Oya nega rótulo de 'filho do dono' e revela motivação para ascender no Corinthians

Oya nega rótulo de 'filho do dono' e revela motivação para ascender no Corinthians

Por Meu Timão

Fabrício Oya é destaque do Sub-20 com apenas 18 anos de idade

Fabrício Oya é destaque do Sub-20 com apenas 18 anos de idade

Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Uma das principais promessas do Corinthians na atualidade, o meia Fabrício Oya teve de superar um rótulo para lá de incômodo para ascender nas categorias de base do clube. Como iniciou sua trajetória no mundo da bola em uma escolinha Chute Inicial cujo proprietário era seu pai, o jovem prodígio era mal visto por muitos: o chamado "filho do dono".

Leia também: Corinthians acerta contratação de dois jogadores do Atlético-GO para o Sub-20

Em entrevista concedida ao portal Goal.com e publicada nesta quarta-feira, Oya falou sobre a situação. Hoje com 18 anos de idade e destaque do Sub-20, o meia lembrou a época em que deu seus primeiros passos nos gramados e revelou ter usado justamente o preconceito alheio como inspiração para defender o Timão.

"Graças a Deus, meus pais puderam me dar uma condição boa. Acho que isso foi um dos motivos que levou até para o lado contrário. Muita gente questionava o motivo de eu estar jogando bola, diziam que eu deveria deixar essa oportunidade para outras pessoas ou até mesmo que estava no Corinthians por causa das escolinhas do meu pai", disse.

"No fim, acho que isso me serviu não como uma coisa ruim, mas como um incentivo, porque queria mostrar que eu merecia estar aqui e vestir a camisa 10. Acho que consegui provar isso e tenho muito mais ainda para dar e mostrar", completou.

Oya chegou ao Corinthians com apenas 12 anos de idade. Se destacando desde as divisões inferiores, ele foi titular da equipe Sub-20 na última edição da Copa São Paulo de Futebol Júnior, na qual o Timãozinho acabou campeão. Daquela equipe, Pedrinho foi promovido e hoje já é xodó da Fiel.

"Desde pequeno eu sempre brinquei de bola, até também por influência da família, que sempre está no meio e gosta de ver futebol. Comecei nas escolinhas Chute Inicial do Corinthians, em Campinas, que são do meu pai, e depois, vim fazer o teste aqui no Corinthians. Tentei duas vezes e na terceira consegui passar. Sou muito feliz aqui, agradeço a todos que fizeram parte da minha história aqui, que me ajudaram e seguem me ajudando a crescer cada vez mais no clube", lembrou.

Por fim, Oya almeja, é claro, um espacinho na equipe profissional comandada pelo técnico Fábio Carille. Ele sabe que para isso ainda terá de aguardar um pouco. Mas não parece ver problema nisso:

"Quem não queria estar aqui? Quem não queria vestir a camisa do Corinthians e entrar na Arena lotada com 40 mil torcedores gritando o seu nome? Acho que isso é um sonho para qualquer um e não só para mim, mas acho que fica ainda maior por ser corintiano e estar aqui há sete anos. O amor por esse clube é muito grande, então espero que daqui um tempo, quando eu estiver preparado, possa subir e deixar a minha história aqui também", finalizou.

Veja mais em: Base do Corinthians e Fabricio Oya.

Veja Mais:

  • Com a 9 corinthiana, Luizão foi artilheiro da Libertadores de 2000, com 15 gols

    Ao Meu Timão, Luizão fala da busca do Corinthians por centroavante: 'Se cavar, acha na Argentina'

    ver detalhes
  • Camacho (à dir.) ganhou oportunidade entre os titulares no treino desta sexta

    Carille esboça time titular com uma troca; chance de mudança no esquema existe

    ver detalhes
  • Emerson Sheik com a camisa do Corinthians em coletiva no CT

    Emerson Sheik é apresentado, diz entender desconfiança e promete dar resposta em campo

    ver detalhes
  • Sheik assinou contrato até o fim de junho

    Emerson Sheik fala sobre contrato de seis meses, aposentadoria e possível renovação com Corinthians

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes