Walter, dois goleiros do São Paulo e três atitudes: as coisas como são

Lucas Faraldo

Escrevendo sobre o Corinthians desde 2014

ver detalhes

Walter, dois goleiros do São Paulo e três atitudes: as coisas como são

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Opinião de Lucas Faraldo

29 mil visualizações 170 comentários Comunicar erro

Walter, dois goleiros do São Paulo e três atitudes: as coisas como são

Walter foi apresentado como jogador do Corinthians em 21 de maio de 2013

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

É diferente. A atitude de Walter, do Corinthians, é diferente.

"É diferente de quê, meu filho?" Perguntam os leitores que aqui estão nesta coluna.

É diferente de quase tudo o que você vê no dia a dia do futebol. E dois episódios recentes envolvendo goleiros com ligação com o São Paulo evidenciam isso ao serem contrastados com o que se desenha nos bastidores do Corinthians entre Walter e a diretoria alvinegra.

Walter e Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol do Corinthians, tiveram uma "conversa de amigos" semana passada na qual ficou acordado que o goleiro não teria o contrato renovado com o Timão. O vínculo, datado de 2013 e estendido em 2016, expira no fim de 2019. Publicamente, o clube libera o atleta para ser titular em outra equipe; internamente, se livra de um salário considerado alto para um jogador que, por força do destino, é reserva há anos.

Walter, cabe destacar, jamais reclamou publicamente ou mostrou qualquer insatisfação com relação à tal condição de reserva de Cássio ao longo das agora sete temporadas no clube.

Pois bem.

O goleiro são-paulino Jean, também na semana passada, entrou em atrito com o técnico interino Vagner Mancini, fez textão nas redes sociais, rachou a torcida e agravou ainda mais a situação já pra lá de alarmante no rival do Morumbi. De acordo com amigos que trabalham no dia a a dia do São Paulo, o motivo foi a insatisfação com a condição de reserva.

Jean está no São Paulo há um ano e três meses.

No último domingo, foi a vez do ex-são-paulino Sidão, hoje no Goiás, se pronunciar, também sobre o São Paulo. E não poderia ter sido pior... "Quando saí do São Paulo fiquei com um pouco de receio ao vir para o Goiás, porque a gente sonha em jogar em clube de grande expressão. Não que o Goiás não seja, mas a gente sabe que sair do São Paulo e ir para o Goiás é uma descida. Com todo respeito ao Goiás e que isso fique claro", disse após uma vitória de sua atual equipe no Estadual, obviamente enfurecendo os torcedores esmeraldinos.

Sidão está no Goiás há três meses. Ficou no São Paulo por dois anos.

Olha como as coisas são. Há um ano, quando já tinha em seu elenco Jean e Sidão, o São Paulo tentou e por muito pouco não conseguiu a contratação de Walter. O goleiro do Timão, portanto, quase se tornou colega de elenco (e posição) justamente dos citados Jean e Sidão.

Francamente, melhor para Walter que não tenha acontecido. Pior para Jean e Sidão: teriam a oportunidade de aprender com uma espécie cada vez mais rara de atleta (e ser humano). Uma espécie que não coloca seus anseios – sejam pessoais, profissionais ou ambos – acima do respeito. Respeito por amigo, por colega de profissão, por clube e por torcedor.

Quanto a Walter... Brilhe! De preferência numa equipe que não enfrente o Corinthians rs. E saiba que a relação de respeito construída por você para com a Fiel será sempre recíproca.

Azar dos muitos que não são diferentes como você.

Veja mais em: Walter, Duílio Monteiro Alves e Mercado da bola.

Coluna do Lucas Faraldo Knopf

Por Lucas Faraldo Knopf

Jornalista pela ECA-USP e ex-Esporte Interativo, Jovem Pan e Lance!. Hoje trabalha no Meu Timão. Autor do livro 'Impedimento - Machismo, racismo, homofobia e elitização como opressões no futebol'.

O que você achou do post do Lucas Faraldo?