Mais que a vitória, um time

Marco Bello

Setorista do Corinthians desde 2009 pela Rádio Transamérica, Marco Bello acompanha o dia a dia do clube

ver detalhes

Mais que a vitória, um time

Coluna do Marco Bello

Opinião de Marco Bello

10 mil visualizações 60 comentários Comunicar erro

Mais que a vitória, um time

Júnior Urso foi um dos destaques da vitória sobre o rival

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

A vitória deste domingo contra o São Paulo mostrou um time do Corinthians mais eficiente e um pouco menos estabanado.

O resultado foi positivo, claro, mas há que se enxergar além do placar.

A partida poderia muito bem ter terminada empatada em 1 a 1, ou 2 a 2. Não é esta a questão aqui.

Houve sim uma melhora na equipe, e principalmente um aumento no leque de opções do treinador.

Clayson e Pedrinho fizeram o que deles se esperava. Aprofundamento nas jogadas, desafogo nas laterais do campo.

Júnior Urso, apesar de ainda visivelmente sem ritmo de jogo (não atuava há três meses), foi o melhor em campo.

Deu velocidade à saída de jogo e ainda se arriscou no ataque.

Quatro jogadores do Corinthians são intocáveis neste momento: Os veteranos Cássio, Fagner e Ralf, que estão (pra variar) jogando muita bola, e o jogador mais importante de 2019 até agora, Gustagol.

As outras vagas estão abertas. Sornoza foi bem na posição de Jadson, mas ainda parece fora do ritmo que o técnico pede à equipe.

Manoel e Henrique, assim como Avelar, estão ganhando confiança, e podem reverter a imagem negativa deste começo de ano. Ainda assim, sou a favor de uma mudança na zaga. Merecimento: Marllon hoje merece pelo menos uma chance.

Ramiro ainda vai achar uma posição, e deve ser titular, é muito bom jogador, mas a função de segundo volante o limita bastante.

Vagner Love, na zona mista, deixou claro que jogar como meia-direita não é a dele:

“Eu sei que consigo fazer aquela função, mas joguei poucas vezes ali, gosto de jogar mais próximo de um centroavante e da área, porque isso me dá condições de chegar na frente, não volto para marcar lateral e tenho mais chances de finalizar a gol”, disse o camisa 9.

Love poderia atuar em uma formação diferente, um 4-4-2. Não é o que Carille parece querer para a equipe hoje. Então o jogador seria um (ótimo) reserva.

Alguns jogadores do time ainda precisam de mais confiança. Nada que mais uma vitória em clássicos não ajude a criar.

Veja mais em: Majestoso e Elenco do Corinthians.

Coluna do Marco Bello

Por Marco Bello

Marco Bello é jornalista, apresentador e repórter da Rede Transamérica de Rádio, setorista do Corinthians desde 2009

O que você achou do post do Marco Bello?