Jogador deixa futsal do Corinthians para seguir carreira de funcionário público

Jogador deixa futsal do Corinthians para seguir carreira de funcionário público

Por Meu Timão

O piauiense Munin se mostrou satisfeito por ter encerrado a carreira no Corinthians

O piauiense Munin se mostrou satisfeito por ter encerrado a carreira no Corinthians

Foto: Divulgação

Munin não é mais jogador de futsal do Corinthians. Agora ex-ala/fixo, ele acertou a rescisão de seu contrato com o clube do Parque São Jorge para, aos 34 anos, voltar a ser chamado de Carlos Henrique e assumir uma função no Banco do Brasil, em Brasília.

“Eu sempre estudei, sempre deixei algo resguardado. Caso alguma coisa desse errado, eu teria como sustentar minha família. Em 2012, quando eu estava em Brasília ainda, fiz um concurso. Estudei, fui muito bem na prova e acabei me classificando. Agora, saiu a convocação”, afirmou à rádio Difusora, de Patrocínio-MG.

“A correspondência chegou à casa da minha mãe, e ela me mandou. Quando eu vi, falei: ‘Caraca, é coisa de Deus mesmo’. Eu estava com o pensamento de jogar mais uns dois ou três anos no profissional, pensando no que faria. Graças a deus, surgiu essa oportunidade. Fiquei muito feliz”, relatou.

O Corinthians não impôs dificuldade para que Munin voltasse a ser Carlos Henrique. Ele defendia desde o início do ano passado o clube alvinegro, o último de uma carreira atípica. Formado em contabilidade, especialista em auditoria, conciliou estudos e trabalho com disputas universitárias e regionais.

Foi só em 2010 que ganhou uma chance no Peixe Mazza-DF, largou seu trabalho no Banco Itáu e se tornou profissional do futsal. Em 2011, chegou à Liga Nacional e passando nela por algumas equipes até desembarcar no Parque. Hoje, de volta à vida em banco, sente-se realizado, satisfeito por ter se aposentado em preto e branco.

“É realmente uma equipe de camisa, com uma torcida apaixonada. Fui campeão paulista de 2015, com jogadores renomados. Aquilo, para mim, foi muito prazeroso. Passava um filme na minha cabeça, tudo o que passei para chegar ali. Você olha para trás e vê o tanto que batalhou para conseguir realizar um sonho”, concluiu Carlos Henrique.

Veja Mais:

  • Michel (à esq.) e o sobrinho foram ao Maracanã naquele 23 de outubro

    Terceiro corinthiano solto no Rio desabafa: 'Fui pra ver o jogo, não pra brigar'

    ver detalhes
  • Torcedores na Arena poderão adicionar patch da Chapecoense em camisas

    Loja da Arena irá personalizar grátis camisas em homenagem à Chapecoense

    ver detalhes
  • Corinthians já definiu profissionais que devem permanecer e ser negociados

    Isaac, Mendoza, Oswaldo... Confira quem chega e quem sai do Corinthians

    ver detalhes
  • É tudo política, estúpido!

    [Marco Bello] É tudo política, estúpido!

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes