Quais números nos separam do hepta no Brasileirão?

Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

ver detalhes

Quais números nos separam do hepta no Brasileirão?

Coluna do Walter Falceta

Opinião de Walter Falceta

46 mil visualizações 89 comentários Comunicar erro

Quais números nos separam do hepta no Brasileirão?

Queda brusca de rendimento: mas Timão ainda é favorito

Foto: WFJr.

Você tem razão: o que vale é bola na rede. Estatísticas não conquistam campeonatos. Além de tudo, o futebol sempre nos apronta surpresas e resultados inesperados podem modificar radicalmente a tabela de classificação.

No entanto, todo torcedor faz contas e "torce" por números. Na noite de quinta-feira, por exemplo, os corinthianos vibraram com o gol único do Sport que decretou o empate na Ilha do Retiro e suprimiu dois pontos do Santos. A rodada poderia terminar com uma diferença de sete pontos entre os alvinegros. Manteve-se, no entanto, em nove.

Faltando apenas nove rodadas para o término do Brasileirão 2017, o que separa o Corinthians de seu sétimo título na competição?

Cabe examinar, primeiramente, as previsões dos canais especializados. O site Chance de Gol crava que a probabilidade de que o Timão levante o caneco é de 82,6%. O Infobola, do professor Tristão Garcia, arredonda o número: 83%.

Os quadros das duas centrais de cálculos são muito parecidos. Para os estatísticos, seis times ainda podem alimentar o sonho do título: Corinthians, Grêmio, Palmeiras, Santos, Cruzeiro e Flamengo, exatamente nesta ordem. Só mesmo uma intervenção milagrosa, porém, faria rubronegros e celestes atingirem o topo da tabela.

Como futebol é momento, no entanto, cabe avaliar o desempenho destas agremiações no segundo turno. No sexteto, o Corinthians tem o segundo pior aproveitamento (40%), um pouco adiante do Grêmio (36,6%). Cruzeiro e Palmeiras lideram. O time mineiro obteve 20 pontos nesta fase. Os alviverdes acumularam 18.

O que isso quer dizer? Nada. Ou tudo. Pode indicar uma tendência de aproveitamento de pontos nas nove derradeiras rodadas.

Quer um exemplo? Vamos supor que o Corinthians mantenha até o final a média de 40% de aproveitamento. Somaria mais 10,8 pontos. Arredondemos para 11. Somados aos 59 já conquistados, chegaria a 70. O Palmeiras, se mantiver sua média de 60%, faria mais 16,2 pontos. Arredondemos para 16. Somados aos seus atuais 50, atingiria 66.

Logicamente, a Matemática dos jogos é sempre mais complexa. Há confrontos diretos que, efetivamente, valem 6 pontos. Considere que Corinthians e Palmeiras vençam seus próximos dois compromissos e cheguem ao prélio de 5 de Novembro, em Itaquera, com respectivamente 65 e 56 pontos.

Uma vitória corinthiana ampliaria a vantagem mosqueteira para 12 pontos (68 a 56). Uma derrota, no entanto, faria com que despencasse para 6 pontos (65 a 59).

Outros fatores contam nessa busca pelos 27 pontos finais. O Palmeiras, por exemplo, enfrenta o Grêmio no próximo dia 22, apenas três dias antes que a esquadra gaúcha encare o Barcelona de Guayaquil pelas semifinais da Libertadores. Que não se espere, portanto, que o técnico Renato Portaluppi escale todos os seus titulares.

O mesmo Grêmio enfrenta, fora de casa, no dia 29, o Avaí, pouco antes da partida de volta contra os equatorianos. O Santos, como mandante, mede forças com o mesmo Grêmio na Rodada 36.

A título de curiosidade, a Dream Vision Comunicação realizou um detalhado estudo de probabilidades, avaliando cada um dos nove jogos dos seis candidatos ao título. Levou em consideração o fator casa e o desempenho de seus adversários até a rodada 29. Assim, ergueu seis "paredes da dificuldade" na reta final.

O caminho mais difícil é do Cruzeiro, justamente o time que, entre os seis favoritos, lidera em aproveitamento no segundo turno. Ergue-se diante do Timão a quarta maior parede. Serão cinco partidas fora de casa e quatro em Itaquera. A contenda mais fácil, segundo a análise, será contra o Avaí, na rodada 34. Os jogos contra Botafogo e Flamengo, no Rio, são considerados grandes desafios.

O Grêmio aparece como titular da tabela mais cômoda nesta fase. No entanto, a análise não levou em consideração a provável escalação de times mistos nas datas próximas de compromissos da Libertadores.

A dança dos números não para. E é provável que a próxima rodada já altere os prognósticos. Para além de todas as equações, sobra uma sentença chave: para sair bem na fita dos cálculos, é preciso jogar bola.

Veja mais em: Campeonato Brasileiro.

Coluna do Walter Falceta

Por Walter Falceta

Walter Falceta Jr. é paulistano, jornalista, neto de Michelle Antonio Falcetta, pintor e músico do Bom Retiro que aderiu ao Time do Povo em 1910. É membro do Núcleo de Estudos do Corinthians (NECO).

O que você achou do post do Walter Falceta?