Mauro Boselli virou Mario Balotelli num dia muito louco no Parque São Jorge

Lucas Faraldo

Escrevendo sobre o Corinthians desde 2014

ver detalhes

Mauro Boselli virou Mario Balotelli num dia muito louco no Parque São Jorge

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Opinião de Lucas Faraldo

42 mil visualizações 132 comentários Comunicar erro

Mauro Boselli virou Mario Balotelli num dia muito louco no Parque São Jorge

Boselli ou Balotelli? Acharam que o Corinthians estava atrás de um; mas estava atrás era do outro

Foto: Divulgação

Vou resenhar neste domingão pra quem tiver a fim de ler uma resenha.

Era um sábado de sol do último mês de dezembro. Parte da equipe do Meu Timão estava reunida numa casa em Ubatuba, no litoral de São Paulo, numa viagem de confraternização de fim de ano. Passamos algumas horas na praia. Uma cervejinha antes de sair da casa, outra no caminho, outra na praia... Caipirinhas (muito boas) feitas por Vinicius, meu parceiro de Saudações Corinthianas, e Victor, um dos monstros por trás das nossas redes sociais. Também uma saquerinha que surgiu no nosso guarda-sol. Enfim, já deu pra perceber que sobriedade não era o foco ali. E menos ainda a uns 200 km de lá, no Parque São Jorge.

Rolava naquela mesma tarde um churrasco de confraternização entre sócios do Corinthians na sede social do clube. Andrés Sanchez & cia. comandavam a festa. Muito que bem.

Instantes antes de lambuzar minhas mãos com um suculento x-burguer do quiosque da praia, eis que toca meu celular. Era um parceiro louco pelo Corinthians. Atendi. Ele estava no Parque São Jorge e, da cabine de um banheiro, havia ouvido conselheiros conversando sobre a bomba que Andrés Sanchez acabara de soltar numa das rodinhas do churrasco: a diretoria estava tentando contratar Mario Balotelli para reforçar o Timão em 2019.

Desliguei. Sem nem mais me lembrar do lanche (que até então importava muito pra mim, deixemos isso claro), fiquei estático, lembrando que o atacante italiano havia sido citado como sonho de Luis Paulo Rosenberg meses antes. "Rapaz, de sunga, na praia, não muito sóbrio... E posso ter descoberto a contratação da década do Corinthians!", pensei.

Nas circunstâncias dadas acima (jornalismo é um negócio muito doido, saibam caso não saibam), tentei contatar as pessoas que poderiam confirmar ou negar a tal informação. Elas estavam todas no churrasco do Parque São Jorge, também não muito sóbrias e obviamente não atentas aos celulares. Somente mais tarde, naquele mesmo dia, conseguiria o juramento de pés juntos de uma pessoa influente no clube: salvo se o Papai Noel estivesse planejando jogar Balotelli do trenó na passagem pela Zona Leste de São Paulo no fim daquele mês, era furada. O craque italiano não seria reforço do Corinthians pra 2019. Uma pena.

Poucos dias depois, começaram a pipocar as notícias sobre a negociação do Corinthians com Mauro Boselli. Não demorou para a Sarah, produtora aqui do Meu Timão, inventar um poeminha com rima zoando Diego Tardelli. Achei o máximo e comecei a recitar. Boselli, Tardelli, Boselli, Tardelli... Sabe quem também rima? Balotelli. OOOOPA!

Puxei papo com o tal amigo que havia escutado no banheiro do Parque São Jorge sobre Balotelli. Ele de imediato foi tirar a limpo com os conselheiros. E bingo! Naquele churrasco no Parque São Jorge havia vazado o nome de Mauro Boselli – e, em algum momento desse enorme telefone sem fio nem sobriedade, ele se tornou Mario Balotelli.

Das histórias que o Corinthians, o Meu Timão, bons amigos e uns drinks nos proporcionam.

Veja mais em: Mauro Boselli, Mercado da bola e Parque São Jorge.

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Por Lucas Faraldo Knopf

Jornalista pela ECA-USP e ex-Esporte Interativo, Jovem Pan e Lance!. Hoje trabalha no Meu Timão. Autor do livro 'Impedimento - Machismo, racismo, homofobia e elitização como opressões no futebol'.

O que você achou do post do Lucas Faraldo?