro dos campos, que continuaremos por vocês aqui do lado de fora, sempre!

Vai Corinthians!'

Veja mais em: Futebol feminino e Violência no futebol.

Veja Mais:

  • Timão conquistou Paulistão sobre a Ponte Preta; times voltam a se enfrentar logo na abertura de 2018

    Corinthians e Ponte Preta reeditam final na abertura do Paulistão 2018; veja a tabela

    ver detalhes
  • Os 10 momentos mais marcantes do Hepta

    VÍDEO: Os 10 momentos mais marcantes do Hepta

    ver detalhes
  • Alessandro Nunes e Roberto de Andrade são responsáveis por formar elenco de 2018

    Presidente do Corinthians estabelece número ideal de contratações para 2018 e promete time forte

    ver detalhes
  • Timão encara o arquirrival Palmeiras na ida da final da Copa do Brasil

    Com entrada gratuita, Arena Corinthians recebe decisão do Sub-17

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes