As voltas do mundo em 40 anos

Wladimir

Atleta que mais vestiu a camisa do Corinthians e recordista de jogos consecutivos pelo clube, com 163 partidas disputadas sem interrupção.

ver detalhes

As voltas do mundo em 40 anos

Coluna do Wladimir Rodrigues dos Santos

Opinião de Wladimir

103 mil visualizações 128 comentários Comunicar erro

As voltas do mundo em 40 anos

Wladimir em 1979 (na direita, agachado), quando reeditou com alguns companheiros o embate de 1977

Foto: Divulgação / Corinthians

Primeiramente, gostaria de agradecer os gestores do portal Meu Timão pelo convite. É uma honra colaborar com um trabalho sério, que reflete o melhor do espírito corinthianista.

Quero também cumprimentar você, leitor, que compõe a mais incrível e apaixonada torcida de futebol do mundo. Você foi a razão do meu trabalho no futebol, desenvolvido, sobretudo, em 806 jogos com a camisa do alvinegro do Parque São Jorge.

Nestes artigos, quero, com você, analisar e compreender esse doce mistério chamado Corinthians.

Fico feliz em poder começar tratando da decisão de outubro de 1977, quando quebramos um jejum de títulos que já durava 22 anos, oito meses e sete dias.

Esta epopeia ocorreu há 40 anos e agora será repetida justamente na decisão do Campeonato Paulista. Que feliz coincidência!

Passei a jogar no time principal do Corinthians em 1972. E eu já sentia a ansiedade da torcida, que havia conquistado seu último título importante em 1954, ano do meu nascimento, com aquele time fantástico de Idário, Cláudio, Baltazar e Luizinho Pequeno Polegar.

Era um clube muito grande, gigante, para ficar tantos anos na fila.

Em 1974, parecia que daríamos essa grande alegria à Fiel, mas o Palmeiras nos superou na final. Foi um trauma para todos.

Depois, em 1976, invadimos o Maracanã, superamos o Fluminense e nos classificamos para a decisão do Brasileiro. Em uma final de um jogo só, caímos diante do Internacional, em Porto Alegre.

Em 1977, sabíamos da ansiedade de todos os corinthianos. Não podíamos deixar passar mais uma oportunidade. Fizemos jogos difíceis e, com garra, avançamos à final, contra a Ponte Preta, que tinha um ótimo time.

Como atletas, sabíamos da nossa responsabilidade. O título nos colocaria em um lugar muito especial na história do clube. Afinal, naquela época, o campeonato mais valorizado era justamente o Paulista.

Agradeço e levanto as mãos para o céu por ter atuado naquele time e por ter auxiliado naquela conquista que recolocou o Timão no caminho das glórias.

Nunca consegui dissociar minha vida profissional da minha vida como cidadão. Naquela época, ainda vivíamos um regime de exceção, sem liberdades democráticas e com parte considerável da população muito excluída e empobrecida.

O que eu mais queria, confesso, era dar alguma alegria para aquelas pessoas, muitas delas humildes, que frequentavam a arquibancada, que gastavam o restinho do salário com o Corinthians e para as quais o futebol era o remédio contra as dores do mundo.

Eu entrava em campo e pensava naquela gente simples, naqueles pais de família, naqueles jovens, no que sentiam, e em como sofriam com o time do coração. Então, 1977 foi uma oportunidade de gerar essa satisfação para a torcida.

Francamente, a gente não suportaria mais uma derrota. E isso eu senti perfeitamente naquela noite de 13 de Outubro de 1977, quando entramos em campo no Morumbi, para o terceiro jogo da final.

Havíamos vencido a primeira partida com aquele gol de cara de Palhinha. E tínhamos sido derrotados no domingo, por 2 a 1.

Portanto, no tira-teima, estávamos muito focados e obstinados. Senti que, naquela noite, a gente ganharia até de uma hipotética seleção do mundo. Eu olhava para meus companheiros no vestiário e via o “sangue no zóio” de cada um.

Você, leitor, pode rever o jogo e vai comprovar que estávamos atuando com garra e organização antes da expulsão do pontepretano Rui Rei.

O futebol é uma modalidade coletiva. Então, para ter sucesso, é preciso que todos estejam sintonizados, com um mesmo grau de comprometimento. Se um está pensando no jogo e outro está planejando as férias, o bom resultado não vem.

Naquela final, havia essa atmosfera de união por um objetivo. Podíamos jogar, repito, contra uma seleção dos melhores do planeta e tenho certeza de que seríamos bem-sucedidos. Era vencer ou vencer.

Como eu disse, em termos de conjunto e coletividade, a Ponte Preta tinha um time considerado superior ao nosso, com atletas muito qualificados, como o goleiro Carlos, o zagueiro Oscar e os meias Marco Aurélio e Dicá.

Além da tática estabelecida pelo nosso técnico, o grande Oswaldo Brandão, contávamos somente com nosso esforço, foco e empenho. E foi assim que conseguimos o 16º título.

Nesta decisão de 2017, considero que os times se equivalem. Talvez a Ponte tenha uma mínima vantagem. A jovem equipe de Carille ainda tem muito que se aprimorar. Ainda falhamos muito nos passes e lançamentos, com um índice de erros muito alto.

Talvez o time esteja um pouco inseguro ainda. Pois não consegue realizar no campo as jogadas articuladas nos treinos.

Temos uma vantagem, que é fazer o último jogo em casa, com apoio de nossa fantástica torcida. Nossos atletas vão jogar pressionados, mas respaldados, o que pode lhes dar mais confiança.

Penso que podemos vencer se formos Corinthians. Se tivermos a garra e a união daquele maravilhoso grupo de 1977.

Naquele jogo final, o Vaguinho teve a chance de marcar, e mandou na trave. Depois, tive eu a oportunidade. Cabeceei o mais forte que pude (fique uma semana com dor no pescoço) e a defesa da Ponte salvou. Aí, veio Basílio e sacramentou o gol.

Lógico, todos nós queríamos ter mandado a bola para as redes, mas todos contribuímos para aquele triunfo. O mais importante foi o espírito de união de toda a equipe. Todos por uma causa.

O mundo deu muitas voltas nestes 40 anos, mas se os jogadores de 2017 pensarem assim, de forma coletiva, com a velha garra corinthiana, tenho certeza de que vamos conquistar o 28º caneco.

Obrigado a todos os fiéis e: vai, Corinthians!

Veja mais em: Ídolos do Corinthians.

Coluna do Wladimir Rodrigues dos Santos

Por Wladimir Rodrigues dos Santos

Atleta que mais vestiu a camisa do Corinthians e recordista de jogos consecutivos pelo clube, com 163 partidas disputadas sem interrupção.

O que você achou do post do Wladimir?

  • Melhores comentários

    Foto do perfil de Noel

    Ranking: 1025º

    Noel 1066 comentários

    por @hexanoel

    Bem vindo Wladimir, me emocionei com suas palavras, cara eu ouvi o jogo no meu radinho de pilha, e ao fim gritei tanto que fiquei roco, aquele jogo foi por demais importante em minha vida, pois vi que teria que acreditar em mim, nos meus sonho, e correr atrás e suar é o melhor que podemos fazer. E hoje posso dizer que venci muitas barreiras e foi graças ao Corinthians. Um dos onze que estava lá foi você, e te agradeço por isso agora.
    Um forte abraço desse que muito te admira Noel

  • Foto do perfil de Ediceu

    Ranking: 1687º

    Ediceu 705 comentários

    por @ediceu.almeida

    Ídolo, confesso que meus olhos lacrimejaram, por ler esse relato, do seu pensamento em entrar em campo tentando dar alegria aos mais humildes, da garra e determinação daquele time de 77.
    Espero que os jogadores de hoje peguem carona com esse espírito de 77 e faça bonito!

  • Últimos comentários

    Foto do perfil de Sergio

    Ranking: 262º

    Sergio 2954 comentários

    128º. por @serjolius

    Já encontrei o wlad em alguns lugares...sou tiozao já...e geralmente não melindro ao encontrar jogadores do clube...mas o wladimir...o ze maria...o zenon..o biro -biro...o maurao(zagueiro), o velho tata... Que são caras que já encontrei por ai em várias situações...sao caras que me fazem viajar a minha adolescencia...os respeito muito.

  • Foto do perfil de Marcelo

    Ranking: 745º

    Marcelo 1362 comentários

    127º. por @marcelo.db

    Falou bonito. Emoção para quem viveu aquela época, e tive essa oportunidade.
    Não fui ao estádio pois naquele tempo, e ainda garoto, não tínhamos recursos.
    Mas a magia do rádio transmitia todas os detalhes e emoções.
    Tempo que o futebol era arte, era paixão, era raça.
    Como li outro dia numa postagem: um tempo onde não tinham chuteiras coloridas, cortes de cabelo mirabolantes nem pinturas, sem exibição de tatuagens, sem modinhas nem estrelismo.
    Claro, a época era outra.
    Ditadura, racionamento, dificuldades financeiras, crise do petróleo.
    Mas o futebol era mágico, era o sonho de criança pela arte e não pelo dinheiro.
    Mas eram outros tempos.

  • Foto do perfil de Miguel Angelo

    Ranking: 1009º

    Miguel 1077 comentários

    126º. por @miguel.angelo.de.sou

    Olha cara, tive o enorme prazer de vê-lo jogar. Uma lenda em nossos corações escrita em linhas gigantes em livro cuja história brilha e vale mais que ouro. Verdadeiro orgulho para nós Corintianos é termos, em uma época cujos ídolos são raros, em nossos corações esta alegria de possuirmos ídolos como você, Wladimir e outros sensacionais. É nossa obrigação agradecê-lo e admirá-lo sempre.
    VALEU WLADIMIR!

  • Foto do perfil de Carlos

    Ranking: 2018º

    Carlos 596 comentários

    125º. por @1sousa2

    Alguém sabe disser se o wladmir Não é mais colunista aqui?

  • Foto do perfil de JOAO

    Ranking: 1163º

    Joao 956 comentários

    124º. por @joao.batistarodrigue

    Muito lindo o caminho trilhado pelo nosso eterno "Pequeno Grande Homem"um senhor lateral esquerdo, que jogava com garra, amor a camisa e ombridade acima de tudo. Todos corintianos de verdade devem conhecer a história daquele jogo e admirar o trabalho do Wladimir. Parabéns pela cronica que postou aqui. Espero ler muitas outras...

  • Foto do perfil de Alexandre

    Ranking: 95º

    Alexandre 5661 comentários

    123º. por @asluque

    Adoro o mestre wlad. É um dos poucos ídolos que não fica com aquela chatice de tudo que é antigo é lindo e maravilhoso e o futebol de hoje é chato. Cada um teve a sua época. Parabéns

  • Foto do perfil de David

    Ranking: 58º

    David 8080 comentários

    122º. por @huracan

    Grande wladimir...em 77 eu também fui em campeão...em 9.10 na arquibancada...em 13.10 na numerada superios...bem atrás do nº 1 do placar que fica de frente para as cameras...legal ler aqui seus comentários...sempre inteligentes e motivadores...que venham muitas e muitas ideias de mudanças...no clube...e na sociedade...afinal...somos a democracia corinthiana

  • Foto do perfil de claudionor

    Ranking: 8784º

    Claudionor 95 comentários

    121º. por @pigmeu

    Ola meus bons amigos acabei de ler estas lindas palavras do grande lateral (WLADIMIR) espero que com estas palavras o nosso elenco fique focado como em 77 e ceremos campeões

  • Foto do perfil de Léu

    Ranking: 447º

    Léu 2042 comentários

    120º. por @leandro.machado5

    Boa meu Timão é de ídolos assim que a página presisa para ficar ainda melhor!
    nossa família é a maior do Brasil!

  • Foto do perfil de sandro

    Ranking: 1614º

    Sandro 733 comentários

    119º. por @antunnes

    Maravilhoso texto principalmente para quem vivenciou e viu jogar este time, parabéns Wladimir; mas a foto que postaram é a do jogo com a ponte preta em 1979, vocês poderiam trocar, no rodapé está 1977.
    VAI CORINTHIANS!