Tite esteve de 'malas prontas' pra deixar o Corinthians, conta Andrés Sanchez

Tite esteve de 'malas prontas' pra deixar o Corinthians, conta Andrés Sanchez

Por Meu Timão

16 mil visualizações 83 comentários Comunicar erro

Em 2011, Andrés Sanchez bancou permanência de Tite em meio à eliminação precoce na Libertadores

Em 2011, Andrés Sanchez bancou permanência de Tite em meio à eliminação precoce na Libertadores

Foto: Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

O ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, se envolveu novamente em polêmica após dar declarações sinceras demais. Na noite da última segunda-feira, ele participou de uma palestra no Rio de Janeiro e fez comentários curiosos sobre o Timão.

Um deles foi sobre a segunda passagem do técnico Tite no Corinthians. Segundo ele, em 2011, após a eliminação do Tolima na Libertadores, o treinador já tinha feito até as malas.

"Não mandei Tite embora porque ele não tinha culpa. Ele estava há oito jogos no Corinthians, tinha perdido um, empatado dois e vencido cinco. Não havia montado o time. E ficava caro para caramba demiti-lo, algo como R$ 2,5 milhões", declarou.

"No dia em que falei, ele não acreditava. Estava de malas prontas. Falei: 'trate de ganhar, porque se você não ganhar, você vai ser um cara burro e eu também'. Se não tivéssemos sido campeões, ele estaria massacrado e eu, mais ainda", completou.

O comentário foi feito para exemplificar o que os dirigentes de clubes do Brasil devem fazer para melhorar o processo de demissão dos técnicos. Segundo ele, a maioria age, nessas ocasiões, com paixão.

O ex-presidente ainda opinou sobre o período que Tite ficou na Europa para estudar. Segundo Andrés, não foi isso que aconteceu. "Você acha que ele foi para estudar tática? Deu tapa nas costas do treinador do Arsenal (Arsene Wenger) e falou: 'que beleza, dez anos trabalhando...'", disse.

Desmanche da China - Não foi somente sobre o técnico Tite que Andrés fez declarações polêmicas. O ex-superintendente de futebol também comentou sobre o desmanche que a equipe sofreu no início desta temporada. No discurso, chegou a criticar o passado dos jogadores que deixaram a equipe e lamentou que os chineses não levaram mais atletas do elenco.

"Nós temos que mudar a cultura de cobrança da maneira que é feita. Corinthians vendeu o Renato Augusto – que jogou cinco meses também, ficou dois anos machucado –, vendeu Jadson, que foi mandado embora do São Paulo e chegou a ser terceiro reserva do Corinthians, vendeu o Vágner Love, que ninguém queria até um mês antes de ser campeão. Diziam: 'que cagada, contrataram o Love. Não faz gol, é burro...'", declarou.

"Aí vendemos e se alarmaram: 'p... que pariu, desmanchou o time. É um absurdo, tem esquema com empresário, alguém está levando dinheiro'. Isso é insuportável. Tenho que agradecer aos chineses todos os dias, que vieram no Corinthians e levaram jogador. Tinham que ter levado mais. O treinador ganha bem, é o melhor do Brasil, segundo o que falam por aí, ele que monte time, pô", finalizou, de maneira ácida.

Veja Mais:

  • Fábio Carille exibe a taça de heptacampeão brasileiro; treinador seguirá carreira na Ásia

    Fábio Carille deixa Corinthians e acerta com Al-Wehda, da Arábia Saudita

    ver detalhes
  • Osmar Loss (à esq.) sucede Carille no comando técnico do Corinthians

    Osmar Loss assume Corinthians após saída de Carille; estreia acontece nesta quinta

    ver detalhes
  • Carille, agora ex-Corinthians, acertou com Al-Wehda, do mundo árabe

    Corinthians divulga vídeo de agradecimento a Carille

    ver detalhes
  • Titulares do Corinthians foram a campo nesta terça-feira

    Titulares vão a campo, mas Carille não esboça time; jovem ganha atenção especial no fim do treino

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes