Assumir um erro é o primeiro e principal passo para mudar... mas não deu tempo

Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

ver detalhes

Assumir um erro é o primeiro e principal passo para mudar... mas não deu tempo

Coluna da Julia Raya

Opinião de Julia Raya

4.9 mil visualizações 37 comentários Comunicar erro

Assumir um erro é o primeiro e principal passo para mudar... mas não deu tempo

Tiago Nunes teve dificuldades de organizar o Corinthians dentro de campo. Mas também não conseguiu organizar a si mesmo

Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Há alguns jogos tenho pensado nisso, mas posterguei a coluna para falar sobre. Com as entrevistas (e agora a demissão) de Tiago Nunes, acho que isso fica ainda mais evidente.

Assumir um erro é o primeiro e o principal passo para mudar. Mas Tiago Nunes não conseguiu fazer isso.

Acompanhei muitas das entrevistas coletivas do Tiago Nunes e as últimas principalmente me chamaram atenção pela atitude do técnico. Eu sei que é difícil um treinador que admita as dificuldades de jogar do seu time logo após uma atuação ruim. Mas a postura de Tiago ia além de não admitir.

Percebi muitas vezes o treinador com respostas secas e até patadas em algumas ocasiões. Obviamente ele não é obrigado a concordar com os jornalistas, mas o modo como ele conduzia suas respostas nas coletivas não era agradável. Era como se todos ali estivessem errados, e o único certo fosse ele. Como se o trabalho ruim não fosse digno de críticas apenas porque ele "estava trabalhando para mudar uma filosofia que há anos fazia parte do clube, com um grupo que também está no clube há tempos" - como ele mesmo dizia.

Tiago, por mais de uma vez, justificou as atuações ruins do elenco com a falta de um ponta esquerda. E isso realmente aconteceu muitas vezes, uma análise rápida dos jogos seria capaz de dizer isso. Mas Tiago sabia que não tinha essa peça e insistiu no esquema tático. Por que, então, não tentar outros modelos de jogo? Ele não dava o braço a torcer, e colocava a responsabilidade de atuações ruins em uma peça que não existia no elenco.

O treinador dificilmente assumia nem que fosse uma parcela da culpa do insucesso corinthiano em alguns jogos.

E nesse quesito, Tiago parecia um pouco com Carille. Como naquele episódio em que o então técnico condicionou a derrota corinthiana diante do Independiente del Valle, pela Sul-Americana, a um "elenco jovem".

Fato é que Tiago Nunes teve dificuldades de organizar o Corinthians dentro de campo. Mas também não conseguiu organizar a si mesmo. Talvez tenha faltado um pouco de humildade por parte do treinador em sua passagem pelo Timão para reconhecer seus erros.

Veja mais em: Tiago Nunes e Técnicos do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna da Julia Raya

Por Julia Raya

Estagiária do Meu Timão e estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo-SP. Tem 17 anos e é corinthiana há 18. Sempre viveu com o Corinthians e agora trabalha com ele também.

O que você achou do post da Julia Raya?