Elias repete gesto de Ronaldo e diz que aceita as cobranças

Elias repete gesto de Ronaldo e diz que aceita as cobranças

Por Meu Timão

Elias diz que aceita cobranças e que tem as costas largas

Elias diz que aceita cobranças e que tem as costas largas

O volante Elias foi fruto de um enorme esforço financeiro da diretoria alvinegra. Apesar de tudo, o jogador de 29 anos vem sofrendo com pesadas críticas e, ao que tudo indica, aprendeu com Ronaldo Fenômeno como agir com essa situação:

- Cada um tem o salário que merece. Se hoje tenho o salário maior do que tinha antes, é porque mereço. A cobrança vai sempre existir. Para uns, mais. Para outros, menos. É preciso estar preparado para isso. Eu me sinto preparado para essa cobrança - afirmou o volante.

- Se for para me cobrar o deixar os jogadores mais jovens soltos, podem me cobrar. Não tenho as costas largas como as de outros jogadores que já estiveram aqui, como o Ronaldo. Não tenho toda a largura dele, que suporta bastante pressão, mas a gente divide bem. Há gente experiente, o Ralf, o Fábio Santos, o Paolo, o Sheik. A gente consegue absorver para que os jovens tenham tranquilidade - concluiu.

Para repatriar Elias, o Corinthians comprou 50% de seus direitos econômicos por 4 milhões de euros (cerca de R$ 12,2 milhões na cotação da época). O atleta ainda não rendeu o esperado, mas espera que com o novo técnico possa render mais que o ano passado.

Veja Mais:

  • Corinthiano Luidy é o novo reforço do Figueirense

    Anunciado por clube da Série B, Luidy agradece Corinthians

    ver detalhes
  • Timão e Caixa não chegaram a acordo pela renovação

    Corinthians recebe ofertas, mas pode permanecer sem patrocínio master na decisão; veja imposições

    ver detalhes
  • Fagner não corre risco de perder finais do Paulistão

    Julgamento de Fagner por suposta agressão no Majestoso acontecerá só após finais do Paulistão

    ver detalhes
  • Jadson, com a 10, fez um dos gols contra a Universidad de Chile na Arena

    Corinthians vai devolver camisa 10 a Jadson; utilização na decisão ainda é incógnita

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes