Troca de e-mails sugere fraude em documento da Arena; em nota, Corinthians 'lava as mãos'

Troca de e-mails sugere fraude em documento da Arena; em nota, Corinthians 'lava as mãos'

Por Meu Timão

Arena Corinthians vem sendo pivô de escândalos envolvendo suas obras

Arena Corinthians vem sendo pivô de escândalos envolvendo suas obras

Foto: Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

A Arena Corinthians voltou a ficar em evidência no noticiário por conta de um possível escândalo ao longo de sua construção. Duas semanas após a revelação de contratos escusos entre Odebrecht e fornecedoras, uma troca de e-mails datados de agosto de 2015 foi publicada nesta terça-feira pelo jornal Folha de S. Paulo, sugerindo fraude em um documento relativo às obras do estádio. Por meio de nota oficial, a diretoria do Corinthians se isentou de responsabilidade na polêmica (confira abaixo).

Os e-mails revelados pela reportagem foram enviados e/ou recebidos por: Epaminondas Junior (funcionário da Odebrecht), Nilton Leão (gerente da Arena em 2015, por indicação de Luis Paulo Rosenberg), Ricardo Corregio (engenheiro da Odebrecht e responsável pelos contratos da Arena), Anibal Coutinho (arquiteto responsável pelo projeto da Arena), Andrés Sanchez (ex-presidente do Corinthians), Roberto de Andrade (então e atual presidente do Corinthians) e Guilherme Molina (um dos responsáveis pela parte jurídica da Arena). A conversa indica que houve adulteração no boletim de medição da Arena, que mostrava o que faltava de obras a serem executadas e o que já havia sido faturado.

O trecho mais importante da troca de e-mails foi escrito por Ricardo Corregio e enviado a Nilton Leão com cópias para Andrés Sanchez e Roberto de Andrade: "O item 01 abaixo (referência ao fato de a medição de 2014 não representar a realidade dos trabalhos daquele ano) foi uma decisão de cotistas, por necessidade direta na emissão dos CIDs".

A intenção das partes envolvidas em uma possível fraude no boletim de medição da Arena seria adiantar o repasse dos CIDs (Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento) da Prefeitura de São Paulo. Tais documentos, que deveriam render quase 50% do custo inicial do estádio ao Corinthians, eram emitidos conforme as obras avançavam.

A Odebrecht negou fraude ou tentativa de antecipar os CIDs: "A 'necessidade direta na emissão dos CIDs', citada no e-mail, refere-se ao fato do investimento necessário para emissão dos R$ 420 milhões de CIDs já haver sido atingido antes mesmo da Copa 2014, de forma que o acompanhamento mensal não se fazia mais necessário."

A Prefeitura de São Paulo afirmou que não houve irregularidade na emissão dos CIDs: "Quanto às investigações, a Prefeitura acompanha o seu desenrolar em uma zona de segurança absoluta, em função do fato, já mencionado, de que a utilização de CIDs está muito aquém das menores estimativas de custo do estádio. Na hipótese de a Arena ter custado menos de R$ 700 milhões, a Prefeitura, amparada na lei anti-corrupção pode suspender os títulos imediatamente."

O presidente Roberto de Andrade não se manifestou.

O ex-presidente Mario Gobbi, que era mandatário do clube na época em que o boletim de medição foi assinado, negou responsabilidade nos assuntos relativos à Arena: "O representante do Corinthians no Fundo e Gestor da Arena sempre foi, desde o nascedouro, o presidente Andrés Sanchez, que sempre cuidou de tudo na Arena."

Nilton Leão confirmou a troca de e-mails, mas não quis se pronunciar.

Andrés Sanchez se limitou a dizer que "recebe muitos e-mails, não dá conta de ver todos e que, pos isso, existe um departamento jurídico."

Nota oficial

Pouco após a publicação da reportagem da Folha de S. Paulo, o Corinthians emitiu uma pequena nota oficial em seu site. O posicionamento do clube é de que a diretoria não tem/teve relação com o episódio relatado pelo jornal.

"Em relação à matéria publicada nesta manhã no jornal Folha de S.Paulo, intitulada em “Troca de e-mails indica fraude para antecipar incentivos do Itaquerão (sic)”, o Corinthians esclarece:

O assunto dos CIDs foi acompanhado e orientado pelos jurídicos do BRL Trust, Odebrecht, Corinthians e Machado Meyer. Em nenhum momento colocaram qualquer ilegalidade a nós, dirigentes do Clube."

Veja mais em: Arena Corinthians e Diretoria.

Veja Mais:

  • Patch de homenagem a Chapecoense na camisa do Corinthians

    Veja imagens da camisa do Corinthians com o patch da homenagem a Chapecoense

    ver detalhes
  • Marinho vem sendo pedido por torcedores do Corinthians para 2017

    Pedido pela torcida do Corinthians, Marinho admite deixar Vitória em 2017

    ver detalhes
  • Simi passou sete anos no Corinthians

    Simi reclama de saída do Corinthians e projeta 'final às avessas' da LNF no Parque São Jorge

    ver detalhes
  • Oswaldo divulgou lista de relacionados do Corinthians

    Com apenas um desfalque, Corinthians divulga lista de relacionados para enfrentar Cruzeiro

    ver detalhes

Comente a notícia:

  • 1000 caracteres restantes