Conselheiros barram votação do impeachment, e Roberto de Andrade segue presidente do Timão

97 mil visualizações 306 comentários

Por Lucas Faraldo e Rodrigo Vessoni

Roberto de Andrade assumiu presidência do Corinthians em fev/2015 e segue até fev/2018

Roberto de Andrade assumiu presidência do Corinthians em fev/2015 e segue até fev/2018

Rodrigo Vessoni

O presidente Roberto de Andrade passou ileso pelo processo de impeachment com o qual lutava desde novembro do ano passado. Em encontro realizado entre conselheiros do clube, no Salão Nobre do Parque São Jorge, na noite desta segunda-feira, não houve aprovação dos motivos da convocação para análise dá destituição do mandatário.

A primeira (e única) discussão da noite disse respeito à admissibilidade do processo, conforme manda o estatuto do clube. Neste caso, com a vitória do "sim", os conselheiros aí então passariam a votar pela continuidade ou não do processo de impeachment. Acontece que o "não" venceu por 181 votos a 81. Houve ainda um voto nulo e outro branco. A oposição promete recorrer.

Dois cenários seriam propostos aos conselheiros caso houvesse admissibilidade:

  • Sim, sou favorável ao impeachment de Roberto de Andrade. Neste caso, o processo tem continuidade e haverá votação entre os sócios do clube para definir a saída ou não do presidente, que já se encontraria afastado.
  • Não, sou contrário ao impeachment de Roberto de Andrade. Neste caso, o processo se encerra e o presidente termina seu mandato normalmente até fevereiro de 2018.

O processo de impeachment contra Roberto de Andrade vinha se desdobrando no Parque São Jorge desde novembro do ano passado. Na ocasião, um grupo de conselheiros protocolou requerimento de destituição. O presidente do Conselho, Guilherme Strenger, encaminhou o pedido à Comissão de Ética do Corinthians.

Após receber parecer da Comissão de Ética, que pediu apenas uma advertência a Roberto de Andrade, o processo de impeachment se encaminhou para o Conselho Deliberativo. Esse foi o motivo da votação realizada nesta segunda-feira na sede do clube.

Motivos do impeachment

A justificativa formal para o pedido do impeachment foram duas assinaturas (em ata de reunião do Fundo Arena e em reunião com a Omni para discutir a terceirização do estacionamento da Arena) feitas por Roberto de Andrade como presidente do Corinthians antes mesmo de assumir o cargo. Ele foi acusado de fraude e, em depoimento à Polícia Civil, negou irregularidades.

Informalmente, porém, há conselheiros que admitem que há motivação política por trás do processo de impeachment. A gestão de Roberto de Andrade vem sendo muito criticada nos bastidores do Parque São Jorge. Com a imagem da atual diretoria manchada perante a torcida, a destituição do atual presidente se tornou uma saída para a oposição corinthiana.

Veja mais em: Impeachment.

Veja Mais:

  • Neo Química já foi patrocinadora máster do Corinthians na época de Ronaldo Fenômeno

    Neo Química, dona do naming rights, volta à camisa do Corinthians; saiba os detalhes 

    ver detalhes
  • Do Fórum do Meu Timão direto para a camisa do Corinthians Feminino

    [Ana Paula Araújo] Do Fórum do Meu Timão direto para a camisa do Corinthians Feminino

    ver detalhes
  • Zagueiro Gil deve voltar à equipe após cumprir suspensão na última rodada

    Corinthians realiza trabalho técnico de olho no Red Bull Bragantino; veja provável escalação

    ver detalhes
  • [Giovana Duarte] Como o time feminino do Corinthians pode ajudar a modalidade inteira fora de campo

    ver detalhes
  • Elenco comemora gol de Gustavo Silva sobre o Sport, pelo Brasileirão, na Neo Química Arena

    Corinthians inicia rodada com 6% a mais de chance de terminar o Brasileirão no G6; veja números

    ver detalhes
  • As mudanças na parceria entre Corinthians e BMG explicitam que esse nunca foi um patrocínio máster

    [Julia Raya] As mudanças na parceria entre Corinthians e BMG explicitam que esse nunca foi um patrocínio máster

    ver detalhes

Últimas notícias do Corinthians

Comente a notícia: