Sempre um drama

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Sempre um drama

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

2.4 mil visualizações 29 comentários Comunicar erro

Sempre um drama

Itaquera: tensão em mais um jogo difícil contra adversário na zona do rebaixamento

Foto: WFJr.

1) No futuro, ao se deparar com o resultado de 3 a 1, um pesquisador desatento da história mosqueteira imaginará que o Corinthians obteve fácil vitória sobre o Coritiba, nesta quarta-feira, em Itaquera.

2) Na verdade, o triunfo não veio sem enorme sofrimento. O time de Parque São Jorge anotou 1 a 0, com Jô, logo ao início da partida, levando os fiéis a acreditarem em um atropelo. Ledo engano.

3) Como ocorreu em vários outros jogos na Arena, o time de Fabio Carille lentamente se desmobilizou, entregando a cancha aos verdes curitibanos. A partir dos 20 minutos, a esquadra de Marcelo Oliveira passou a pressionar com perigo. Em oito minutos, Cassio salvou o Corinthians em três oportunidades, em duas pontadas de Henrique Almeida e outra de Cleber.

4) Naquele momento, a inoperância alvinegra fazia o limitado Henrique parecer um Robben, atuando com liberdade no vão entre a dupla de volantes e a linha defensiva. E foi ele quem decretou a igualdade no placar, após cobrança de escanteio.

5) O Corinthians ainda sofreu em lance perigoso de Tiago Real, já na segunda etapa. Novamente, brilhou a estrela de Cassio. A partir deste susto, porém, o Corinthians voltou a pressionar a saída de bola adversária e passou a trocar passes com mais rapidez na trama ofensiva.

6) O tempo passava, entretanto, e nada de gol. Novamente, drama contra um time da zona de rebaixamento. Parte da torcida já imaginava mais um amargo 1 a 1, resultado padrão na Arena em tempos recentes.

7) Maycon seguia pouco efetivo e sem a confiança que marcou sua performance no primeiro turno. Foi sacado. Em seu lugar, ingressou Clayson, aquele que a Fiel já identifica como talismã, o Tupãzinho versão 2017. O atacante fizera os gols que decretaram os empates, fora de casa, contra São Paulo e Cruzeiro.

8) E o atacante, que também é Henrique, de segundo nome, e que nasceu em Botucatu, como o ídolo Zé Maria, não decepcionou a Fiel. Estufou as redes adversárias aos 34 e 43 minutos, liberando o grito sufocado da massa corinthiana. Garantia-se, assim, a folga na liderança.

9) O triunfo, entretanto, não oculta problemas ainda sérios na equipe corinthiana. Pedro Henrique posicionou-se mal no gol de Henrique. Arana segue distante de sua melhor forma. Teve atuação apagada e abusou dos erros de passe, dois dos quais geraram perigosos contra-ataques para o Coxa. Maycon, mais uma vez, enrolou-se na saída de bola. Jadson, aparentemente mais empenhado, ainda está longe de brilhar.

10) Ao fim do jogo, em meio ao fog típico de Itaquera, a Fiel respirou aliviada. Clayson, em especial, ganhou vivos aplausos.

11) O Grêmio, derrotado em casa, alçou o Cruzeiro (com 28 jogos) à vice-liderança. O Santos ainda joga. O Corinthians deu mais um passo em direção ao hepta. Ainda falta, porém, bom trecho do caminho.

Veja mais em: Campeonato Brasileiro.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?