Um Tite como você nunca viu: "Não há cagalhão no Corinthians"

Um Tite como você nunca viu: "Não há cagalhão no Corinthians"

Tite conversa com o auxiliar Cleber Xavier. Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Tite conversa com o auxiliar Cleber Xavier. Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Um Tite como você nunca viu. Sentimental. Com palavras duras e seguras. Confiante na conquista do Mundial de Clubes. Revelador. Estes foram alguns traços reparados pelo MARCA BRASIL nesta entrevista exclusiva com o técnico corintiano. Prestes a conquistar o 'título mais importante da carreira', o gaúcho, de 51 anos, abriu seu coração, em um bate-papo de mais de 30 minutos, e revelou que não aceitará, de jeito algum, perder o torneio disputado no Japão. Tudo isto por uma certeza: 'Não há cagalhão no Corinthians.'

Leia a entrevista com o técnico Tite:

MARCA BRASIL: Quando iniciou a carreira no Guarany, do Rio Grande do Sul, em 1990, imaginava chegar ao Mundial?

TITE: Não. Não imaginava nem ser técnico de futebol, quanto mais chegar ao Mundial (risos). Às vezes as pessoas colocam metas e objetivos na vida, mas nem sempre é assim. Vai encontrando atalhos. Um atalho aconteceu na minha vida: começar como técnico tão jovem, por ter parado de jogar precocemente (então jogador do Guarani, em 1989, Tite encerrou sua carreira com 27 anos, devido a uma série de lesões no joelho). Aos 28 já era técnico de futebol. As possibilidades foram me dando oportunidades e fui as agarrando.

MB: Aos 51 anos, imagina até aonde vai chegar profissionalmente? Tem muito a crescer?

T: Não sei aonde vou chegar. Só sei que eu devo estar no meio da minha carreira profissional. E no melhor momento dela. Conquistei isto tendo trabalhado, passado por diversas etapas, como treinar time de segunda divisão e de operários, além de clubes que não tinham orçamento. Tudo isso para te dizer, desta geração mais jovem de técnicos, que posso crescer aimais. E quando chegar mais lá na frente, eu te respondo até aonde eu irei...

MB: Por que considera-se diferente dos outros técnicos?

T: Não sei isso é ser diferente, mas sou um cara inquieto para evoluir.

MB: Você mostra muita segurança para falar sobre o Mundial. Por quê?

T: Pelo conhecimento do trabalho, do grupo e todo amadurecimento da equipe. Não sei se iremos ganhar o Mundial, mas tenho a certeza que vamos fazer um grande trabalho até o fim. Isso eu tenho certeza. Por isso, mostro essa minha segurança.

MB: Quem é seu verdadeiro conselheiro no trabalho e quem ouve antes de tomar uma decisão?

T: Não é uma pessoa. É a minha consciência. O meu senso de justiça. Fico no meu quarto pensando muito bem no que vou fazer. Eu escuto muito, mas ouço poucos. Seleciono muito o que vou deixar entrar na minha cabeça. Meu senso de justiça me orienta.

MB: Qual seu defeito?

T: Sou um cara inquieto com a derrota. Queria ser um pouco mais ameno. Ainda não aprendi a perder. E nem sei se quero isso.

MB: Por ser assim, não vai aceitar perder o Mundial?

T: Posso perder jogando de igual para igual. Isso é do jogo. Quero ficar focado para que a equipe apresente toda sua qualidade. Mas sei que mesmo assim posso perder, porque vamos enfrentar dificuldades. Mas se o time fizer menos do que pode, não vou aceitar de jeito nenhum! De jeito nenhum!

MB: Tem a real noção do que está prestes a fazer com a conquista do Mundial pelo Corinthians?

T: Se eu começar a dimensionar o que isso significa vou criar uma pressão grande e não vou conseguir trabalhar. Tenho uma noção, mas talvez não a real por estar focado no trabalho. Para você ter uma ideia, não consegui ainda ter a devida extensão da conquista da Libertadores, imagine então uma possível conquista do Mundial. Pedi para a minha esposa preparar um canto na minha casa, com os troféus e uma televisão, para que eu possa ver todos os jogos da Libertadores. Quero curtir, porque ainda não consegui.

MB: Curtir esse descanso com os vídeos da conquista da Libertadores e também os do Mundial será perfeito...

T: Seria perfeito. Beira ao paraíso. E ainda com um chimarrão pela manhã e depois uma 'caipirinha' seria maravilhoso (risos).

MB: Você é um cara muito compenetrado e sério no trabalho, mas o que te fez chorar este ano?

T: Sou um cara muito emotivo. O que me faz chorar é a desigualdade social. Fico emocionado ao ver crianças com câncer. Fico muito emocionado com o lado afetivo (pausa de oito segundos, com olhos marejados)...Meu falecido pai dizia que é preciso ter dignidade. O resto é a busca do amadurecimento.

MB: O que fará o Corinthians sentir temor do Chelsea?

T: Ninguém teme nada. Essa equipe pode perder, mas se inibir ou se acomodar nunca. Ela já foi queimada e pressionada. Nada vai nos amedrontar. Nem a qualidade técnica do outro lado, nem a pressão, o Japão, o frio ou qualquer outra coisa. Essa equipe tem coragem na cara!

MB: Será difícil o Chelsea tirar essa título do Corinthians?

T: Muito! Essa equipe tem uma marca muito forte. Ninguém é cagalhão, ninguém mija para trás, ou coloque da maneira como quiser. Não há cagalhão no Corinthians!

MB: Essa confiança é também por ter jogadores experientes no elenco, como Danilo, Emerson, Guerrero, Chicão...?

T: Sim. E sem ter soberba. Já estamos calejados com situações difíceis. E vamos enfrentar mais uma agora.

MB: No Mundial de 2005, o São Paulo jogou fechado contra o Liverpool e venceu por 1 a 0. Em 2006, o Internacional jogou por uma bola contra o Barcelona e foi campeão. No ano passado, o Santos foi com a filosofia de atacar o Barcelona e foi goleado por 4 a 0. Qual será a postura do Corinthians contra o Chelsea?

T: Vai jogar com a cara do Corinthians. Não vou mudar a característica da equipe. Não vou mudar o jeito de jogar. Falei a mesma coisa com relação ao jogo contra o Boca (Juniors-ARG), no La Bombonera, e tivemos muitas chances e fomos bem. Não vou tirar o DNA da equipe. É claro que a equipe vai marcar muito. Mas se eu mexer na configuração da equipe, sabe o que eu tiro dela? A confiança que conquistamos durante o ano inteiro.

MB: Consegue dimensionar o que significa o título do Mundial para você?

T: (16 segundos de pausa) Não consigo enxergar a satisfação sozinho. Como é bom ver o Messi e lembrar da sua humildade. Ele sempre fala: é bom vencer com a minha equipe. Quero seguir esse exemplo e ter a satisfação de vencer juntos. Essa sensação não tem preço.

MB: Dedicará o eventual título para quem?

T: Todo mundo e eu vamos pensar na família. É a base mais forte de todos.

MB: Por fim, passada a disputa do Mundial, tem como objetivo disputar a Copa do Mundo de 2014?

T: Meus planos estão no Corinthians para o ano que vem (tem contrato com o Corinthians até o fim de 2013).

MB: Mas seria um sonho disputar a Copa do Mundo mesmo que por outra seleção?

T: No meu país eu não gostar de dirigir outra seleção. Ficaria mal. O sentimento aflorou depois que você fez essa pergunta. Talvez se fosse em outro país poderia comandar, mas no Brasil não conseguiria. Transportei-me para o banco de reservas e imaginei disputar a Copa contra a torcida do meu país. Não tem como. Não conseguiria.

* A entrevista foi realizada antes do embarque do Corinthians para a disputa do Mundial. 

Fonte: Marca Brasil

Veja Mais:

  • Wladimir será o mais novo colunista do Meu Timão

    Herói de 77 será colunista do Meu Timão

    ver detalhes
  • Dudu revelou que jogadores do Palmeiras tinham conhecimento de confusão feita pelo árbitro no clássico

    Atacante palmeirense diz por que não avisou árbitro de erro em expulsão de Gabriel

    ver detalhes
  • Jadson treinou nesta quinta-feira e não será problema para final no Moisés Lucarelli

    Jadson volta, e Carille ensaia escalação do Corinthians para primeira decisão do Paulista

    ver detalhes
  • Fiel esgotou bilhetes colocados à venda no Fiel Torcedor

    Em menos de uma hora, torcida do Corinthians esgota ingressos para decisão do Paulista

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes