15 torcedores de Corinthians e Palmeiras são condenados por briga que gerou torcida única

2.0 mil visualizações 19 comentários Comunicar erro

Por Meu Timão

Briga generalizada entre corinthianos e palmeirenses destruiu metrô em abril de 2016

Briga generalizada entre corinthianos e palmeirenses destruiu metrô em abril de 2016

Reprodução/Twitter

Mais de três anos e meio após a briga generalizada que culminou na proibição de torcida visitante em clássicos paulistas, a Justiça de São Paulo condenou 15 torcedores de Corinthians e Palmeiras. Na prática, eles estão proibidos de frequentar estádios pelos próximos dois anos. A sentença foi publicada nesta segunda-feira e noticiada pelo jornal Folha de S.Paulo.

Dos 15 torcedores, três são corinthianos vinculados à Pavilhão Nove, sentenciados a um ano e seis meses de reclusão bem como a pagarem um salário mínimo em favor de entidade pública ou privada que realize trabalhos sociais.

Os outros 12 torcedores são palmeirenses da Mancha Alvi Verde, condenados a dois anos e quatro meses de reclusão.

Nenhum dos 15 sentenciados, porém, será preso. O juiz Ulisses Augusto Pascolati Júnior, responsável pelo processo, decidiu pelo cumprimento das penas em regime aberto.

Há também proibição de frequentar estádios de futebol em dias de jogos de seus times pelos próximos dois anos. Para o cumprimento desta pena, eles terão de se apresentar a uma unidade da Coordenadoria de Reintegração Social e Cidadania duas horas antes de as partidas começarem e por lá permanecerem até 15 minutos após o apito final.

A denúncia do Ministério Público que originou o processo enquadrou os corinthianos e palmeirenses nos seguintes crimes (previstos no Código Penal e no Estatuto do Torcedor):

  • ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem;
  • destruir ou inutilizar coisa alheia;
  • expor a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem;
  • promover tumulto, praticar ou incitar a violência;

O tumulto generalizado do qual participaram os 15 torcedores antecedeu um clássico entre Corinthians e Palmeiras, disputado no Pacaembu, em 3 de abril de 2016. Corinthianos e palmeirenses se agrediram na estação Brás do metrô, depredando vagões e causando tumulto.

Nesse mesmo dia, um outro confronto entre torcedores, na estação de trem São Miguel Paulista, vitimou fatalmente um idoso que aguardava no local e nada tinha a ver com as torcidas de Corinthians e Palmeiras. Ele foi atingido por um tiro de arma de fogo.

A série de confrontos registrada antes e depois daquele Dérbi originou a determinação da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo de torcida única em clássicos paulistas. Inclusive, Corinthians e Palmeiras jogam neste sábado, no Allianz Parque, com presença exclusiva de torcedores alviverdes.

Veja mais em: Dérbi, Violência no futebol, Torcidas organizadas e Torcida do Corinthians.

Veja Mais:

  • Corinthians ainda não sabe se disputa Libertadores ou Sul-Americana em 2020

    G4, 5, 6, 7 ou 8: entenda as três situações possíveis para o Corinthians no Brasileirão

    ver detalhes
  • Conversa ainda definirá perfil do elenco do Corinthians em 2020

    [Marco Bello] Conversa ainda definirá perfil do elenco do Corinthians para 2020

    ver detalhes
  • Meia é o principal jogador do Corinthians na temporada

    Importância de Pedrinho no Corinthians assusta: time ainda não venceu sem o meia no Brasileiro

    ver detalhes
  • Pela segunda rodada seguida, Timão vai jogar mais tarde do que o previsto

    CBF altera horário de próximo jogo do Corinthians no Brasileirão

    ver detalhes
  • Guilherme Mantuan e João Victor devem ser liberados nos próximos dias; Oeste e Inter de Limeira disputam a dupla

    Diretoria do Corinthians antecipa 2020 e dupla fica perto de ser emprestada

    ver detalhes
  • O Corinthians terá uma maratona contra times na parte de baixo da tabela do Brasileiro para fechar a sua temporada de 2019

    Corinthians fecha Brasileirão contra times na parte de baixo da tabela e três jogos fora de casa

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: