1 mês grátis na Dazn
Corinthians x Fluminense

Pela Copa Sul-Americana, o Corinthians enfrenta agora o Fluminense

Acompanhe ao vivo
Se pensarmos bem, 2018 até que foi um ano bom

Victor Farinelli

Victor Farinelli é um jornalista brasileiro e corinthiano residente no Chile, colabora como correspondente de meios brasileiros como Opera Mundi, Carta Capital, Revista Fórum e Carta Maior.

ver detalhes

Se pensamos bem, 2018 até que foi um ano bom

Coluna do Victor Farinelli

Opinião de Victor Farinelli

3.5 mil visualizações 38 comentários Comunicar erro

Se pensamos bem, 2018 até que foi um ano bom

Corinthians goleou o Rio Preto na final do Brasileiro feminino, na Fazendinha

Foto: Bruno Teixeira/Ag. Corinthians

Nestes últimos dias de ano velho é meio inevitável fazer aquela tradicional retrospectiva de tudo: da vida profissional, da vida eleitoral (incluindo as brigas por política com a família, amigos e desconhecidos), da vida amorosa e até das paixões não carnais, como a da Fiel Torcida Corinthiana pelo Coringão.

Claro que vou me enfocar só neste último quesito, já que com quem transamos, em quem votamos e que empregos perdemos ou ganhamos é problema pessoal de cada um, mas o Corinthians é problema nosso, de todos os 30 milhões de loucos do bando.

Entendo o alívio dos últimos meses, com um time que flertou perigosamente com a possibilidade de rebaixamento, levam à sensação de que a temporada foi quase um desastre, cujo saldo foi somente o alívio de terminar da forma menos ruim possível. Porém, se fizermos uma análise do ano todo, incluindo não somente o futebol masculino, veremos que 2018 foi até mais do que “nem tão ruim assim”, e eu diria até que foi um ano bom – mas paro por aí, dizer que foi ótimo já seria golpe.

Foi bom até mesmo para o futebol, e se começássemos pelo futebol feminino poderíamos dizer que foi excelente. No primeiro ano do projeto solo, já sem a parceria com o Audax de Osasco, a equipe disputou três competições e conquistou duas, sendo uma delas a mais importante: o Brasileirão feminino, que vencemos pela primeira vez. Não ganhamos o Paulista, mas ao menos chegamos na final. Resultados que não deixam dúvidas de que o Corinthians tem hoje o melhor time feminino do Brasil, e que o trabalho pode se fortalecer ainda mais nos próximos anos, talvez com mais triunfos a nível internacional.

No futebol masculino, o Coringão também foi, indiscutivelmente, um dos times mais competitivos do Brasil, mas somente enquanto o projeto seguiu na mesma toada do feminino, de manter o trabalho que estava dando certo. Ganhamos o bi do Paulistão na casa do maior rival, que até hoje não sabe lidar com essa derrota, faturamos o Grand Slam Paulista e estávamos indo muito bem no Brasileirão e na Libertadores.

A partir de maio, os fatores extra campo começaram a estragar os nossos sonhos. A saída de Fábio Carille e o desmanche de junho/julho foram despedaçando as nossas chances de título. Ainda assim, com um time remendado e com treinadores que não souberam montar um novo esquema com o que sobrou do elenco, conseguimos a proeza de chegar à final da Copa do Brasil, e se não fosse um erro da arbitragem (com árbitro de vídeo e tudo) talvez até teríamos vencido.

Depois veio a agonia das últimas rodadas, embora eu pessoalmente ache que nunca houve um risco realmente preocupante de rebaixamento. Chegamos perto da zona perigosa, mas nunca entramos nela. No fim das contas, o time soube ganhar os pontos que tinha que ganhar para se manter no meio da tabela, e até mesmo garantir uma vaguinha na Copa Sul-Americana. No fim das contas, o sabor mais amargo é o de pensar que com os jogadores e o técnico que perdemos, este ano talvez terminasse com a mesma felicidade de 2017, ou a de 2012, quem sabe.

Se saímos do gramado vamos para o salão, nos encontramos novamente com um ano magnífico, com títulos da Copa do Brasil e da Liga Paulista, e provamos novamente estamos entre as equipes mais fortes do país neste esporte.

Ainda na quadra, mas em outros esportes, o basquete masculino corinthiano conseguiu, em junho, o título da Liga Ouro após uma vitória épica na final contra o São José: no terceiro dos quatro jogos da chave decisiva, contra o São José, o Coringão precisou de quatro prorrogações para confirmar o triunfo por 122 a 115. Aquele título garantiu nosso acesso à Liga NBB, principal competição da modalidade no país. É verdade que a campanha na primeira divisão, na temporada iniciada no segundo semestre, tem sido meia-boca, natural para um clube que acaba de voltar ao basquete e ainda precisa aperfeiçoar o trabalho para alcançar o topo, mas o trabalho parece estar no caminho certo.

O mesmo acontece com o vôlei masculino, com o Corinthians- Guarulhos, montado no ano passado (que já é quase retrasado), conseguindo uma rápida ascensão à Superliga. Atualmente, o time está na mesma fase de aperfeiçoamento vivida pelo basquete, buscando um nível à altura dos rivais mais fortes, cujos trabalhos são mais longevos e consolidados.

Esportivamente, este 2018 para o Corinthians até que foi muito bom. Os grandes desastres alvinegros no ano estiveram fora dos campos. Me refiro aos bastidores, aos números negativos dos balanços financeiros, a mais frustração acumulada na busca por patrocinadores, a mais um desmanche do elenco em meio a competições que poderíamos ter vencido se isso não acontecesse, à daninha atuação dos empresários do futebol dentro do clube, às eleições onde participam cada vez menos gente, onde não há uma democracia mais ampla e representativa do sentimento da torcida, o que deveria ser fundamental num clube com a história que nós temos de defesa dos valores democráticos até mesmo quando o país vivia em pleno regime ditatorial.

Não é um mero detalhe, pois esse pandemônio dirigencial, essa falta de saúde financeira, muitas vezes é o que falta para que as modalidades que não foram tão bem possam ter os recursos que permitem dar o salto de qualidade que levam às conquistas, seja com melhor estrutura, mais contratações ou maiores condições de manter e aprimorar o trabalho que já está sendo feito.

A importância dessas retrospectivas é apontar as lições que devem ficar para o ano novo. Nossos atletas, nos diferentes esportes, fizeram o melhor possível, e conseguiram várias conquistas. A torcida esteve sempre presente, e eu não poderia terminar este texto sem lembrar do apoio que deram aos nossos times, seja em Itaquera, no Parque São Jorge (cuja pintura e remodelação necessárisa para poder abrigar os jogos dos times feminino sub-20 contou com a ajuda de um mutirão realizado pelos torcedores) ou nos ginásios Wlamir Marques e da Ponte Grande (Guarulhos). Além da loucura que foram os treinos abertos, especialmente o da véspera da final do Paulistão, uma das belas demonstrações da paixão corinthiana, deixando claro que nossa torcida não tem igual no Brasil e no mundo, e sendo fator decisivo para que o time entrasse em campo com sangue nos olhos, para conquistar um título heroico e histórico.

Está claro quais foram os erros que o Corinthians cometeu, onde foram cometidos, e que as vitórias e títulos alcançados apesar deles são um indício de que, sem eles, podemos fazer coisas ainda mais grandiosas. Bom seria se os responsáveis por corrigir o rumo do barco também fossem conscientes disso. À Fiel, cabe a missão de cobrar desses comandantes mais e melhores esforços para que, dentro de um cenário de normalidade institucional e financeira, nossos esforçados atletas e nossa incomparável torcida sigam fazendo a diferença.

Veja mais em: Corinthians feminino.

Coluna do Victor Farinelli

Por Victor Farinelli

Victor Farinelli é um jornalista brasileiro e corinthiano residente no Chile, colabora como correspondente de meios brasileiros como Opera Mundi, Carta Capital, Revista Fórum e Carta Maior.

O que você achou do post do Victor Farinelli?