Entenda por que chegada da IBM anima Corinthians por naming rights da Arena

Entenda por que chegada da IBM anima Corinthians por naming rights da Arena

75 mil visualizações 234 comentários Comunicar erro

Executivos da IBM e dirigentes do Corinthians posam para foto ao término de evento

Executivos da IBM e dirigentes do Corinthians posam para foto ao término de evento

Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Não, torcedor: os naming rights da Arena Corinthians não foram e nem serão adquiridos pela IBM, empresa de tecnologia recém-chegada ao estádio. Mas há quem entenda que a parceria, a qual promete transformar a experiência dos torcedores frequentadores por meio de inteligência artificial, aumenta a possibilidade de o Timão enfim negociar os direitos de nome de sua casa.

Sediada nos Estados Unidos, a IBM oferece serviços de infraestrutura, hospedagem e consultoria para outras companhias. Ainda que ela venha aumentando seu investimento em marketing no Brasil – vide a estratégia de associar-se à marca do Corinthians –, comprar os naming rights da Arena, por ora, passa longe de suas metas.

É o que explica o diretor de marketing corinthiano, Luis Paulo Rosenberg. Questionado se havia alguma chance de a multinacional fechar a aquisição dos naming rights do estádio em Itaquera, o cartola lembrou que o foco do clube está em atrair outro tipo de empresas: as que lidam diretamente com o consumidor final.

O naming rights é basicamente algo para empresa que tenha contato direto com o consumidor. Pode ser uma empresa aérea, uma vendedora de TVs, uma loja de varejo, enfim, é mais por aí que você vai encontrar. Uma IBM é empresa que lida com empresas, não tem nenhum cabimento mercadológico a gente trabalhar essa ideia”, pontuou Luis Paulo durante o evento de apresentação do acordo, realizado na última sexta-feira, na própria Arena.

Por outro lado, à medida que o estádio seja transformado numa espécie de pólo tecnológico de São Paulo, receba novos serviços e ganhe cada vez mais projeção nos mercados nacional e internacional, cresce consideravelmente a expectativa de uma marca topar dar nome à Arena.

“O que nós precisamos: que tenha uma base tecnológica tão forte, tão diversificada, que permita que a função do marketing diminua. Nesse sentido, o naming rights fica muito mais alavancado com o dispor de uma tecnologia desse tipo”, sintetiza Rosenberg.

“É muito importante, é um outro padrão de experiência que você provê ao seu expectador e, consequentemente, a atratividade de uma marca de colocar seu nome nessa arena sobe”.

A Arena Corinthians foi inaugurada em maio de 2014, mas a busca por um patrocinador que aceite dar nome à mesma ao longo de 20 anos teve início muito antes. Por tratar-se de um modelo de negócio considerado novo no Brasil, o Timão encontrou diversos entraves e jamais esteve até mesmo próximo de concluir qualquer acordo.

O planejamento inicial era vender os NR por cerca de R$ 450 milhões, recebendo tal quantia nos 20 anos. Mas a alta cúpula alvinegra trabalha também com a hipótese de selar a concessão do nome da ainda Arena Corinthians e embolsar a quantia futura não por 20, mas dez anos.

Não é só naming rights: relembre as promessas jamais cumpridas por Andrés & cia.

Veja mais em: Arena Corinthians, Naming Rights, Luis Paulo Rosenberg e Ações de marketing.

Veja Mais:

  • Avelar comemorando o seu gol contra o Avenida, pela Copa do Brasil

    Gols importantes viram marca de Danilo Avelar no Corinthians

    ver detalhes
  • Romero durante treino do Corinthians. Jogador segue sem atuar pela equipe

    Rosenberg não vê solução para caso Romero no Corinthians, mas defende jogador

    ver detalhes
  • Gustavo comemora seu gol contra o Avenida durante a vitória pela Copa do Brasil

    Gustavo confirma renovação com o Corinthians até 2022

    ver detalhes
  • Torcida do Corinthians empurrou o Timão diante do Avenida em Itaquera

    'Achamos que iríamos silenciar o estádio. Mas foi o contrário', diz técnico do Avenida, sobre 2 a 0

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes