Juninho Capixaba, Tréllez e outros reforços do Corinthians

Marco Bello

Setorista do Corinthians desde 2009 pela Rádio Transamérica, Marco Bello acompanha o dia a dia do clube

ver detalhes

Juninho Capixaba, Tréllez e outros reforços do Corinthians

Coluna do Marco Bello

Opinião de Marco Bello

54 mil visualizações 235 comentários Comunicar erro

Juninho Capixaba, Tréllez e outros reforços do Corinthians

Juninho Capixaba deve ser o lateral do Timão em 2018

Foto: Divulgação / Bahia

Além do volante Renê Junior, o Corinthians está próximo de anunciar mais duas contratações para a temporada 2018.

Não é novidade que o clube está negociando com o lateral-esquerdo Juninho Capixaba, do Bahia, e com o atacante Santiago Tréllez, do Vitória.

Mas qual a dificuldade destes negócios? Por que tanta demora?

Porque um negócio depende de outro, e porque os dois dependem de um terceiro: Gustavo Scarpa.

A explicação é simples. O Corinthians tenta envolver jogadores nestes três negócios. E os jogadores que forem envolvidos em uma transação não podem obviamente serem envolvidos na outra.

Moisés, Giovanni Augusto, Jean, Lucca, Mendoza, Marlone. Estes são os principais jogadores que não serão utilizados pelo Corinthians na temporada e que estão sendo colocados à disposição. Há o caso do goleiro Douglas, que foi solicitado pela comissão técnica do Timão para fazer parte do grupo em 2018, mas que é visto como prioridade pelo Bahia na troca por Capixaba.

Há outros jogadores também com menos valor de mercado, como o goleiro Matheus Vidotto, o lateral Léo Príncipe e os atacantes Luidy e Bruno Paulo.

A quem dar prioridade? Se dois clubes pedirem o mesmo jogador, o que fazer?

O “pacote” do Fluminense é mais valioso. Giovanni Augusto, Lucca e Léo Príncipe. No pacote do Bahia estão Douglas, Moisés e Marlone. Para o Vitória, “sobrariam” jogadores menos renomados, como Mendoza e Luidy.

Se o Corinthians conseguir incluir Mendoza na negociação com o Bahia ao invés de Marlone, “valorizaria” o pacote do Vitória. E assim por diante.

Isso sem falar no convencimento dos atletas. Nas garantias financeiras. No pagamento dos salários. Nas comissões de empresários.

Enfim, o que parece simples, não é. E algumas negociações podem ficar apenas para o ano que vem.

Veja mais em: Mercado da bola.

Coluna do Marco Bello

Por Marco Bello

Marco Bello é jornalista, apresentador e repórter da Rede Transamérica de Rádio, setorista do Corinthians desde 2009

O que você achou do post do Marco Bello?