Nove anos se passaram e o arrepio segue aqui

Andrew Sousa

21 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

ver detalhes

Nove anos se passaram e o arrepio segue aqui

Nove anos se passaram e o arrepio segue aqui

Um toque sútil há nove anos: arrepio completo até hoje

Foto: Reprodução/Twitter

Torcer para o Corinthians sempre foi, como a própria torcida diz, muito mais do que comemorar títulos. De tanto ouvir essa frase, já carregava essa paixão diferente desde pequeno. Buscava me apegar também a dribles, desarmes, defesas. Tudo tinha valor.

Um desses lances, no entanto, ultrapassou qualquer limite, tamanho significado. Há exatos nove anos, o Corinthians enfrentava o Santos na Vila Belmiro, pela primeira partida das finais do Campeonato Paulista de 2009. Em campo, um dos meus times preferidos entre todos que acompanhei com a camisa alvinegra. Afinal, tínhamos até Ronaldo Fenômeno! Naquele momento, no entanto, não tinha tanta noção disso.

Sim, fiquei extremamente feliz na apresentação do R9. Nem a desconfiança pelo peso me tirava da cabeça que um dos melhores e maiores jogadores da história jogaria pelo meu time. Tudo ainda parecia meio fantasioso. A ficha começou a cair em seu segundo jogo, quando entrou no segundo tempo e empatou o Dérbi contra o Palmeiras. Na comemoração, nem o alambrado aguentou. A dimensão do Fenômeno estava evidenciada.

Mas faltava algo mais, não sei explicar. Foi quando, naquele dia 26 de abril, Elias enfiou boa bola para nosso camisa 9. Um toque de letra, marcador deixado para trás. E outro toque, dessa vez mais sutil, encobrindo caprichosamente Fábio Costa. "Demais, demais, golaço, aço, golaço, é gênio!". Luciano do Valle, em uma das mais emblemáticas narrações que já vi, resumiu de forma brilhante aquele tento. Mas nem assim conseguiu definir o que tinha acabado de ver.

Na hora que a bola cruzou a linha, me arrepiei. Foi ali que eu senti que tínhamos, de fato, Ronaldo Fenômeno. Não só sua imagem, seus títulos, seu tamanho. O tínhamos por completo, também para decidir as partidas com a genialidade que me acostumei a ver na Seleção Brasileira.

Já são nove anos. O atacante se aposentou (assim como outros nomes daquele time), o Timão já venceu o Paulistão outras três vezes e Luciano do Valle, infelizmente, nos deixou. O arrepio daquele dia, no entanto, segue aqui. É dos poucos momentos que eu posso rever todos os dias, que vou me sentir lá, naquele ano de 2009, com uma camisa roxa e a cara de quem não acreditava no que estava vendo. Era Ronaldo. Era o Fenômeno. Mas, no fim, era o Corinthians.

O tento não valeu título - diretamente, mas foi essencial. E nem precisava. O que vi há nove anos foi maior do que muito troféu. Obrigado, R9!

E você, lembra de onde estava neste gol? Ainda se arrepia ao vê-lo? Acho que sei a resposta...

Veja mais em: Ex-jogadores do Corinthians e História do Corinthians.

Coluna do Andrew Sousa

Por Andrew Sousa

21 anos, acadêmico de Jornalismo na Univali e fiel desde o primeiro de seus dias.

O que você achou do post do Andrew Sousa?

  • 1000 caracteres restantes