O que está errado no Corinthians

Marco Bello

Setorista do Corinthians desde 2009 pela Rádio Transamérica, Marco Bello acompanha o dia a dia do clube

ver detalhes

O que está errado no Corinthians

O que está errado no Corinthians

Fabio Carille observa treino do Corinthians no CT

Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians

Já dizia o poeta, futebol é resultado.

Se o time ganha, está tudo certo. Se perde, tudo errado.

Assim sendo, caso o Corinthians passe pelo Bragantino na quinta-feira, tudo que tiver acontecido do início do ano para cá terá sido perfeito. Até a próxima rodada.

Mas me cabe no papel de jornalista averiguar, debater e opinar sobre o que está errado até agora.

Vamos começar pelo início, outra frase do poeta. O time para 2018 foi montado pela antiga diretoria.

Jogadores como Renê Júnior e Júnior Dutra foram contratados ainda na gestão Roberto de Andrade.

Andrés, que venceu a eleição em fevereiro, pensa em contratar atletas em outro nível, com outro tipo de visão estratégica. Jogadores mais caros e com maior visibilidade no futebol brasileiro.

São dois tipos de visão completamente diferentes, que ajudaram (ou atrapalharam) a montar o elenco do Corinthians neste ano.

No meio de tudo isso, Fábio Carille ficou sem a peça principal no seu esquema de jogo. O atacante Jô foi vendido ainda no ano passado ao futebol japonês e até hoje o Corinthians não contratou um só atleta para repor a função.

O técnico não tem falado abertamente, mas tem deixado claro em suas respostas que não está contente com o fato.

Carille disse mais de uma vez que teve que adaptar o esquema aos jogadores que tem à disposição.

Na lateral-esquerda, Guilherme Arana foi vendido ainda no ano passado. Juninho Capixaba, que foi a maior contratação para este ano, no valor de R$ 6 milhões, não está sendo nem relacionada pelo técnico para compor o banco de reservas.

Sidcley, contratado às pressas por empréstimo até o final do ano é o titular, mas a diretoria foi atrás de Zeca, mais um lateral-esquerdo, que seria o terceiro reforço para esta temporada, na mesma posição.

Na lateral-direita, o técnico corinthiano tem que improvisar um volante, garoto, como titular em uma partida eliminatória do campeonato estadual.

Não está fácil para o treinador. Os ânimos já não são mais os mesmos. Na última entrevista coletiva o técnico do Timão chegou a bater boca com um repórter que fez uma pergunta que o desagradou.

É claro que uma possível classificação às semifinais do Paulistão pode aliviar o stress.

Volto ao começo da coluna. No futebol, o resultado muda tudo. Mas apenas até a próxima rodada.

Veja mais em: Fábio Carille.

Coluna do Marco Bello

Por Marco Bello

Marco Bello é jornalista, apresentador e repórter da Rede Transamérica de Rádio, setorista do Corinthians desde 2009

O que você achou do post do Marco Bello?

  • 1000 caracteres restantes