Sejamos justos: Loss teve grande noite na Arena

Andrew Sousa

23 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

Sejamos justos: Loss teve grande noite na Arena

Coluna do Andrew Sousa

Opinião de Andrew Sousa

4.0 mil visualizações 64 comentários Comunicar erro

Sejamos justos: Loss teve grande noite na Arena

Osmar Loss soube conduzir as trocar do Corinthians na partida

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Depois de uma semana de muita crítica, cobrança e, para variar, pitacos, Osmar Loss mandou um Corinthians bem perto do ideal - na visão da Fiel - a campo nesta quarta-feira. O plano, no entanto, logo se complicou com a lesão de Jonathas, ainda na primeira etapa. Nesse momento, o que poderia complicar a noite, só ajudou a coroar a grande partida do comandante alvinegro.

Ao contrário do que muitos queriam, Loss manteve Matheus Matias no banco e lançou o tão pedido Pedrinho. Com a entrada do jovem, Romero deu um passo para a esquerda e centralizou como um falso nove - a partir daí, a noite começou a ganhar as cores alvinegras.

Antes pouco criativo, o Timão viu Romero, muito participativo, fazer a bola rodar mais, trabalhando mais próximo de Jadson e caindo pelas pontas para fazer um dois. Em um desses lances, o paraguaio enxergou bem Danilo Avelar e como um "verdadeiro nove", afunilou para aproveitar o rebote: 1 a 0.

A noite do camisa 11 estava completamente iluminada. Dando sequências as boas jogadas, Romero aproveitou novo rebote para garantir a vitória alvinegra. E se a atuação de Loss até aí já era digna de elogios, foram ainda mais precisas as substituições do comandante para segurar a vantagem.

Aos 32 minutos, muitos imaginavam que ele fosse fechar a equipe com um volante. O comandante alvinegro, porém, foi melhor e colocou Mateus Vital no lugar do sumido Clayson. O resultado foi um Corinthians mais criativo nos contra-ataques e, ao mesmo tempo, mais paciente - com o meia segurando mais a bola do que o atacante que recém voltou de lesão.

Dez minutos depois, foi a vez de utilizar a última troca com sabedoria: cansado, Jadson deixou o campo para a entrada de Paulo Roberto, que entrou também para reter a posse e, claro, reforçar a marcação.

Escalação bem perto do ideal, trocas precisas, Pedrinho utilizado e um coelho tirado da cartola. Se Loss teve de conviver com as críticas de sábado para cá, temos de dar o braço a torcer: ele merece paz e muitos elogios. Pelo menos até domingo...

Nem tudo são flores - Sim, elogiamos, mas temos de criticar. Embora bem escalado e com trocas felizes, faltou muita coisa ao Corinthians, mesmo com a vitória por 2 a 0. O time segue dando muito espaço atrás e a bola aérea precisa ser urgentemente trabalhada. Cássio não vai salvar sempre - nem Léo Santos e Danilo Avelar.

Veja mais em: Osmar Loss e Campeonato Brasileiro.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

23 anos, formado em Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?