Atualização das contas da Neo Química Arena: estádio se tornará autossustentável,

Rodrigo Vessoni

Formado pela FIAM, trabalhou na Rádio Transamérica e, por 12 anos, no LANCE!. Neste momento, também é repórter da Rádio 9 de Julho, SP (AM 1600). Participa ainda, quando chamado, de programas na TV.

ver detalhes

Atualização das contas da Neo Química Arena: estádio se tornará autossustentável, porém...

Coluna do Rodrigo Vessoni

Opinião de Rodrigo Vessoni

25 mil visualizações 209 comentários Comunicar erro

Atualização das contas da Neo Química Arena: estádio se tornará autossustentável, porém...

Neo Química Arena voltará a receber público apenas em 2021

Foto: Danilo Fernandes/ Meu Timão

Os números do novo acordo com a Caixa Econômica Federal, revelados pelo Globoesporte.com (ainda não oficializados), trazem uma boa e uma má notícia para a torcida do Corinthians em relação à Neo Química Arena.

A boa notícia é que, se confirmado o novo acordo, o estádio se tornará autossustentável, diferentemente do que acontecia quando o clube pagava parcelas maiores para o banco estatal e a conta nunca fechava.

A má notícia é que, diante da relação Receitas X Despesas, a sobra de dinheiro para utilização no futebol pode não ser nada substancial caso seja realmente necessário quitar o valor máximo acordado (R$ 38 milhões por ano). Se o valor for menor, aí sim, sobraria mais.

Abaixo, a média do que foi recebido e gasto pela administração do fundo que administra a Neo Química Arena nos últimos seis anos (2014 a 2019). Essa relação ficará a seguinte:

Receitas anuais (valores líquidos)

Bilheteria - R$ 40 milhões
Propriedades, acordos comerciais, parcerias e eventos - R$ 15 milhões
Naming rights - R$ 15 milhões
TOTAL - R$ 70 milhões

Despesas anuais

Caixa Econômica Federal - R$ 38 milhões (parcela máxima acordada entre as partes)
Manutenção** - R$ 28 milhões
TOTAL - R$ 66 milhões

**seguro, folha de pagamento, taxas ligadas ao fundo, impostos, consertos em geral, energia elétrica, limpeza, gramado, equipes de segurança, jurídico, etc)

Ou seja, quase um zero a zero. Para quem nunca fechava a conta, uma ótima notícia. Para quem achava que sobraria dinheiro para grandes investimentos na equipe, uma má notícia (diante do cenário que será necessário pagar o valor anual máximo).

Em tempo: a primeira parcela anual do banco estatal será quitada apenas em 2022. Ou seja, o Corinthians poderá fazer um caixa durante o ano de 2021.

Um resumo de como ficou, no fim das contas, o pagamento da Arena

Veja mais em: Neo Química Arena e Diretoria do Corinthians.

Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete, necessariamente, a opinião do Meu Timão.

Coluna do Rodrigo Vessoni

Por Rodrigo Vessoni

Formado pela FIAM, trabalhou na Rádio Transamérica e, por 12 anos, no LANCE!. Neste momento, também é repórter da Rádio 9 de Julho, SP (AM 1600). Participa ainda, quando chamado, de programas na TV.

O que você achou do post do Rodrigo Vessoni?