Impeachment causou atraso em negociação das parcelas da Arena

6.0 mil visualizações 64 comentários

Por Meu Timão

Arena segue com impasse quanto ao pagamento

Arena segue com impasse quanto ao pagamento

Instagram/Bruno Teixeira Rolo

Com o processo de quitação de parcelas da Arena Corinthians ainda em aberto, o clube interrompeu o pagamento por falta de fundos e solicitou adiamento da dívida junto ao Banco BNDES. A paralisação dura seis meses e ganhou ainda mais empecilhos durante o processo de Impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, já que a negociação envolve diretamente o governo.

O Timão interrompeu o pagamento em abril – cada parcela mensal é estipulada em R$ 5,7 milhões – e, desde então, a Caixa Econômica Federal vem arcando com as despesas do pagamento. Outro fator que alimentou a paralisação do processo, foi o entrave entre Corinthians e o Banco BNDES, tendo em vista que o clube pediu mais 19 meses para, enfim, zerar o valor pendente.

“Continuamos a negociação. A questão é que com a mudança de governo troca diretor da Caixa, do BNDES. Aí vai para reunião e tem que começar do zero. Vamos ter que esperar mais um pouco. Estamos nos esforçando para resolver. Acho que até o próximo mês”, disse o diretor de finanças do Corinthians, Flávio Piovesan, em entrevista ao UOL Esporte.

Além da mudança do governo, que culminou na entrada de Michel Temer, alterações na Caixa Econômica Federal e no próprio Banco BNDES também atrasaram o episódio. Na Caixa, Gilberto Orchi assumiu a presidência no lugar de Miriam Belchior, enquanto no Banco BNDES, Maria Silvia Bastos Marques deixou o poder nas mãos de Luciano Coutinho.

Diante do impasse, Flávio Piovesan revelou que as negociações entre as partes seguem em andamento e a que a decisão pelo intervalo no pagamento foi definida sob aceitação dos envolvidos. ''Foi em comum acordo (interromper o pagamento). Estamos pagando os juros, e não o principal, enquanto corre esse pleito'', completou.

Fato é que, diante do custo de mais de R$ 60 milhões anuais que devem ser pagos ao BNDES, o Timão não gera renda suficiente a partir de bilheterias. Em balanço divulgado ao final do primeiro semestre da atual temporada, cerca de R$ 45 milhões foram arrecadados, porém serviços de manutenção do estádio e operações para partidas, geram despesas que impossibilitam a quitação da dívida pela renda proveniente da presença dos torcedores.

Veja Mais:

  • Pedrinho anota o primeiro gol do Corinthians no Brasileirão Sub-17

    Corinthians supera o Internacional e estreia com vitória no Brasileirão Sub-17

    ver detalhes
  • Corinthians conheceu detalhes de seu último compromisso na fase de grupos do Paulista

    Jogo entre Corinthians e Novorizontino é confirmado à tarde; jogos da rodada serão no mesmo horário

    ver detalhes
  • Camacho em ação contra o Atlético-GO pelo Campeonato Brasileiro do ano passado

    CBF define data e horário para a terceira fase da Copa do Brasil; Corinthians encara o Atlético-GO

    ver detalhes
  • Fábio Carille não esconde incômodo com declaração de Andrés Sanchez

    Carille diz que ficou 'muito chateado' com declaração de Andrés Sanchez: 'Não falo mais com ele'

    ver detalhes
  • Após 12 anos de inúmeros recursos dos dois lados, o Corinthians venceu o ex-jogador Ricardinho na Justiça do Trabalho

    Corinthians vence ex-jogador Ricardinho na Justiça do Trabalho e evita nova perda financeira

    ver detalhes
  • Cauê marcou o segundo gol do Corinthians contra o Huancayo, pela Copa Sul-Americana

    Cauê se torna o segundo jogador do Corinthians mais jovem a fazer gol em um torneio internacional

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia:

x